Carreira

Não quero mais seguir a minha profissão. Como posso fazer a minha transição de carreira?

Especialistas dão dicas sobre como saber a hora certa de mudar de área ou de profissão de forma estratégica e saudável

A transição de carreira requer trabalho, conhecimento e apoio (francescoch/Getty Images)

A transição de carreira requer trabalho, conhecimento e apoio (francescoch/Getty Images)

Publicado em 27 de maio de 2024 às 12h07.

Última atualização em 27 de maio de 2024 às 12h07.

Tudo sobremudanca-de-carreira
Saiba mais

Como saber se você está seguindo a carreira certa? Essa é a pergunta que muitos fazem antes, durante e após a formação. Algumas pessoas acabam descobrindo gosto por outras carreiras durante o estágio ou após anos trabalhando na mesma área. Não há um consenso, ainda mais atualmente em que as profissões não definem mais as carreiras.

“Atualmente, você se forma engenheiro e vai trabalhar no RH. Se forma médico e pode trabalhar em administração de planos de saúde. A carreira não é mais exata, é linear”, afirma Adriano Lima, coach executivo que recentemente realizou uma transição de carreira do mercado executivo para fundar uma agência de treinamento de C-levels.

Além da indecisão individual de cada pessoa, alguns fatores externos podem levar a pessoa a querer mudar de carreira. Segundo a psicóloga Cristina Cogo, insatisfação de estar há muito tempo no mesmo cargo, receber um salário inadequado pelo trabalho executado ou até de não encontrar colocação no mercado na área de formação, podem levar o profissional a sentir vontade de mudar de vez o rumo e realizar a transição de carreira.

“Basicamente a transição de carreira é quando um profissional decide mudar de área de atuação. Esse processo pode acontecer por insatisfação profissional, dificuldades no mercado de trabalho, um desejo de desenvolver novas habilidades, entre outros fatores.”

Quais são os sinais para a mudança de carreira?

É preciso se atentar aos sinais de que chegou a hora de mudar de área. Segundo Lima, alguns sentimentos frequentes no dia a dia podem te ajudar a tomar essa decisão.

  • Insatisfação crescente e persistente: “Principalmente com gestor que vê que continuará sendo seu superior. Isso adoece”.
  • Falta de desafios e oportunidade de aprender e crescer: “Isso te mata no médio e longo prazo, impacta tanto a sua saúde física quanto a mental.”
  • Sente esgotamento e adoece com facilidade: “Neste caso, um dos sinais é você não conseguir administrar sua vida pessoal (família, saúde, amigos, lazer).”
  • Impacto nos valores pessoais: “Quando você sente que não está mais com a alma presente naquela atividade.”

“De acordo com uma pesquisa da consultoria LLH, somente 2% dos profissionais se preparam para uma mudança de carreira. A maioria vai tentar quando está esgotado e é neste momento que a pessoa chega despreparada, muitas vezes sem fôlego financeiro e saúde destroçada”, afirma o coach executivo.

Antes de qualquer decisão: avalie se a mudança é o caminho ideal

Um primeiro passo para fazer uma transição de carreira é pensar se essa é realmente a solução mais viável para resolver o seu problema, afirma Cogo.

“É muito comum nesta fase, o profissional cometer erros que podem atrasar seus planos ou até mesmo fazer com que você desista deles. É importante se atentar com a impulsividade em querer abandonar a carreira e começar do zero novamente. Deve analisar as oportunidades antes de investir em uma mudança radical.”

Para isso, a psicóloga aconselha:

  • Pesquisar com calma qual é a média salarial da nova carreira,
  • Como está a demanda profissional,
  • Conversar com outras pessoas que atuam na área antes de fazer a transição.

“Pensar somente no dinheiro, também é um erro no planejamento da transição de carreira, porque pode gerar mais uma frustração. É importante lembrar que tudo tem um início. Além disso vale evitar pedir a opinião de pessoas que não compartilham das mesmas ideias que você, isso pode ser saudável”, afirma a psicóloga.

Outra alternativa é pensar em mudar de cargo dentro da própria área de atuação.

“Dentro de cada profissão e formação existem diversas possibilidades, por exemplo, um profissional que se forma em Fisioterapia pode não gostar de trabalhar em hospitais, mas se sentir realizado atuando num Studio de Pilates como professora”, afirma Cogo. “Nesse momento, é importante muita reflexão para entender qual é a raiz da sua insatisfação antes de decidir mudar de área.”

Decidi mudar de carreira - e agora?

Para escolher uma nova carreira, é preciso antes de tudo autoconhecimento, segundo a coach executiva Milena Brentan, que destaca 3 frases que o profissional pode fazer quando estiver com dúvida sobre a sua atividade:

  • Quais foram as minhas qualidades que me fizeram chegar até aqui?
  • Uma vez alcançado o emprego: Eu expressei a minha vontade de desenvolvimento?
  • O que eu quero da minha carreira?

“Por mais que no começo a gente agarre as oportunidades que aparecem, afinal, faz parte do começo profissional absorver conhecimentos e contatos antes de conseguir direto a área que deseja, vale se perguntar o que você gostaria de ser realmente”, diz a coach. “É nessa hora que nos deparamos com a necessidade de apostar no autoconhecimento, porque sem isso não conseguimos entender as nossas habilidades e ambições. E esse autoconhecimento pode acontecer por meio de um coach, terapia e até uma roda de amigos.”

Para ajudar nesse desafio de autoanálise, Lima sugere também fazer a avaliação “Ikigai”.

“Nesta avaliação você vai juntar missão, profissão, o que ama, o que você é bom e o que o mundo precisa. No meu caso, validou eu querer trabalhar com desenvolvimento humano focado em líderes”, afirma o executivo que reforça que há vários sites que disponibilizam esse teste de forma gratuita.

Para o executivo, uma carreira de sucesso exige planejamento, assim como uma empresa. “Você precisa ter uma estratégia para sua carreira, que para mim é o encontro do preparo com a oportunidade. Tem de trabalhar seu preparo alinhado com seu ikigai. E tem de trabalhar sua visibilidade para que as oportunidades, que você planejou e deseja, apareçam.”

Veja 8 dicas para fazer a mudança de carreira de forma planejada

Se a meta for mesmo a transição de carreira, Cogo sugere 8 dicas para planejar a mudança de forma segura e saudável:

  • Saiba a formação necessária para atuar na nova área: crie um plano de desenvolvimento pessoal com qualificações especiais, construa um portfólio e até mesmo faça uma nova graduação mais aprofundada.
  • Aposte em educação contínua: novos cursos são excelentes alternativas para ter mais conhecimentos no novo campo que você gostaria de atuar.
  • Construa novos relacionamentos: mantenha sua rede ativa, não só quando estiver procurando emprego, mas constantemente, esteja sempre fazendo conexões.
  • Obtenha experiência: tente trabalhos voluntários ou atividades que vão te trazer uma vivência no campo que deseja atuar, até mesmo projetos que você possa desenvolver sem experiência prévia e assim adquirir contato com a profissão.
  • Defina as empresas que sejam alvos e ative o networking: Participar de processos seletivos na nova área, mesmo tendo ciência de que poderá se deparar com vaga de estágio, demonstra interesse na nova profissão e a paixão por ela poderá ser um diferencial nesta etapa, além de ajudar a fazer contatos com pessoas que estão atuando na área.
  • Prepare um bom curriculum: dê atenção maior à qualificação, isso não significa que não deva destacar suas experiências anteriores, elas podem demonstrar habilidades que acabam se relacionando com a nova área de atuação.
  • Se prepare financeiramente: É possível que antes no início da oportunidade, você precise se preparar financeiramente, já que sua remuneração poderá estar abaixo do esperado. Uma reserva financeira, poderá lhe ajudar neste momento.
  • Cuide da sua saúde física e mental: reconheça que a Transição de Carreira pode ser estressante. Encontre formas de cuidar de si mesmo durante este período, seja através de exercício físico, meditação, terapia ou simplesmente tirando algum tempo para relaxar.

“A transição de carreira requer trabalho, conhecimento e apoio. Se notar dificuldade em seguir essa trajetória, busque ajuda profissional, é importante ter alguém que complemente sua visão e o ajude na nova área”, diz Cogo. “Outro ponto importante é saber manejar as expectativas, ou seja, entender que o processo pode ser árduo e que, logo no início, vão existir desafios. O progresso se baseia em construções diárias.”

No final, o importante é olhar para a sua carreira como protagonista, você é o único dono da sua carreira, afirma Brentan.

“O melhor momento de mudar é quando está tudo bem, mas ainda não é o que você quer. Quando você tem consciência de que você fez tudo o que poderia dentro da empresa e/ou na área de atuação, mas naquele espaço não há a oportunidade que você tanto deseja, essa é a hora que você deve se posicionar como dono de sua carreira, usar o valor agregado e contatos para apostar em seu futuro”.

Acompanhe tudo sobre:dicas-de-carreiramudanca-de-carreiraplano-de-carreira

Mais de Carreira

O que é quiet vacationing? Trabalhadores têm tirado folgas 'escondidas'

Dia Mundial do Refugiado: O que podemos aprender com os que chegam?

Quais são os jargões mais utilizados no mundo corporativo?

O que o estagiário recebe quando acaba o contrato?

Mais na Exame