Atleta afegã estreia na Paralimpíada após saída secreta do país

Ela foi a segunda mulher a competir por seu país na Paralimpíada, que começou em 1960
 (Thomas Peter/Reuters)
(Thomas Peter/Reuters)
R
Reuters

Publicado em 03/09/2021 às 08:45.

Última atualização em 03/09/2021 às 09:03.

A afegã Zakia Khudadadi competiu nos Jogos Paralímpicos ontem (02) e se tornou a primeira mulher de seu país a fazê-lo desde Atenas 2004 depois de um esforço internacional secreto para ajudar a atleta de taekwondo a sair de Cabul, hoje controlada pelo Talibã.

A esportista de 22 anos e seu compatriota Hossain Rasouli chegaram a Tóquio no sábado via Paris depois que Khudadadi gravou um vídeo apelando por ajuda para deixar a capital do Afeganistão na esteira da chegada do Taliban ao poder.

Nesta quinta-feira, Khudadadi entrou na arena de competição Makuhari Messe de Chiba usando um hijab branco para a primeira luta da estreia paralímpica do esporte. Ela foi a segunda mulher a competir por seu país na Paralimpíada, que começou em 1960.

Khudadadi não falou aos repórteres depois de suas duas lutas, que perdeu. Rasouli competiu no salto à distância masculino na terça-feira. Os dois atletas disseram não querer conversar com a mídia.

"Preocupo-me com a situação no Afeganistão, mas estou muito contente de ela ter conseguido vir e competir comigo", disse a ucraniana Viktoriia Marchuk aos repórteres depois de derrotar Khudadadi na repescagem.

Não ficou claro de imediato o que os atletas afegãos pretende fazer após a Paralimpíada, mas Alison Battisson, da entidade Human Rights for All, que se envolveu em sua retirada, disse à Reuters que a Austrália lhes concedeu vistos humanitários.

No vídeo de 17 de agosto, Khudadadi disse: "Não quero que minha luta seja em vão e sem qualquer resultado."

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.