Ciência

Novo estudo detalha como coronavírus infecta humanos

Nova pesquisa realizada por cientistas dos Estados Unidos demonstra como o vírus é transmitido para seres humanos

Coronavírus: estudo demonstra como vírus infecta humanos (Jasni Ulak / EyeEm/Getty Images)

Coronavírus: estudo demonstra como vírus infecta humanos (Jasni Ulak / EyeEm/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 30 de março de 2020 às 16h08.

Última atualização em 1 de abril de 2020 às 20h01.

Um novo estudo feito por pesquisadores nos Estados Unidos avaliou como o novo coronavírus infecta humanos. Os pesquisadores da Universidade de Minesota modelaram em 3D, e em escala atômica, os espinhos de proteína do vírus e as células humanas às quais eles se ligam. Os receptores do corpo humano em questão são chamados ACE-2. Quando o vírus entra no corpo e encontra esses receptores, ele se conecta a eles e começa a se replicar.

A análise mostrou que os espinhos de proteína usados pelo vírus o tornam cerca de quatro vezes mais forte do que o vírus sars, da mesma família de vírus. O sars se propagou em 2002 e foi erradicado em dois anos.

O estudo indica ainda que o novo coronavírus pode entrar no corpo pelo nariz ou pela boca e suas partículas se ligam a células do sistema respiratório. Poucas partículas do vírus são necessárias para infectar uma pessoa.

“O estudo fornece uma razão para essa diferença: o espinho de proteína da superfície no Sars-CoV-2 é capaz de se ligar de forma mais eficiente à proteína da superfície celular, chamada ACE-2, que atua como porta de entrada para o vírus. Essa ligação aprimorada pode permitir que o vírus infecte o nariz e a garganta com mais eficiência, onde se pensa que os níveis de ACE-2 são mais baixos”, disse ao The Guardian Jonathan Ball, professor de virologia da Universidade de Nottingham, que não participou do estudo.

Publicado na revista científica Nature, o estudo mostra também que a origem do vírus está relacionada a morcegos e pangolins. Não se sabe, porém, se o vírus veio diretamente dos morcegos para os humanos ou se o salto de espécies teve o pangolim como intermediário.

Como acontece com a maioria dos estudos relacionados ao novo coronavírus, a pesquisa americana ainda é preliminar e é necessária mais investigação científica para validar as hipóteses dos pesquisadores.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEstados Unidos (EUA)Pesquisas científicas

Mais de Ciência

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Aranhas em marte? Fenômeno cria 'aracnídeos' no planeta vermelho

Mais na Exame