Happy Hour online aumenta demanda por delivery de bebidas alcoólicas

Mesmo com ajuda de serviços online, queda no consumo geral já atinge faturamento de 50% das empresas do setor

Com o fechamento temporário de bares e restaurantes por conta da pandemia de coronavírus, a demanda por deliverys de bebidas alcoólicas vem aumentando em todo o país. Segundo levantamento da consultoria Opinion Box, pedidos via delivery aceleraram 26% durante a quarentena, sendo que 16% dos cerca de 2.000 entrevistados disseram ter aumentado a ingestão de álcool em casa.

Em cidades como São Paulo, além de mais demanda online, o horário dos pedidos também mudou. As entregas que eram majoritariamente feitas à noite e no começo da madrugada antes da quarentena passaram a alcançar seu pico entre o final da tarde e o começo da noite, principalmente em dias como sexta-feira e vésperas de feriado. “Tivemos que alterar o horários dos nossos colaboradores para atender a demanda, que aumentou em 50%, e os pedidos começaram a ser feitos mais cedo”, disse Jessica Gordon, fundadora do serviço de entregas Bebida na Porta.

Segundo dados do Bebida na Porta, em regiões nobres da capital o consumo mais que dobrou. Em pinheiros, o serviço de entrega, que também comercializa bebidas sem álcool, teve alta de 71% na demanda. Já na região de Alphaville, o delivery teve 80% de crescimento.

O aumento do consumo de bebidas alcoólicas dentro de casa chegou até mesmo acender um sinal de alerta pela Organização Mundial da Saúde (OMS), entretanto, no geral, os números revelam que o consumo total caiu não só caiu no Brasil, mas no mundo.

A holandesa Heineken, uma das maiores cervejarias do mundo, registrou queda de 68% no lucro do primeiro trimestre do ano. Por aqui, a Ambev disse, em nota,  que:  “Os hábitos têm mudado, tanto de compra, como de consumo. No geral, houve queda nas vendas na quarentena. Os canais proprietários de delivery, como o Zé Delivery, Empório e Sempre em Casa, e canais parceiros, ou de pontos de venda ou de outras plataformas, tiveram aumento de vendas, mas esse aumento não foi significativo a ponto de compensar a queda de vendas decorrente do fechamento de bares e restaurantes. Naturalmente, nesse período da quarentena, existe uma migração do consumo no bar e restaurante pelo consumo em casa. Mas o consumo não migrou completamente. O cancelamento de eventos, festas e confraternizações parece ser uma explicação para isso.”

Um levantamento da Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) feito em março mostrou queda de 52% do faturamento do setor e também revelou que 4 em cada 10 marcas já sentem impacto nas vendas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.