A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Com retomada das vendas, Tiffany pode atrair outros compradores

Caso a LVMH consiga sair do acordo para comprar a joalheria americana, outras empresas podem demonstrar interesse

A Tiffany & Co. pode ter ficado sozinha, mas isso não é necessariamente um problema.

Agora que o pior da crise enfrentada pela empresa em 2020 ficou para trás, a Tiffany avança mais uma vez em direção ao crescimento, tornando-se um alvo atraente para outros potenciais pretendentes caso a LVMH consiga sair do acordo para comprar a joalheria americana. Mas a Tiffany pode optar por seguir sozinha, se apoiando em um plano de recuperação que permitiu à empresa chegar até aqui sem um controlador ou parceiro.

“A Tiffany é uma empresa bastante sólida por conta própria, com níveis de dívida relativamente baixos e a possibilidade de enfrentar a crise e financiar seu crescimento”, disse Jelena Sokolova, analista da Morningstar. “É também um dos poucos nomes globais de joias de luxo estabelecidos.”

Embora a joalheria tenha passado por vários meses de vendas desanimadoras em meio à pandemia, o que a levou a entrar em modo de sobrevivência com lojas fechadas e compradores evitando gastos com itens de luxo, a empresa começa a ver sinais de recuperação. Em agosto, pouco antes de a LVMH declarar intenções de recuar, as vendas globais da Tiffany voltaram a crescer. Agora, a empresa espera ganhos maiores no quarto trimestre em relação ao ano passado, à medida que clientes realocam o dinheiro que normalmente gastariam em viagens e restaurantes.

Os mesmos pontos fortes que levaram a LVMH a oferecer US$ 16 bilhões pela compra da Tiffany antes da pandemia de coronavírus conservaram muito de seu brilho. A Tiffany se realinhou para atrair compradores mais jovens e investiu no e-commerce e na Ásia. Na última temporada de Natal, a unidade teve crescimento de dois dígitos na China continental e apontou a região como um grande motor de crescimento, mesmo com a desaceleração do turismo em outros lugares. No último trimestre, a Ásia foi novamente um ponto positivo para a joalheria.

“A força fundamental dos negócios da Tiffany é clara”, disse o CEO Alessandro Bogliolo em comunicado quando a empresa anunciou que iria processar a LVMH para conseguir fechar o negócio.

Sem o acordo, as operações da Tiffany provavelmente ficariam bem, mas o preço das ações poderia ser afetado. Um analista do Mizuho Financial estimou que as ações da Tiffany poderiam cair para US$ 89,32 sem o acordo com a LVMH, 27% abaixo do fechamento de terça-feira.

Com a colaboração de Joshua Fineman, Corinne Gretler e Angelina Rascouet.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também