Afastamento de vice-presidentes da Caixa atende BC, diz Meirelles

O movimento do presidente Michel Temer pelo afastamento foi publicado após reunião nesta manhã do presidente do BC e com o presidente da Caixa

São Paulo - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira que a decisão do Planalto de afastar temporariamente quatro vice-presidentes da Caixa Econômica Federal atende a recomendação feita pelo Banco Central, e pontuou que o próprio banco decidirá na sexta-feira o que ocorrerá daqui para frente.

"O Banco Central determinou exatamente, pediu o afastamento. O que o presidente faz é dar um prazo para que eles apresentem a defesa antes de ser feito e determinado um possível afastamento definitivo, se for esta a conclusão", disse Meirelles a jornalistas.

Ele destacou que a decisão sobre o que ocorrerá com os executivos será tomada pelo Conselho do banco, em reunião que ocorrerá na próxima sexta-feira, dia 19.

"A decisão final vai ser tomada pelo Conselho da Caixa na medida em que (é o que prevê) o estatuto já aprovado e que será submetido à assembleia geral no dia 19", afirmou. Segundo o texto, cabe ao colegiado fazer a nomeação e exoneração de vice-presidentes.

O movimento do presidente Michel Temer pelo afastamento foi publicado após reunião nesta manhã do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, com o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, e o secretário-executivo da Fazenda, Eduardo Guardia.

Segundo fonte ouvida pela Reuters, o próprio BC pediu a destituição. Mas a recomendação da autoridade monetária nesse sentido veio há mais tempo.

Na quarta-feira, o diretor de Fiscalização do BC, Paulo Sérgio Neves de Souza, enviou um ofício à presidente do Conselho de Administração da Caixa, a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, em que recomendou o afastamento de vice-presidentes do banco após uma apuração independente e outra feita pelo Ministério Público Federal terem descoberto uma série de irregularidades em procedimento internos da instituição, segundo documentos de um processo judicial a que a Reuters teve acesso.

Quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa, além de Occhi, estão sendo investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público. O pedido de afastamento dos dirigentes foi feito em dezembro pelo MPF e assinado pelas forças-tarefas das operações Greenfield, Cui Bono e Sépsis.

Os vice-presidentes citados nas investigações são Deusdina Pereira, de Fundos e Loterias; Roberto Derziê de Sant'Anna, de Governo; Antonio Carlos Ferreira, Corporativo; e José Henrique Marques da Cruz, de Clientes, Negócios e Transformação Digital.

Até semana passada, Temer vinha se recusando a afastar executivos da Caixa, que tem suas diretorias divididas entre indicações feitas pelo MDB, PR, PRB e o PP, partido de Occhi.

A ideia, até então, era evitar embates com parlamentares que poderiam rachar a base aliada num momento em que o governo luta para tentar emplacar a votação da reforma da Previdência.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.