Ciência

Nasa anuncia voo à Lua a partir de 29 de agosto

A Artemis 1 viajará ao redor da face oculta da Lua, em uma missão que irá durar entre quatro e seis semanas

Programa Artemis: missão espacial liderada pela Nasa e os Estados Unidos quer enviar a primeira mulher e a primeira pessoa negra à Lua em 2024 (EVA MARIE UZCATEGUI/AFP/Getty Images)

Programa Artemis: missão espacial liderada pela Nasa e os Estados Unidos quer enviar a primeira mulher e a primeira pessoa negra à Lua em 2024 (EVA MARIE UZCATEGUI/AFP/Getty Images)

A Artemis 1, primeira missão não tripulada do programa americano de retorno à Lua, deverá decolar a partir de 29 de agosto, anunciou nesta quarta-feira, 20, a Nasa.

Assim, a nave fará o primeiro de uma série de voos com os quais os Estados Unidos pretendem voltar à Lua com uma tripulação humana, estabelecer naquele local uma presença sustentada e utilizar as experiências obtidas para planejar uma viagem a Marte em algum momento da década de 2030.

O responsável da Nasa Jim Free declarou que a primeira janela de possíveis datas de lançamento para o gigantesco Sistema de Lançamento Espacial (SLS, sigla em inglês) e a cápsula acoplada Orion consiste nos dias 29 de agosto, 2 de setembro e 5 de setembro.

Os últimos testes realizados em junho alcançaram 90% das metas e, nesta quarta, Cliff Lanham, responsável da divisão de veículos espaciais, disse que os engenheiros solucionaram falhas que causavam perda de hidrogênio no sistema de lançamento.

A Artemis 1 viajará ao redor da face oculta da Lua, em uma missão que irá durar entre quatro e seis semanas, mais do que qualquer espaçonave tripulada já fez sem acoplar. Depois, voltará à Terra mais rapidamente e será submetida a mais calor do que todas as naves anteriores. Também posicionará pequenos satélites, denominados CubeSats ,destinados a desenvolver experimentos espaciais.

"Nosso primeiro e principal objetivo é expor o escudo térmico da Orion às condições de recuperação lunar", disse Mike Sarafin, chefe da missão. Em seu retorno, a cápsula viajará a cerca de 39.400 km/h e experimentará temperaturas com cerca de metade do calor do Sol.

O segundo objetivo é verificar a solvência do voo do foguete e da cápsula durante a missão. Por fim, a Nasa tentará recuperar a Orion após a sua amerissagem, para, depois, revisá-la a fundo.

O próximo voo será o Artemis 2, que será tripulado, mas os astronautas não sairão da nave. Por sua vez, a Artemis 3 levará posteriormente a primeira mulher e a primeira pessoa negra ao solo lunar.

Artemis I

O Artemis I será o primeiro teste integrado de todas as tecnologias desenvolvidas pela Nasa e outras empresas espaciais: a espaçonave Orion, o foguete Space Launch System (SLS) e os sistemas terrestres do Kennedy Space Center na Flórida.

"A espaçonave lançará o foguete mais poderoso do mundo e voará mais longe do que qualquer espaçonave construída para humanos já voou", disse a Nasa em comunicado. A nave Orion viajará 450.000 quilômetros por cerca de três semanas e ficará no espaço sem se fixar a uma estação espacial.

“Esta é uma missão que realmente fará o que não foi feito e aprenderá o que não se sabe”, disse Mike Sarafin, gerente da missão Artemis I na sede da Nasa em Washington. “Isso abrirá um caminho para as pessoas que seguirão no próximo voo do Orion.” 

SpaceX do Elon Musk no programa Artemis

Em abril de 2021, a SpaceX, empresa espacial do bilionário Elon Musk, ganhou contrato avaliado em 2,9 bilhões de dólares para construir uma das espaçonaves Starship para o programa Artemis.

Musk acabou vencendo de Jeff Bezos, que também era um dos considerados pela Nasa com sua empresa espacial Blue Origin. A terceira competidora era a Dynetics, empreiteira norte-americana.

Antes de tomar a decisão, a Nasa concedeu três contratos originais para as empresas: a Blue Origin recebeu o maior (US $ 579 milhões), seguido da Dynetics (US $ 253 milhões) e, por último, a SpaceX (US $ 135 milhões).

contrato, portanto, é uma grande vitória para a SpaceX, que hoje se solidifica como um parceiro de confiança da agência norte-americana.

De acordo com documento visto pelo Washington Post, a oferta da empresa de Musk "foi a mais baixa entre os ofertantes por uma ampla margem". Outro fator importante foi a grande quantidade de carga que a Starship é capaz de transportar "de e para a superfície da Lua".

Vários protótipos já estão sendo lançados nas instalações da SpaceX em Boca Chica, no Texas. 

Acompanhe tudo sobre:EspaçoFoguetesLuaNasa

Mais de Ciência

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

Mais na Exame