Casual

Queda de cabelo antes dos 30 anos indica risco de câncer

Uma nova pesquisa aponta que homens que começam a perder cabelo na faixa dos 20 anos podem ter maior risco de desenvolver câncer de próstata no futuro.

Câncer: o risco é maior para homens que perdem cabelo antes dos 30 (US National Cancer Institute)

Câncer: o risco é maior para homens que perdem cabelo antes dos 30 (US National Cancer Institute)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de junho de 2011 às 08h56.

São Paulo - A conclusão é de um estudo publicado na revista Annals of Oncology. A pesquisa, feita na França, comparou 388 portadores de tumores na próstata com um grupo de controle de 281 homens saudáveis e verificou que, entre aqueles com a doença, a porcentagem daqueles que começaram a ficar calvos aos 20 e poucos anos era duas vezes maior do que nos demais.

Para aqueles cuja calvície começou depois dos 30 ou depois dos 40, não houve diferença no risco de desenvolver câncer de próstada em comparação com o grupo de controle. A alopécia androgênica é a queda de cabelos que afeta principalmente os homens. Cerca de 50% do público masculino será afetado em algum momento da vida.

Relações entre calvície e hormônios androgênicos (como a testosterona) são conhecidas, da mesma forma que a relação entre esses hormônios e o câncer de próstata. A finasterida – medicamento usado no tratamento da calvície – bloqueia a conversão de testosterona em um androgênio chamado dihidrotestosterona, que se estima estar envolvida na queda de cabelos. O medicamento também é usado para tratar câncer de próstata.


Os autores do estudo apontam a relação observada entre a queda de cabelo precoce o risco de desenvolvimento da doença mas ressaltam que os mecanismos por trás dessa associação são ainda desconhecidos. “Mais estudos são necessários, tanto com maiores grupos como no nível molecular, de modo a encontrarmos as ligações desconhecidas entre hormônios androgênicos, calvície precoce e câncer de próstata”, disse Michael Yassa, que, na época do estudo, estava no Hospital Europeu Georges Pompidou, em Paris. Atualmente, ele é professor na Universidade de Montreal.

“Precisamos, também, encontrar formas de identificar aqueles que têm mais risco de desenvolver a doença e que poderiam se beneficiar dos exames de diagnóstico. Com isso, poderíamos começar a considerar a prevenção por meio de drogas antiandrogênicas. A calvície precoce pode ser um desses fatores de risco”, derstacou Philippe Giraud, professor da Universidade de Paris Descartes, que coordenou a pesquisa.

Acompanhe tudo sobre:CâncerDoençasEuropaFrançaPaíses ricosPesquisa e desenvolvimentoSaúde

Mais de Casual

Olimpíada de Paris: diárias de hotéis chegam a R$ 279 mil

Por que uma dieta baseada em vegetais nem sempre é saudável?

Restaurante proíbe entrada de clientes com menos de 30 anos nos EUA

Sopas, caldos e lámens: restaurantes em São Paulo com pratos quentes para o inverno

Mais na Exame