A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Copom reafirma que dados sugerem persistência da inflação

As ponderações estão na ata da última reunião do Copom, realizada nos dias 28 e 29 de abril. O documento foi divulgado hoje (7) pelo BC

Brasília - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) voltou a avaliar que as informações disponíveis sobre inflação “sugerem persistência” do movimento de alta de preços.

Para o comitê, a continuidade da inflação elevada “reflete em parte a dinâmica dos preços no segmento de serviços, e, no curto prazo, o processo de realinhamento dos preços administrados [que são os regulados pelo governo ou por contrato, como o da gasolina e da energia]".

As ponderações estão na ata da última reunião do Copom, realizada nos dias 28 e 29 de abril. O documento foi divulgado hoje (7) pelo BC. 

Na reunião da semana passada, o Copom elevou em 0,5 ponto percentual a Selic, taxa básica de juros da economia, que agora está em 13,25% ao ano.

Foi a quinta elevação consecutiva: a taxa é o instrumento do BC para controle da inflação. Na ata, o comitê destacou que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulada em 12 meses atingiu 8,13% em março.

Ressaltou, ainda, que a alta especificamente dos preços administrados ficou em 13,37% no mesmo período. 

A ata informa que o comitê projeta alta de 11,8% nos preços administrados para 2015. Houve elevação de 10,7% na reunião anterior.

A estimativa engloba projeção de alta de 9,8% no preço da gasolina, de 1,9% no do gás de bujão, de 4,1% nas tarifas de telefonia e de 38,3% nos preços da energia elétrica.

O Copom avalia há “dados indicando início de um processo de distensão [perda de dinamismo] no mercado de trabalho”, o que favorece a queda da inflação.

Mesmo assim, para o comitê, “ainda prevalece risco significativo relacionado, particularmente, à possibilidade de concessão de aumentos de salários incompatíveis com o crescimento da produtividade, com repercussões negativas sobre a inflação”.

Ainda no mercado doméstico, o comitê voltou a afirmar que o cenário “contempla expansão moderada do crédito, o que já está sendo observado”.

Mas, apesar de avaliar que “os riscos [para a inflação] no segmento de crédito ao consumo vêm sendo mitigados”, o comitê considera necessárias iniciativas no sentido de moderar “concessões de subsídios por intermédio de operações de crédito”. 

Para o Copom, o consumo das famílias brasileiras deve se estabilizar devido a fatores como emprego, renda e crédito.

Por outro lado, o financiamento imobiliário, a concessão de serviços públicos e a ampliação de renda agrícola devem favorecer o investimento, segundo o BC. Já as exportações devem ser beneficiadas pela desvalorização do real.

Com relação ao quadro internacional, a ata diz que, apesar de o Copom identificar “baixa probabilidade de ocorrência de eventos extremos (…), o ambiente externo permanece complexo”.

O comitê destaca que há tendência de “recuperação do crescimento em algumas economias maduras e intensificação da atividade em outras”.

Enquanto isso, avalia o Copom, economias emergentes estão em período de “transição” e “moderação” no ritmo de atividade. Também se referindo aos mercados internacionais, o Copom diz que há moderação dos preços de commodities (produtos básicos com cotação internacional).

Com relação especificamente ao petróleo, “a evolução dos preços internacionais tende a se transmitir à economia doméstica tanto por meio de cadeias produtivas, como a petroquímica, quanto por intermédio das expectativas de inflação”.

Neste contexto, o comitê novamente avaliou que os avanços alcançados no controle da inflação “ainda não se mostraram suficientes” e reafirmou que “a política monetária deve manter-se vigilante”.

O Copom reiterou mais uma vez que o cenário de convergência da inflação em 2016 para o centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é 4,5%, “tem se fortalecido”.

O colegiado volta a se reunir nos dias 2 e 3 de junho, para deliberar sobre os rumos da taxa Selic para o próximo período de 45 dias. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também