Acompanhe:

O que é o programa Artemis, missão da Nasa da qual o Brasil faz parte

Programa espacial ambicioso quer enviar primeira mulher e primeira pessoa negra à Lua em 2024; objetivo é estabelecer presença permanente no satélite e, eventualmente, chegar até Marte

Modo escuro

Continua após a publicidade
Senadores norte-americanos posam com astronautas graduandos da Nasa e da Agência Espacial Canadense durante cerimônia no Centro Espacial Johnson, em janeiro de 2020. Os 13 astronautas se tornarão elegíveis para voos espaciais, incluindo os do programa Artemis (MARK FELIX/AFP/Getty Images)

Senadores norte-americanos posam com astronautas graduandos da Nasa e da Agência Espacial Canadense durante cerimônia no Centro Espacial Johnson, em janeiro de 2020. Os 13 astronautas se tornarão elegíveis para voos espaciais, incluindo os do programa Artemis (MARK FELIX/AFP/Getty Images)

L
Laura Pancini

Publicado em 16 de junho de 2021 às, 10h54.

Nesta terça-feira, 15, o Brasil assinou o acordo de adesão ao programa Artemis, missão espacial liderada pela Nasa e os Estados Unidos, que quer enviar a primeira mulher e a primeira pessoa negra à Lua em 2024.

Outro objetivo do programa Artemis é estabelecer uma presença norte-americana permanente na Lua até o final desta década. A agência espacial quer "colonizar" o satélite natural para ter um lugar para astronautas (e, eventualmente, qualquer pessoa) ficarem antes de viajar até o planeta final: Marte.

A missão ambiciosa tem apoio do governo norte-americano. Só em 2009, o ex-presidente Barack Obama cancelou o projeto (que, na época, era uma versão diferente do projeto que conhecemos hoje), porque o plano "havia se tornado inviável".

Uma versão do programa só foi reestabelecida em 2017 com o ex-presidente Donald Trump. Dois anos depois, o ex-vice Mike Pence anunciou que a missão seria acelerada em 4 anos, com pouso planejado para 2024. 

Agora, na presidência de Joe Biden, a Nasa recebeu o maior "orçamento para a ciência de todos os tempos", de acordo com administrador da agência espacial, Bill Nelson. São 24,8 bilhões de dólares para 2022, destinados para pavimentar o caminho para o próximo pouso humano na Lua.

Artemis I

O Artemis I será o primeiro teste integrado de todas as tecnologias desenvolvidas pela Nasa e outras empresas espaciais: a espaçonave Orion, o foguete Space Launch System (SLS) e os sistemas terrestres do Kennedy Space Center na Flórida. O voo não será tripulado e estava previsto para acontecer em junho de 2020, mas ainda não aconteceu.

"A espaçonave lançará o foguete mais poderoso do mundo e voará mais longe do que qualquer espaçonave construída para humanos já voou", disse a Nasa em comunicado. A nave Orion viajará 450.000 quilômetros por cerca de três semanas e ficará no espaço sem se fixar a uma estação espacial.

“Esta é uma missão que realmente fará o que não foi feito e aprenderá o que não se sabe”, disse Mike Sarafin, gerente da missão Artemis I na sede da Nasa em Washington. “Isso abrirá um caminho para as pessoas que seguirão no próximo voo do Orion.” 

Participação do Brasil no programa Artemis

Até o momento, o Brasil é o único país da América Latina a assinar o documento. Ele se junta a outros 11 países: Austrália, Canadá, Coreia do Sul, EUA, Itália, Japão, Luxemburgo, Emirados Árabes Unidos, Nova Zelândia, Reino Unido e Ucrânia.

Durante a cerimônia no Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro disse que, além do objetivo de levar a primeira mulher à Lua, o acordo servirá para impulsionar o desenvolvimento tecnológico do país.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, disse que o programa espacial brasileiro deve se fortalecer e formar uma nova geração de especialistas. “Temos caminhos abertos para futuros cientistas, futuros engenheiros, futuros técnicos e futuros astronautas, por que não?”, disse o ministro.

SpaceX do Elon Musk no programa Artemis

Em abril, a SpaceX, empresa espacial do bilionário Elon Musk, ganhou contrato avaliado em 2,9 bilhões de dólares para construir uma das espaçonaves Starship para o programa Artemis.

Musk acabou vencendo de Jeff Bezos, que também era um dos considerados pela Nasa com sua empresa espacial Blue Origin. A terceira competidora era a Dynetics, empreiteira norte-americana.

Antes de tomar a decisão, a Nasa concedeu três contratos originais para as empresas: a Blue Origin recebeu o maior (US $ 579 milhões), seguido da Dynetics (US $ 253 milhões) e, por último, a SpaceX (US $ 135 milhões).

O contrato, portanto, é uma grande vitória para a SpaceX, que hoje se solidifica como um parceiro de confiança da agência norte-americana.

De acordo com documento visto pelo Washington Post, a oferta da empresa de Musk "foi a mais baixa entre os ofertantes por uma ampla margem". Outro fator importante foi a grande quantidade de carga que a Starship é capaz de transportar "de e para a superfície da Lua".

Vários protótipos já estão sendo lançados nas instalações da SpaceX em Boca Chica, no Texas. 

Últimas Notícias

Ver mais
Nasa busca voluntários para missão de um ano em simulador de vida em Marte
Ciência

Nasa busca voluntários para missão de um ano em simulador de vida em Marte

Há 21 horas

Cientistas projetam supercolisor que pode revolucionar a física moderna
Ciência

Cientistas projetam supercolisor que pode revolucionar a física moderna

Há 21 horas

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987
Ciência

Telescópio James Webb pode ter descoberto mistério de supernova de 1987

Há 3 dias

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas
Ciência

Qual é a origem da Lua? Agência espacial do Japão diz ter pistas

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais