Carreira
Acompanhe:

Com ensino de qualidade e de baixo custo, França levanta € 5 bilhões com alunos estrangeiros em 2022

Quase 10.000 intercambistas estiveram na França nos últimos 3 anos. Veja como pleitear bolsas de estudo no país europeu

Vista aérea de Paris: cerca de 13% do total de estudantes da França são de fora do país e as bolsas de estudo para alunos estrangeiros podem arcar com todas as anuidades da universidade ou oferecerem um desconto parcial (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

Vista aérea de Paris: cerca de 13% do total de estudantes da França são de fora do país e as bolsas de estudo para alunos estrangeiros podem arcar com todas as anuidades da universidade ou oferecerem um desconto parcial (Wikimedia Commons/Wikimedia Commons)

E
Elaine Maciel, da Universidade do Intercâmbio

29 de dezembro de 2022, 08h12

A França é um destino bastante popular de intercâmbio e o interesse dos estudantes internacionais tem crescido nos últimos anos.

No ano letivo de 2021/2022, foram quase 400.000 alunos estrangeiros.

Isso é o que mostram dados recentes, divulgados no dia 30 de novembro de 2022, pela Campus France — uma agência governamental francesa responsável pela promoção do intercâmbio e do ensino superior.

LEIA TAMBÉM:

Quanto gastam os intercambistas na França

O estudo, feito em parceria com a Kantar, indica que em apenas 3 anos, mais de 9.000 estudantes chegaram ao país europeu.

E, além da troca de experiência e da oportunidade de estudar em ótimas instituições de ensino da França, o intercâmbio traz resultados positivos para o país de destino.

É que os números também apontam que os alunos de fora injetam recursos importantes na economia.

  • O impacto é de cerca de 5 bilhões de euros apenas em 2022.
  • Em média, os estudantes internacionais gastam 867 euros por mês.
  • Esse valor equivale a cerca de R$ 4.786,57, na cotação atual.
  • Desse orçamento total, 48% é destinado para aluguel e 21% para despesas diárias como vestuário e alimentação.
  • De acordo com os resultados do relatório, os alunos pagam em média 2.822 euros em anuidades e tarifas da universidades francesas.

Qual é o país de origem dos intercambistas

O estudo da Campus France também mostrou de onde são os estudantes que têm feito intercâmbio na França:

  • A maioria dos estudantes veio da África do Norte (32%)
  • Seguido pela África subsaariana (24%)
  • Depois, os estudantes têm origem na Europa (20%)
  • E, ainda, na Ásia e Oceania (16%)
  • Já os alunos oriundos das Américas representam 8% dos intercambistas e dentre eles, estão os brasileiros.

Como estudar na França gastando pouco?

Para estudar na França, candidatos de 44 países (incluindo o Brasil) devem fazer as aplicações a partir do sistema da Campus France, oferecido pelo próprio governo francês.

Por lá, é possível tanto se inscrever para estudar em uma universidade francesa, quanto fazer a solicitação do visto de estudante, que é necessário para estudar no país.

Além disso, o estudante vai ser responsável por enviar seus documentos traduzidos, bem como apresentar um teste de proficiência em francês ou inglês, dependendo do idioma em que as aulas serão ministradas.

Para fazer um intercâmbio barato na França, muitos alunos desenvolvem uma ou mais atividades remuneradas durante a viagem. Segundo a Campus France, quase metade dos intercambistas exerce algum trabalho, estágio ou outra atividade e recebe pagamento para se manter por lá. São exatos 48% dos entrevistados.

Onde estão as bolsas de estudos?

Além disso, é possível fazer um intercâmbio na França com bolsas de estudos. O país oferece algumas oportunidades, como o programa Ampère scholarship para mestrado e o Excellence-Major scholarship para graduação. Ambos são ofertados também para brasileiros.

Atualmente, cerca de 13% do total de estudantes da França são de fora do país e as bolsas de estudo para alunos estrangeiros podem arcar com todas as anuidades da universidade ou oferecerem um desconto parcial.

Inscreva-se e receba por e-mail dicas e conteúdos gratuitos sobre carreira, vagas, cursos, bolsas de estudos e mercado de trabalho.