Demissões, ameaças e rivalidade: como a IA tem afetado o Google e outros gigantes

Google, Microsoft e outras big techs anunciaram cortes de empregos à medida que se voltam para projetos de inteligência artificial. O que isso pode significar?

Em uma postagem de blog intitulada “Uma decisão difícil para nos preparar para o futuro”, Pichai, o CEO da Alphabet Inc., controladora do Google, anunciou que a empresa está cortando aproximadamente 12 mil cargos (Artur Widak/Getty Images)

Em uma postagem de blog intitulada “Uma decisão difícil para nos preparar para o futuro”, Pichai, o CEO da Alphabet Inc., controladora do Google, anunciou que a empresa está cortando aproximadamente 12 mil cargos (Artur Widak/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de janeiro de 2023 às 16h27.

Última atualização em 26 de janeiro de 2023 às 16h41.

Com o recente lançamento do ChatGPT pela OpenAI, muitos começaram a se perguntar se este poderia ser o fim do Google como o conhecemos. Não é preciso passar muito tempo na internet para ver algumas comparações entre as respostas de cada um.

E por mais impossível que isso possa parecer, essa é a primeira vez em décadas que essa dúvida realmente faz algum sentido. Até a própria Google reconhece isso, mas falarei mais sobre isso depois. Fato é:

Por que os usuários devem navegar em links diferentes para achar suas respostas no Google, quando o ChatGPT é mais do que capaz de fornecer a resposta de forma direta?

Um teste de comparação revela que o ChatGPT é capaz de fornecer respostas de qualidade semelhante ao Google, mas o Google tem a vantagem de poder navegar para mais respostas e em direções diferentes. O Google também tem a vantagem da velocidade e da capacidade de entender as consultas usando IA.

No entanto, o ChatGPT tem a vantagem da estética gráfica e a capacidade de gerar respostas mais rapidamente.

Também não se sabe se as respostas do ChatGPT são confiáveis, pois é uma "caixa preta" em termos de fonte de informações.

A questão é que o mundo está ficando cada vez mais inovador. E como mostram as demissões ao redor do mundo, quem não aprender a inovar, vai ficar para trás. Se quiser conferir mais sobre isso confira essa masterclass gratuita: clique aqui para saber mais

Demissões e “pedido de ajuda” marcam últimas semanas do Google

No mês passado, um clima estranho deve ter tomado conta do ambiente de trabalho no Google. Larry Page e Sergey Brin, fundadores do Google (que saíram há três anos), realizaram várias reuniões com executivos da empresa.

O tópico: um novo chatbot que parecia ser a primeira ameaça notável em décadas ao negócio de buscas de US$ 149 bilhões do Google.

A recontratação dos fundadores enfatizou a urgência sentida por muitos executivos do Google sobre a inteligência artificial de nome “ChatGPT”.

O bot, lançado pela pequena empresa OpenAI de São Francisco há dois meses, surpreendeu os usuários simplesmente explicando conceitos complexos e gerando ideias do zero. Mais importante para o Google, parecia que poderia oferecer uma nova maneira de pesquisar informações na internet.

Depois de conseguir mais de 1 milhão de usuários em uma semana, o ChatGPT forçou Sundar Pichai, presidente executivo do Google, a declarar “código vermelho”. Com isso, o Google pretende agora revelar mais de 20 novos produtos e apresentar uma versão de seu mecanismo de busca com recursos de chatbot ainda neste ano, de acordo com o New York Times

Como resultado, em uma postagem de blog intitulada “Uma decisão difícil para nos preparar para o futuro”, Pichai, que também é CEO da Alphabet Inc., controladora do Google, anunciou que a empresa está cortando aproximadamente 12 mil cargos. 

As demissões, segundo Pichai, foram projetadas “para garantir que nosso pessoal e funções estejam alinhados com nossas maiores prioridades como empresa”. Mas ele também ressalta sobre a necessidade de capitalizar melhor os investimentos iniciais em IA do Google.

Mas o Google é apenas a mais recente empresa a fazer isso.

Outros gigantes anunciam cortes para focar em projetos de IA

Indústrias em todo o mundo estão se voltando para a IA. A Microsoft também anunciou demissões em massa nesta semana. 

CEO da empresa, Satya Nadella, chamou a inteligência artificial de “a próxima grande onda da computação” e falou da necessidade de “entregar resultados continuamente, enquanto investimos em nossa oportunidade de longo prazo”.

Após isso, o New York Times informou que a Microsoft está considerando investir US$ 10 bilhões adicionais em sua empresa OpenAI, conhecida por criar o ChatGPT.

Também não podemos esquecer do Facebook. Em novembro, anunciou que mais de 11 mil empregos foram cortados. E isso também foi quando a empresa transferiu recursos para seu mecanismo de busca com inteligência artificial, além de esforços com o metaverso, intensamente focado em projetos que usam IA.

Se não pode com eles… junte-se a eles

Isso tudo, é apenas o começo de uma revolução radical na forma como o trabalho é realizado, e quem é compensado por esse trabalho. 

Não é novidade para ninguém que os profissionais, a cada ano que passa, precisam se atualizar. Agora essa necessidade está ficando cada vez mais clara. 

E se você não foi um desses afetados por essa onda de demissão, ainda há tempo de enxergar a IA mais como oportunidade do que como ameaça. Talvez você precise mudar seu foco, talvez precise apenas se atualizar de algumas coisas, mas fato é que todos nós precisamos inovar na maneira como trabalhamos. 

E isso é verdade tanto para os profissionais quanto para as organizações. Assim como o tempo de um profissional nas empresas está diminuindo, o ciclo de vida dessas empresas também está. Isso nos levanta algumas perguntas, como “será que meu trabalho ou serviço é relevante? Ele pode se atualizar? Quanto tempo tenho para isso?”.

Enfim, por último segue uma recomendação caso você queira aprender a inovar com a mente por trás de uma das maiores empresas de inovação do Brasil. Confira a masterclass gratuita da Future Dojo, em que Pedro Waengertner, CEO e cofundador da ACE, apresenta seis princípios de inovação das empresas mais duradouras do Vale do Silício.

Clique aqui ou no botão abaixo para conferir.

Quero acelerar minha carreira com inovação

Mais de Carreira

Como tirar o visto americano: guia prático e completo

O que é a avaliação de desempenho e quais são as principais formas de aplicá-la?

Vivo abre 500 vagas para programa de estágio sem exigência do inglês e com 3 dias de home office

Quer ser um “chef”? Nestlé abre mil vagas em curso gratuito de gastronomia; veja como participar

Mais na Exame