• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Nasa considera construir redes de Wi-Fi na Lua

Com interesse em acabar com a desigualdade digital nos Estados Unidos e criar tecnologias para a missão Artemis, a agência espacial desenvolveu um estudo para entender a viabilidade do projeto
"O estudo é importante porque tripulantes, rovers, instrumentos científicos e equipamentos de mineração precisarão de links de comunicação confiáveis ​​para um acampamento ou base lunar", disse pesquisador que conduziu o projeto (Getty Images/Caspar Benson)
"O estudo é importante porque tripulantes, rovers, instrumentos científicos e equipamentos de mineração precisarão de links de comunicação confiáveis ​​para um acampamento ou base lunar", disse pesquisador que conduziu o projeto (Getty Images/Caspar Benson)
Por Laura PanciniPublicado em 18/10/2021 10:15 | Última atualização em 18/10/2021 10:15Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Um novo estudo divulgado pela agência espacial Nasa busca entender a viabilidade de construir uma rede Wi-Fi na Lua.

Os objetivos seriam resolver a desigualdade no acesso à Internet nos Estados Unidos e desenvolver a tecnologia para o programa Artemis, missão que quer enviar a primeira mulher e o primeiro homem negro à Lua até 2024 (apesar de que brigas judiciais com Jeff Bezos e sua empresa espacial Blue Origin talvez atrasem o lançamento).

"O estudo é importante porque tripulantes, rovers, instrumentos científicos e equipamentos de mineração precisarão de links de comunicação confiáveis ​​para um acampamento ou base lunar", disse Steve Oleson, líder do laboratório Compass da Nasa, que conduziu a pesquisa.

Em parceria com a organização de desenvolvimento econômico Greater Cleveland Partnership, eles analisaram a desigualdade digital no país e se a rede Wi-Fi na Lua poderia solucionar o desafio. Um bairro de Cleveland, cidade estadunidense com 31% dos domicílios sem acesso à banda larga, foi usado como exemplo para o estudo.

Os engenheiros descobriram que o acesso à Internet poderia chegar em todas as residências da cidade caso roteadores fossem deixados em 20.000 postes de luz, por exemplo.

Caso o roteador fosse colocado a no máximo 100 metros de distância, seria possível dar cerca de 7,5 megabits por segundo de velocidade de download em uma casa de quatro pessoas.

O serviço seria útil, portanto, para aqueles que precisam da conexão à Internet para o básico, como trabalhos escolares, pagamento de contas ou pesquisar informações. “Não seria suficiente para o streaming 4K de vídeo ou jogos ", acrescentou Oleson.

Os resultados do estudo serão fornecidos aos planejadores da Nasa para futuras missões.

  • Como a vida pós-vacina vai mudar a sua vida profissional? Assine a EXAME e entenda.