Mundo

Presidente do Paraguai vai a Cuba fazer tratamento contra o câncer

Desde meados do ano passado, o presidente Fernando Lugo faz tratamento para o combate do linfoma

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, em sua última visita ao Brasil (Ricardo Stuckert Filho/PR)

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, em sua última visita ao Brasil (Ricardo Stuckert Filho/PR)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de junho de 2011 às 08h57.

Brasília - Em tratamento para combate ao câncer, o presidente do Paraguai, Fernando Lugo, fica de hoje (16) a domingo (20) em Cuba para consultas médicas. Ele viaja acompanhado pelo seu médico particular, Agustin Casaccia, e o secretário particular, Miguel Rojas. Nos quatro dias em que Lugo estiver fora de Assunção, capital paraguaia, ocupará a Presidência da República o vice-presidente Federico Franco.

As informações são da Presidência da República do Paraguai. Desde meados do ano passado, Lugo faz tratamento para o combate de um linfoma. Não há detalhes sobre como será essa etapa do tratamento em Cuba.

O presidente alternou as seis sessões de quimioterapia no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e uma clínica privada em Assunção, até novembro de 2010. No mês passado, Lugo fez uma série de exames no Sírio-Libanês para verificar os efeitos do tratamento.

Segundo boletim médico divulgado pelo hospital no fim de janeiro, não há evidências da doença após o tratamento. De acordo com os médicos, houve uma “remissão” no linfoma. Em nota, a Presidência da República do Paraguai informou que o quadro clínico do presidente “é excelente”.

Ao longo do tratamento, Lugo perdeu o cabelo e peso. Também optou por reduzir as atividades políticas, mas recusou-se a pedir licença do cargo, como insistiu a oposição.

Em 26 de março, Lugo e a presidenta Dilma Rousseff devem se reunir em Assunção. Um dos principais temas da conversa deve ser a renegociação das tarifas da Itaipu Binacional.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaCâncerDoençasParaguaiPolíticaSaúde

Mais de Mundo

Com redução de neve no Himalaia, 25% da população global pode enfrentar escassez de água em 2024

Eleição nos EUA: Anúncio da campanha de Biden chama a atenção para status de criminoso de Trump

Empresas chinesas focam em aumentar vendas com patrocínio na Olimpíada de Paris

Vendas no varejo de bens de consumo social aumentam 3,7% na China

Mais na Exame