Casual

Quanto custa comer nos 10 melhores restaurantes do Brasil

Os restaurantes fazem parte da terceira edição do ranking da Casual EXAME que elegeu os 100 melhores do Brasil

Lasai: prato do menu degustação do melhor restaurante do Brasil em 2024. (Divulgação/Divulgação)

Lasai: prato do menu degustação do melhor restaurante do Brasil em 2024. (Divulgação/Divulgação)

Publicado em 26 de maio de 2024 às 07h44.

Última atualização em 27 de maio de 2024 às 15h34.

Dos 100 Melhores Restaurantes do Brasil, eleitos por Casual EXAME em 2024, os dez primeiros têm algo em comum: todos contam com menu degustação, seja como a única opção do cardápio ou como sugestão dos chefs. Ao escolher um serviço com diversos tempos, você é convidado a conhecer a história por trás do restaurante, e toda a trajetória do cozinheiro que comanda as panelas da casa. É como se fosse um filme vivo da gastronomia.

Abaixo você confere um pouco sobre cada um dos restaurantes e quanto custa comer em cada um deles. A seleção dos estabelecimentos foi feita por um júri formado por 72 renomados críticos e influenciadores de todo o país (veja a lista no final deste conteúdo).

Cada especialista apontou dez restaurantes de sua preferência, sem ordem de importância. Todos os votos foram compilados e organizados nesta lista. Em caso de empate, a organização foi feita por ordem alfabética. É um guia para você, leitor, conhecer o que há de melhor no país. A lista também reconhece o trabalho de toda a cadeia, dos chefs, aos garçons e empresários.

Aproveite também para conhecer os melhores bares de São Paulo e em Salvador


1o lugar | Lasai (RJ)

Rafa Costa e Silva: depois de passagem por restaurantes europeus premiados, está no comando do Lasai, o primeiro colocado neste ranking da Casual Exame. (Lasai/Divulgação)

Estar entre os melhores é um fato que permeia a vida do chef Rafa Costa e Silva. Antes mesmo de pensar em ter um restaurante, ele trabalhou por cinco anos no épico ­Mugaritz, na Espanha, que figurou no top 3 dos melhores restaurantes do mundo. O chef também estava ao lado do francês Jean-Georges Vongerichten, que acumula inúmeras casas estreladas e premiadas ao redor do mundo.

Em 2014, Rafa Costa e Silva criou o cosmopolita Lasai, no Rio de Janeiro, e a casa se tornou um ímã de premiações. Com um ano de funcionamento já foi condecorado com duas estrelas Michelin, entre outros reconhecimentos nacionais e internacionais.

Até o ano passado a casa era maior, com serviço para 45 pessoas. Recentemente o chef optou por usar o conceito do menos é mais. Agora, apenas dez pessoas por noite têm o privilégio de provar um menu degustação de alta gastronomia (1.150 reais, sem bebida e sem serviço) com o que há de mais fresco no dia. “Uma gastronomia inédita, vibrante, leve, madura e sensual”, define o chef. No ano passado, nesta lista, o Lasai ficou em segundo lugar. Agora, atingiu o topo.

Serviço: Largo dos Leões, 35, Humaitá, Rio de Janeiro. De terça a sexta, das 20h às 22h30; sábado, das 19h às 22h30.


2o lugar | Origem (BA)

Os chefs Fabrício Lemos e Lisiane Arouca, do OrIgem: pesquisa sobre o povo brasileiro para desenvolver o cardápio (Leonardo Freire/Divulgação)

Contar a história do Brasil por meio de um menu degustação em três atos, montado diariamente, respeitando a sazonalidade e o frescor dos ingredientes, com muito dendê. Essa é a proposta do Origem, em Salvador, na Bahia, que subiu duas posições em relação à edição anterior deste ranking e aparece agora na vice-liderança.

Os chefs Fabrício Lemos e Lisiane Arouca mergulharam a fundo em uma pesquisa sobre a formação do povo brasileiro para desenvolver os pratos do cardápio. O primeiro ato do menu degustação (320 reais, sem harmonização), por exemplo, começa com uma homenagem aos povos nativos indígenas e exalta a mandioca como um ingrediente ilustre. O restaurante é um exemplo de que a capital baiana não só é um ótimo destino de verão pelos atrativos já conhecidos, mas também um exemplo da alta gastronomia brasileira. Atual­mente ocupa a 76a no Latin America’s 50 Best Restaurants.

Serviço: Alameda das Algarobas, 74, Caminho das Árvores, Salvador. De terça a sábado, das 18h30 à meia-noite.


3o lugar | Casa do Porco (SP)

Prato da Casa do Porco, em São Paulo: apesar do cardápio com base em carne suína, existe a opção de menu vegetariano (Mauro Holanda/Divulgação)

Ainda que neste ano A Casa do Porco tenha perdido o posto de bicampeã do ranking, após duas edições consecutivas, a chef Janaína Torres tem diversos motivos para comemorar. No ano passado, ela havia sido escolhida a melhor chef mulher da América Latina pelo Latin America’s 50 Best Restaurants. Em março, o ranking apontou a coproprietária das casas paulistanas A Casa do Porco, do casual Bar da Dona Onça, da lanchonete Hot Pork, da Sorveteria do Centro e da Merenda da Cidade, todos na cidade de São Paulo, como a melhor chef mulher do mundo.

Inaugurada em 2015, a casa é dedicada aos cortes suínos. Com constantes filas na porta, o menu degustação atual se chama Somos de Carne e Osso (290 reais, sem harmonização), para lembrar que, para além dos prêmios, o restaurante é feito de pessoas. O menu é dividido em sete etapas com 12 pratos, começando pelos embutidos do Porco Real, frigorífico artesanal familiar dos Rueda, e seguido por três sanduíches, o polêmico tartare de porco, churrasco, ossobuco, o famoso porco San Zé, sobremesa e café. Ainda que a casa seja dedicada à carne de porco, há uma versão vegetariana do menu.

Serviço: Rua Araújo, 124, República, São Paulo. De segunda a sábado, das 12h às 23h; domingo, das 12h às 17h.


4o lugar | Oteque (RJ) 

Experiência no Oteque: apenas para 30 pessoas por vez (Rubens Kato/Divulgação)

“Se a arte precisa de um grande conhecimento para ser entendida, está errada. Com a gastronomia é a mesma coisa.” A frase de Alberto Landgraf resume tudo o que ele quis colocar na cozinha do concorrido Oteque, no Rio de Janeiro. O cozinheiro paranaense — ele prefere esse termo a “chef” — transformou a entrada discreta do restaurante em um portal para quem gosta da boa comida. O menu degustação, em oito tempos, traz sempre o que há de mais fresco seguindo a filosofia de tríade de Landgraf: fornecedores, equipe e clientes.

A experiência no duas estrelas ­Michelin custa 945 reais e há a opção de acrescentar a harmonização com os pratos por mais 795 reais. No paladar, o comensal vai encontrar uma cozinha moderna naturalista brasileira. Isso significa que haverá ingredientes e pratos locais, desde que respeitada a regra de estarem a uma distância geográfica mais próxima ao restaurante. Como são 30 lugares, a orientação é reservar com antecedência de duas semanas, em especial aos fins de semana.

Serviço: Rua Conde de Irajá, 581, Botafogo, Rio de Janeiro. De terça a sábado, no jantar.


5o lugar | Maní (SP) 

Helena Rizzo e o chef belga Willem Vandeven: simbiose perfeita no já tradicional Maní (Carolina Vianna/Divulgação)

A chef Helena Rizzo quase dispensa apresentações. Eleita a melhor do mundo pela lista The World’s 50 Best Restaurants, em 2014, é jurada do aclamado MasterChef Brasil e, desde 2006, está no comando do multipremiado Maní. Há quase três anos ela divide a criação e o comando da cozinha com o chef belga Willem Vandeven, com passagem por restaurantes europeus estrelados. A simbiose é tão perfeita que é praticamente impossível saber qual prato foi feito por quem. Mesmo com a evolução do restaurante e do mundo, a essência nunca mudou: servir comida brasileira contemporânea com ênfase em ingredientes orgânicos e de pequenos produtores. Além dos pratos à la carte, o restaurante tem o superautoral menu degustação (680 reais, sem harmonização) e o menu de três cursos, servido também no jantar por 280 reais, com entrada, prato principal e uma sobremesa, além de um belisquete.

Serviço: Rua Joaquim Antunes, 210, Jardim Paulistano, São Paulo. De terça a sábado, no almoço e no jantar; domingo, somente no almoço.


6o lugar | Nelita (SP) | 16 votos

Prato do Nelita: trajetória de sucesso em apenas três anos (Nelita/Divulgação)

Por trás da fachada de tijolos aparentes no bairro de Pinheiros, em São Paulo, está o longo salão do Nelita, aberto há apenas três anos. O restaurante comandado pela chef Tássia Magalhães passou da nona para a sexta colocação neste ano. Da cozinha comandada apenas por mulheres saem receitas italianas e autorais que dão ênfase aos ingredientes locais, como o leite de búfala de Pindamonhangaba, que se transforma em coalhada no snack de flor, tomate fermentado e baunilha. Para evitar o desperdício, do soro desse leite a chef criou um gel para o risoto de aspargos com radicchio, prato feito com arroz de altitude de Guaratinguetá, sua cidade natal, cultivado aos pés da Serra da Mantiqueira. Direto do sítio de sua mãe vem a acerola, usada na minitartelete com chocolate branco e limão, petit four que finaliza a refeição. A degustação (590 reais), de 11 etapas, é servida apenas no balcão, no jantar, de terça-feira a sábado, e todos os pratos da sequência podem ser pedidos à la carte.

Serviço: Rua Ferreira de Araújo, 330, Pinheiros, São Paulo. De terça a sexta-feira, das 19h às 23h; sábado, das 12h às 16h e das 19h às 23h; domingo, das 12h às 16h.


7o lugar | Manga (BA)

Os chefs Kafe e Dante BassI, ela alemã, ele baiano: trabalho em parceria no D.O.M antes de abrirem o próprio restaurante (Leonardo Freire/Divulgação)

Mistura da Alemanha com a Bahia. Os chefs Kafe e Dante Bassi — ela alemã, ele baiano — se conheceram quando trabalhavam juntos no restaurante D.O.M, do chef Alex Atala. Do encontro surgiu uma paixão entre os dois, mas também pela gastronomia. Criaram o Manga, em 2018, com uma cozinha que une as experiências da dupla e valoriza alimentos orgânicos e de processos feitos na casa, como a arte da charcutaria, com presunto, língua defumada, lardo, terrines e outros embutidos feitos ali. Além do cardápio à la carte, o menu degustação em dez tempos conta com pratos repletos de sabores, como a língua de boi dry aged por 28 dias na brasa, alho-poró orgânico, abóbora e couve-de-bruxelas. A experiência custa 350 reais, sem harmonização.

Serviço: Rua Professora Almerinda Dultra, 40, Rio Vermelho, Salvador. De terça a sexta, no jantar; sábado, no almoço e no jantar.


8o lugar | Evvai (SP) 

O chef Luiz Filipe Souza: viagem sensorial pelas texturas em pratos como linguini de pupunha (Tadeu Brunelli/Divulgação)

O restaurante deu um salto em relação à lista do ano passado, quando ocupou a 15a posição. Foi “subvertendo o óbvio” — como o chef Luiz Filipe Souza define sua cozinha — que a casa conquistou o paladar dos brasileiros e prêmios, como duas estrelas no Guia Michelin. A sequência de 11 tempos do menu degustação (799 reais, sem harmonização) propõe uma viagem sensorial pelas texturas e contrastes em pratos como a salada de abóbora, o linguini de pupunha e lula “alle vôngole”, que revisita a clássica pasta fredda italiana, e no macio sorvete de cogumelos de Santa Catarina servido com caldo aveludado e quente de galinha d’Angola. Dentro do menu degustação, a feijoada é revisitada a partir do feijão de corda colhido ainda verde e branqueado.

Serviço: Rua Joaquim Antunes, 108, Pinheiros, São Paulo. De terça a sexta, das 19h às 23h; sábado, das 12h às 15h e das 19h às 23h.


9o lugar | Fame Osteria (SP)

Prato do Fame Osteria: speakeasy à la italiana (Fame Osteria/Divulgação)

O restaurante funciona quase como um speakeasy, com poucos lugares, muita discrição e atendimento apenas com reserva. Mas, ao passar pela porta quase sem identificação no número 216 da Oscar Freire, em São Paulo, e subir um lance de escadas em que parece que você está fazendo algo muito escondido, o ambiente cresce e se transforma por completo, principalmente com os pratos criados e servidos pelas mãos do italiano Marco Renzetti. O chef serve apenas menu degustação de 11 etapas (640 reais), que muda diariamente, com poucas repetições. A sequência passeia por sabores internacionais, como massas e risotos, mas com uma pegada completamente contemporânea, delicada e de alto nível. A esposa do chef, Erika Renzetti, comanda o serviço do salão em movimentos quase ensaiados nas mais renomadas companhias de balé do mundo.

Serviço: Rua Oscar Freire, 216, Jardins, São Paulo. De terça a sábado, no jantar.


10o lugar | Manu (PR)

Manu Buffara, do Manu: primeiro restaurante do Brasil comandado por uma mulher a servir apenas menu degustação (Helena Peixoto/Divulgação)

Manu Buffara é daquele tipo de pessoa que se dedica ao extremo em tudo o que faz. É ligada no 220 volts, adora estar rodeada de bons cozinheiros —Alex Atala e Rene Redzepi são alguns deles — e tem uma boa dose de ousadia. Desde 2011 comanda o Manu, em Curitiba, o primeiro restaurante do Brasil comandado por uma chef mulher a servir apenas menu degustação — custa 720 reais, sem harmonização. Por meio dela a capital paranaense ganhou destaque no cenário gastronômico mundial. Ela foi eleita, em 2022, a melhor chef da América Latina pelo célebre Latin America’s 50 Best Restaurants. Para suas criações, trabalha somente com ingredientes sazonais e frescos, sendo 60% deles de origem vegetal. É daquele tipo de chef que não apenas compra os ingredientes mas conhece os fornecedores, toda a cadeia e ajuda a fomentar o ecossistema da gastronomia local. Neste ano, abrirá seu segundo restaurante, o Ella, em Nova York, respeitando os mesmos princípios de sazonalidade e ingredientes frescos, mas com um toque brasileiro.

Serviço: Alameda Dom Pedro II, 317, Batel, Curitiba. De quarta-feira a sábado, das 18h às 22h30.


Os 100 melhores restaurantes do Brasil

Na lista completa escolhida pelo júri da Casual EXAME estão estabelecimentos em 15 cidades

1

Lasai

Rio de Janeiro

2

Origem

Salvador

3

A Casa do Porco

São Paulo

4

Oteque

Rio de Janeiro

5

Maní

São Paulo

6

Nelita

São Paulo

7

Manga

Salvador

8

Evvai

São Paulo

9

Fame Osteria

São Paulo

10

Manu

Curitiba

11

Notiê

São Paulo

11

Pacato

Belo Horizonte

11

Ping Yang

São Paulo

14

Mocotó

São Paulo

14

Ocyá

Rio de Janeiro

16

Glouton

Belo Horizonte

16

Metzi

São Paulo

16

Tuju

São Paulo

19

Cozinha Tupis

Belo Horizonte

19

Murakami

São Paulo

19

Picchi

São Paulo

22

Cepa

São Paulo

22

Shihoma Pasta Fresca

São Paulo

24

Aiô

São Paulo

24

Cais

São Paulo

26

Cala del Tanit

São Paulo

26

Goya Zushi

São Paulo

28

Igor

Curitiba

29

Asu

Curitiba

30

Banzeiro

São Paulo/Manaus

30

Capincho

Porto Alegre

32

D.O.M

São Paulo

33

Dona Mariquita

Salvador

34

Oro

Rio de Janeiro

34

Taberna Japonesa
Quina do Futuro

Recife

34

Tragaluz

Tiradentes-MG

37

Arvo

Recife

37

Fasano

São Paulo

37

Florestal

Belo Horizonte

40

Haru

Rio de Janeiro

40

Lilia

Rio de Janeiro

42

Ori

Salvador

42

Toto

Rio de Janeiro

44

Valle Rústico

Garibaldi-RS

44

Xapuri

Belo Horizonte

46

Birosca

Belo Horizonte

46

Ca-Já

Recife

46

Casa 201

Rio de Janeiro

49

Charco

São Paulo

50

Corrutela

São Paulo

50

Hai Yo

Curitiba

50

Imakay

São Paulo

50

Kanoe

São Paulo

54

Kan Suke

São Paulo

55

Kazuo

São Paulo

55

Komah

São Paulo

57

K.sa

Curitiba

57

Kuro

São Paulo

59

Mee

Rio de Janeiro

59

Mesa do Lado

Rio de Janeiro

61

Osso

São Paulo

62

Per Lui

Belo Horizonte

62

Sult

Rio de Janeiro

64

Tanit

São Paulo

64

Tiara

Rio de Janeiro

66

Tordesilhas

São Paulo

66

Aizomê

São Paulo

68

Altar Cozinha
Ancestral

São Paulo

68

Amado

Salvador

68

Ama.zo

São Paulo

71

Angá

Petrópolis-RJ

72

Animus

São Paulo

73

Arturito

São Paulo

74

Babbo Osteria

Rio de Janeiro

74

Barú Marisquería

São Paulo

74

Borgo Mooca

São Paulo

77

Carlota

São Paulo

78

Caxiri

Manaus

79

Chez Claude

São Paulo/Rio de Janeiro

79

Chiwake

Recife

81

Cipriani

Rio de Janeiro

81

Cora

São Paulo

83

Cuia

São Paulo

84

Daimu

Porto Alegre

84

Feér

Curitiba

84

Fujii

Curitiba

87

Koral

Rio de Janeiro

88

La Villa

Tiradentes-MG

89

Tangará Jean-Georges

São Paulo

90

Makoto San

São Paulo

90

Ninita

Belo Horizonte

92

Madê

Santos-SP

92

Oseille

Rio de Janeiro

94

Président

São Paulo

94

Cozinha 212

São Paulo

96

Rudä

Rio de Janeiro

97

San Omakase

Rio de Janeiro

98

Mahalo Cozinha Criativa

Cuiabá

99

Remanso do Peixe

Belém

100

Tarso Restaurante

Brasília

Júri: Aline Gonçalves (jornalista), Ana Carolina Lembo (@dopaoaocaviar), André Bezerra (Duo Gourmet), Andrea D‘Egmont (jornalista), Arnaldo Lorençato (Veja SP), Bárbara Browne (@mesadividida), Benício Siqueira (revista Deguste), Bruno Albertim (@brunoalbertim), Bruno Calixto (jornalista), Carolina Daher (revista Encontro), Caroline Grimm (@carolinegrimm), Cecilia Padilha (@yeswecook), Celina Aquino (jornal Estado de Minas), Cris Beltrão (Veja Rio), Daniel Salles (jornalista), Daniela Filomeno (CNN Viagem & Gastronomia), Danielle Dalla Valle Machado (Bom Gourmet), Diego Fabris (Wine Locals), Diogo Carvalho (Destemperados), Edi Souza (Folha de Pernambuco), Eduardo Milan (revista Adega), Felipe Almeida (@almeida1984), Fernando Liberato (@serialgrillerofc), Flavia Schiochet (jornalista), Françoise Terzian (@prazerices), Gabrielli Menezes (jornalista), Georgia Guzzo (@eatingcuritiba), Gilson Garrett Jr. (EXAME), Gisele Vitoria (Robb Report), Gui Torres (@siteguitorres), Isabela Lapa (@coisasdemineiro), Isabelle Moreira Lima (revista Gama), Ivan Padilla (EXAME), Izakeline Ribeiro (@saboresdacidade), João Grinspum Ferraz (Casa do Carbonara), José Luiz Soares (@dopaoaocaviar), Josimar Melo (Sabor & Arte e Folha de S.Paulo), Julia Frischtak (Cellar Vinhos), Júlia Storch (EXAME), Juliana Andrade (@viver_para_comer), Junior Ferraro (Azul), Jussara Voss (Gazeta do Povo), Kike Martins (revista 29horas), Liana Sabo (Correio Braziliense), Lili Almeida (@cheflilialmeida), Lorena Martins (O Tempo), Luciana Barbo (jornalista), Luciana Fróes (O Globo), Luiza Fecarotta (CBN), Marcel Miwa (Guia dos Vinhos), Marcelo Katsuki (Folha de S.Paulo), Maria Eduarda Vétere (You Must Go), Maria Helena Esteban (Revista Estação Zona Sul), Mariah Luz (@oquefazercuritiba), Mariella Lazaretti (Prazeres da Mesa), Marília Miragaia (Folha de S.Paulo), Nani Rodrigues (@nanirodrigues), Nide Lins (@nidelins), Patricia Ferraz (Rádio Eldorado), Paula Theotonio (jornal Correio), Rafael Tonon (Eater), Renata Araújo (You Must Go), Ricardo Castilho (Prazeres da Mesa), Roberta Malta (jornalista), Roberto Hirth (@robertohirth), Ronaldo Jacobina (Correio),Rosa Moraes (The World’s 50 Best Restaurants), Saulo Yassuda (Veja SP), Tavinho Furtado (@maiorviagem), Tereza Carvalho (@proveieaprovei), Tina Bini (CNN Viagem & Gastronomia) e Vanessa Lins (Folha de Pernambuco).

Acompanhe tudo sobre:RestaurantesGastronomia

Mais de Casual

Como as cervejarias podem cativar uma Geração Z que bebe menos?

Festa Junina: 10 lugares para provar pratos típicos em São Paulo

Casa do Porco e Oteque estão entre os 50 melhores restaurantes do mundo; veja lista

4 lugares em São Paulo para comer o pudim perfeito e versões inusitadas

Mais na Exame