Acompanhe:

Veto à desoneração da folha de pagamentos pode sair caro ao passageiro

Presidente do Rio Ônibus fala sobre as possíveis consequências da medida

Modo escuro

Continua após a publicidade
"Por se tratar de um serviço essencial, garantido na Constituição, é preciso nos questionarmos sobre a verdadeira implicação desse veto" (Drazen Zigic/Getty Images)

"Por se tratar de um serviço essencial, garantido na Constituição, é preciso nos questionarmos sobre a verdadeira implicação desse veto" (Drazen Zigic/Getty Images)

Por João Gouveia Ferrão Neto*

Mais de 85% dos brasileiros que utilizam o transporte por ônibus no país podem ser diretamente impactados pelo veto integral do projeto de lei que assegura a continuidade, da desoneração da folha de pagamento. Na prática, a medida deve gerar um aumento de 6,78% no custo dos serviços, o que pode custar até R$ 0,31 a mais no bolso dos passageiros e também dos empregadores, conforme alertou a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU). O efeito se estende, ainda, aos 16 outros setores, além do de transportes, que mais empregam no país.

Por se tratar de um serviço essencial, garantido na Constituição, é preciso nos questionarmos sobre a verdadeira implicação desse veto. Para além dos efeitos econômicos, qual é o impacto social de uma decisão como esta? Estamos falando do encarecimento direto de um serviço utilizado predominantemente por pessoas com menor poder aquisitivo. Somente no município do Rio, 2,1 milhões de usuários embarcam diariamente nos ônibus para irem aos seus trabalhos, escolas e demais afazeres. Portanto, se essa reoneração chegar no consumidor final – o que é o movimento natural de um setor que conta com a arrecadação tarifária para ser sustentável –, o bolso mais impactado será o do próprio passageiro. 

Como o veto pode afetar o setor?

A desoneração da folha, aplicada desde 2013, substitui a contribuição previdenciária patronal, que corresponde a 20% sobre a folha de salários dos trabalhadores, por uma alíquota de 2% sobre o faturamento bruto das operadoras de transporte coletivo. Logo, é imprescindível considerar também que um veto como este implica não só no papel vital do transporte público na mobilidade urbana, mas também na empregabilidade gerada pelo setor, já que a mão de obra – insubstituível e já escassa – representa, hoje, o maior custo operacional. Qual será, então, o futuro dos mais de 17 mil rodoviários empregados somente na capital fluminense? 

É utópico se pensar em um “Brasil de União e Reconstrução”, como diz o slogan do Governo Federal, sem transporte acessível garantido à população. É primordial, neste cenário, que exista um equilíbrio entre a movimentação natural da economia e a intervenção do Estado. Por todos esses fatores, o setor de transporte por ônibus faz um apelo ao Congresso Nacional para que o veto do Executivo seja revisto e a desoneração mantida.

*João Gouveia Ferrão Neto é Presidente do Rio Ônibus 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Doação de pontos promove chances de cura do câncer infantojuvenil

THC versus CBD: mitos e verdades sobre tratamentos com canabidiol

Liga universitária aproxima estudantes de negócios a grandes líderes do agronegócio

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Omnichannel: empresa permite que varejistas comparem seu desempenho com concorrentes em tempo real
Bússola

Omnichannel: empresa permite que varejistas comparem seu desempenho com concorrentes em tempo real

Há 4 horas

Gestão Sustentável: a transformação do discurso e a direção dos recursos 
Bússola

Gestão Sustentável: a transformação do discurso e a direção dos recursos 

Há 5 horas

Bússola & Cia: negócio fitness cresce 24% em 2023
Bússola

Bússola & Cia: negócio fitness cresce 24% em 2023

Há 7 horas

Quais foram as 10 séries mais vistas de 2023?
Bússola

Quais foram as 10 séries mais vistas de 2023?

Há 13 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais