Casual

Indústria da moda aposta em roupas para uso no mundo virtual

A Gucci vendeu recentemente uma versão digital da bolsa Dionysus na plataforma da Roblox por US$ 4.115 — acima do preço do item físico

A blogueira de moda Maria Barteczko com uma bolsa Gucci Dionysus bordada. (Christian Vierig/Getty Images/Bloomberg)

A blogueira de moda Maria Barteczko com uma bolsa Gucci Dionysus bordada. (Christian Vierig/Getty Images/Bloomberg)

B

Bloomberg

Publicado em 17 de junho de 2021 às 12h46.

Última atualização em 17 de junho de 2021 às 13h02.

Por Thuy Ong, da Bloomberg 

É claro que a indústria da moda está interessada em NFTs: em um meio obcecado por autenticidade e exclusividade, um token que garante exatamente essas qualidades faz todo sentido.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Do ponto de vista individual, o valor de roupas digitais autenticadas por tokens não fungíveis depende da opinião de cada um sobre o metaverso — ou universo virtual compartilhado.

Josh Ong, consultor de comunicação que mora em Nova York, já gastou US$ 500 em um par de tênis NFT e acha que não vai parar por aí.

“Por exemplo, quando eu estiver na pista do Atari Zed Run ou no Bored Ape Yacht Club, é provável que eu queira mais alguns itens para meus avatares”, disse o consultor de 37 anos, se referindo às plataformas de corridas de cavalos virtuais e criação de grafitti digital.

Espaços online onde os usuários podem interagir e participar de uma economia virtual têm suas origens na indústria de games. Mas não é só competição que acontece ali. Músicos se apresentam para milhões de pessoas nesses espaços, dinheiro suado é investido em terrenos virtuais e a indústria da moda está se aventurando por uma comunidade global com 2,7 bilhões de integrantes.

A Gucci vendeu recentemente uma versão digital da bolsa Dionysus na plataforma da Roblox por US$ 4.115 — acima do preço do item físico. A tradicional Balenciaga, marca da Kering, apresentou a coleção do outono de 2021 dentro de um jogo de videogame. Em 2019, a LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton lançou uma coleção-cápsula para a League of Legends, da Riot Games.

A economia virtual é “uma das maiores oportunidades econômicas da nossa geração”, declarou John Egan, CEO da L’Atelier BNP Paribas, em entrevista por e-mail.

“Ela representa uma grande oportunidade para empresas em qualquer setor. Esportes, turismo, entretenimento e principalmente finanças. Novos produtos financeiros, projetados para vidas digitais, chegarão em apenas um par de anos”, acrescentou ele.

Esses mundos podem ser virtuais, mas o dinheiro envolvido é real. Em abril, a Epic anunciou uma rodada de financiamento de US$ 1 bilhão para apoiar sua “visão de longo prazo para o metaverso”, enquanto o BNP Paribas estima que os gastos feitos dentro de games — em itens como roupas digitais e upgrade de personagens — aumentarão de US$ 109 bilhões em 2019 para US$ 129 bilhões em 2021.

Pagar por itens digitais puramente cosméticos não é novidade. Os gamers vêm comprando complementos como adesivos ou armaduras para personagens desde pelo menos meados da década de 2000. E ter uma boa aparência online é algo que cada vez mais gente deseja após meses de reuniões virtuais durante a pandemia — e uma década e meia de redes sociais. Talvez você conheça alguém que gastou um valor substancial em um pacote selecionado de fundos para o Zoom ou em equipamento para iluminar o rosto diante da câmera. A moda virtual pode ser vista como um passo adiante nessa trajetória digital.

Com os NFTs, roupas digitais se convertem de marketing sofisticado em objetos de design negociáveis. O registro do recurso no blockchain garante propriedade, autenticidade e escassez.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Acompanhe tudo sobre:BlockchainGucciIndústria da músicaJogos onlineModa

Mais de Casual

Antonio Forjaz, da Sportingbet, mostra a rotina multiesportiva de um executivo

O Brasil é apaixonado por picapes, e o CEO da Ford América do Sul sabe o motivo

A melhor mesa de restaurante do Rio de Janeiro fica no Copacabana Palace

Por que Santa Catarina concentra metade da produção de barcos de lazer do país?

Mais na Exame