Bússola
Um conteúdo Bússola

Relatório do PNUMA confirma que acabar com poluição plástica é possível

A poluição plástica pode ser reduzida em 80% até 2040 se países e empresas fizerem uma mudança profunda em suas políticas, práticas e no mercado

Já existe uma solução economicamente viável para o problema (Yegor Aleyev/Getty Images)

Já existe uma solução economicamente viável para o problema (Yegor Aleyev/Getty Images)

Danilo Maeda
Danilo Maeda

Head da Beon - Colunista Bússola

Publicado em 15 de junho de 2023 às 10h00.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 20h41.

Nas proximidades do Dia Mundial do Meio Ambiente, o PNUMA divulgou um documento impactante, que não foi tão debatido e lido quanto deveria – ao menos na minha bolha. Trata-se do relatório Turning off the Tap: How the world can end plastic pollution and create a circular economy, que entre suas conclusões afirma: "a poluição plástica pode ser reduzida em 80% até 2040 se países e empresas fizerem uma mudança profunda em suas políticas, práticas e no mercado".

Ou seja: já existe uma solução economicamente viável para todas as partes interessadas para acabar com a poluição por plástico. Alcançá-la, contudo, não é tão simples. A mudança não pode ser feita isoladamente devido aos fluxos internacionais do plástico, vulnerabilidades das cadeias e riscos associados: ela requer uma ação internacional coordenada. Medidas e obrigações alinhadas entre nações e cadeias de valor criarão sinergias e uma grande mudança no cenário. "É necessário estabelecer uma base de conhecimento comum, impulsionada por fortes requisitos de transparência para suportar a tomada de decisão, medir o progresso e refinar as intervenções regulatórias", afirma o documento.

Apesar de exigir grandes esforços, a mudança valerá a pena, pois permitirá que os países acabem com a poluição plástica ao mesmo tempo em que farão a transição para empregos mais seguros e estáveis e criarão oportunidades de negócios e empregos.

Entre os benefícios mapeados nesta transição, estão:

  • Segundo o relatório, a mudança para a economia circular poderia resultar em US$ 1,27 bilhão em redução de custos, considerando também a renda com a reciclagem.
  • Outro dado do estudo é que seriam ainda poupados US$ 3,25 bilhões em externalidades evitadas na saúde, no clima e na poluição do ar, nos ecossistemas marinhos e em custos de litígios.
  • A mudança poderia trazer, também, um aumento líquido de 700 mil postos de trabalho até 2040, principalmente em países de baixa renda, melhorando as condições dos trabalhadores informais.
  • Quando as economias de custos diretos, ambientais e sociais são somadas, mais de US$ 4,5 trilhões são economizados, ou 20,3% de redução nos custos gerais.

Para fazer isso acontecer em nível sistêmico, as alavancas já são conhecidas: reduzir a utilização de material virgem de fontes não renováveis, estruturar cadeias de reciclagem para aumentar o volume de material reutilizado em circulação na sociedade e reorientar e diversificar os materiais aplicados nas cadeias de valor.

Com coordenação, transparência e foco na implementação, está nas mãos de nossa geração a produção de um futuro que não será livre do plástico – até porque o material tem muita utilidade – mas livre de suas atuais externalidades negativas.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Truss anuncia investimento em plano de recuperação de áreas na Amazônia

Australian Gold desbota o Minhocão para alertar sobre a extinção dos corais

Fundação Dom Cabral compensa mais de 730 toneladas de CO²

Acompanhe tudo sobre:SustentabilidadeMeio ambientePoluiçãoBússola ESG

Mais de Bússola

Boom da IA: entenda como investimento nas startups tech cresceu 1045% vezes no 1º trimestre de 2024

Julian Tonioli e Leo Pinho: o cofre secreto dos negócios de aço e concreto

Por que o Brasil celebra o Dia dos Namorados em uma data diferente do resto do mundo?

Ivson Coêlho: por que mudança na MP 1227 pode trazer incerteza para o ambiente de negócios?

Mais na Exame