Construção contraria melhora e tem saldo negativo no emprego

O setor teve um aumento do desemprego em abril por conta da atividade na construção de edifícios

Brasília - O coordenador-geral de Estatísticas do Trabalho do Ministério do Trabalho, Mário Magalhães, avaliou nesta terça-feira, 16, que o setor da construção civil foi o único setor da economia com aumento do desemprego em abril - 1.760 demissões líquidas - por conta ainda da fraca atividade na construção de edifícios.

"Mas já há saldo positivo em construção de rodovias, ferrovias, com mais de 3.000 emprego, e para setor o elétrico, com mais de 600", destacou. "Já a retomada do emprego na construção de edifícios e residências depende da recuperação do conjunto da economia, principalmente do crédito", argumentou.

Serviços

Já no setor de serviços, mesmo com a recuperação 24.712 postos de trabalho em abril, Magalhães destacou a queda de 1.060 vagas nas instituições financeiras.

"Os anos de crise também afetaram o setor financeiro, que perdeu rentabilidade. Com certeza isso tem a ver com a reestruturação de bancos públicos, como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, que reduziram a quantidade de agências e têm programas de demissão voluntária (PDV)", acrescentou.

O coordenador destacou ainda que a abertura de 14.648 vagas de trabalho na agropecuária em abril está relacionada com a safra de cana-de-açúcar, principalmente em São Paulo, além do café em Minas Gerais.

Magalhães explicou que o pico da geração de emprego no País - considerando todos os setores - costuma ocorrer nos meses de agosto, setembro e outubro, quando a indústria e o comércio contratam com vistas nas vendas de final de ano.

Comércio

O coordenador-geral de Estatísticas do Trabalho destacou que o comércio varejista criou 6.588 vagas de emprego formal em abril em decorrência da reação da renda e dos saques das contas inativas do FGTS.

"O comércio varejista vinha sendo um grande vilão, mas agora a gente pode ver um resultado de fato positivo", avaliou. "Hipermercados, supermercados e farmácias lideraram geração de vagas no setor", detalhou.

Segundo ele, a melhora do emprego no varejo está relacionada à recuperação do poder aquisitivo da população, aliado à menor inflação. "Além disso, embora parte dos saques do FGTS tenha sido usado para a quitação de dívidas, uma parcela também foi direcionada para o consumo", completou.

Já no comércio atacadista, houve queda de 1.261 postos de trabalho no mês passado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.