Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Moradores de Nova York e Londres debandam para cidades menores

Nova-iorquinos e londrinos estão procurando cidades mais afastadas, após a pandemia transformar a maneira como vivem e trabalham

Companhias do setor imobiliário notam claras evidências de que nova-iorquinos e londrinos estão abandonando bairros centrais em favor de cidades mais afastadas, após a pandemia transformar a maneira como vivem e trabalham.

A pandemia mostrou que a inovação será cada dia mais decisiva para seu negócio. Encurte caminhos e vá direto ao ponto com o curso Inovação na Prática

A IWG, que opera escritórios com a marca Regus em todo o mundo, notou uma “forte recuperação da demanda” por espaço suburbano em oposição ao espaço em cidades grandes, particularmente em lugares que dependem de transporte público, segundo comunicado distribuído nesta terça-feira.

Enquanto os negócios envolvendo escritórios na parte sul de Manhattan desabaram 30%, a atividade na região sul do estado vizinho de Connecticut aumentou mais de 40%, afirmou a IWG.

Do outro lado do Atlântico, a queda no lucro anual da construtora britânica Crest Nicholson pode não ser tão ruim quanto se esperava, em parte graças a projetos residenciais fora de Londres, especialmente no sul da Inglaterra, segundo uma atualização trimestral. Uma “mudança estrutural no equilíbrio entre trabalho no escritório e em casa” pesou bastante nas decisões dos clientes, afirmou.

A pandemia transformou as capitais financeiras do planeta em cidades fantasmas, inclusive porque profissionais do setor agora evitam usar transporte público. Cidades na Europa deram sinais de recuperação durante o verão no Hemisfério Norte, mas uma nova onda do coronavírus trouxe novas restrições e medidas de confinamento para a região. Nova York também está impondo mais restrições em meio ao aumento das infecções em todo o país.

Empresas de todos os tamanhos estão percebendo a tendência em favor de cidades menores, acrescentou a IWG. A companhia também nota demanda robusta por produtos que apoiam atividades de home office e trabalho remoto. Setembro foi seu melhor mês em registro para vendas desse tipo.

Tudo isso representa um fio de esperança em um ano desafiador. O lucro anual da Crest Nicholson ainda será significativamente menor do que no ano passado. Já a receita como grupo da IWG caiu mais de 10% no terceiro trimestre em comparação com um ano antes.

“O impacto da pandemia foi maior do que nós imaginávamos e continuamos no centro desta crise global”, afirmou a IWG.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também