Acompanhe:

Por Omarson Costa*

Esporte não é apenas para se praticar. Ele entretém. Para potencializar seu alcance, as modalidades passaram a ser transmitidas pelo rádio, TV e streaming. A partir daí, os times promoveram mais campeonatos, modernizaram arenas esportivas, negociaram direitos de transmissão e patrocínios.

Somente o futebol mobiliza 4 bilhões de fãs ao redor do mundo; o vôlei, quinto da lista, mexe com 935 milhões de pessoas, segundo a Statistics & Data.

Entre os 10 acontecimentos com maior audiência na história da TV, seis são eventos esportivos – três finais de Copa do Mundo da FIFA (2014-16-18) e três cerimônias de abertura de Olimpíadas (Atlanta, Pequim e Londres).

A receita global gerada por essa indústria bateu os US$ 512,14 bilhões em 2022, de acordo com a Statista, e pode crescer 5% neste ano.

Siga o dinheiro

Desde o início do Século 21, o futebol virou alvo de investidores profissionais. Tudo começou pela Europa. Em 2003, o russo Roman Abramovich comprou o time inglês Chelsea, vendido no ano passado diante da repercussão da invasão da Rússia à Ucrânia.

O americano Malcom Glazer adquiriu o Manchester United em 2005.

Em 2007, outro russo, Alisher Usmanov, abocanhou participação no Arsenal, vendida em 2018 ao americano Stan Kroenke, que detinha 2/3 do time e queria reinar sozinho.

Em 2008, o xeque Mansour bin Zayed al-Nahyan, de Abu Dhabi, comprou o Manchester City.

A França entrou na roda em 2011, quando o Qatar Sports Investments (QSI), empresa de Nasser Al-Khelaifi, comprou o Paris Saint-Germain.

Os sauditas vieram às compras mais tarde. Em 2021, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman liderou a aquisição do Newcastle pelo Fundo de Investimento Público (PIF) da Arábia Saudita.

A venda desses times desagrada o público inglês. Por outro lado, os resultados financeiros foram bons. Entre os cinco times ingleses que obtiveram melhor EBITDA entre 2021-22, quatro receberam recursos estrangeiros: Manchester City, Liverpool, Arsenal e Manchester United.

Há cerca de um ano, começaram os debates sobre a criação de uma liga de futebol brasileira independente da CBF. A discussão caminhou para duas frentes: LIBRA, que negocia investimento da Mubadala Capital, de Abu Dhabi; e LFF (Liga Forte Futebol), que negocia investimento da americana General Atlantic.

Contudo, esse dinheiro não chega a todos.

Apostando alto

Por isso, entra na equação o setor de apostas e loterias esportivas, que atingiu no ano passado US$ 235,46 bilhões, segundo a Statista.

O BNLData estima que o setor movimente R$ 120 bilhões por ano no Brasil. Há grande oferta de empresas, marketing agressivo e o fator-chave: a possibilidade de pagamento via PIX.

Em meio ao processo de regulamentação, nosso mercado mais que dobrou de tamanho em 2023, um crescimento de 135% entre agosto de 2022 e agosto de 2023, segundo a Datahub. Hoje, o único time da Série A do Campeonato Brasileiro que não tem parceria com casas de apostas, segundo o site MktEsportivo, é o Cuiabá.

Tamanha pujança atraiu a rede de TV ESPN, que terá, ainda neste ano, a própria marca de apostas voltada para o público americano – a ESPN Bet.

O acordo firmado com os cassinos Penn Entertainment prevê pagamento de US$ 1,5 bilhão em dinheiro e mais 500 milhões em ações como garantia por um período de 10 anos de uso da marca ESPN.

O streaming possibilita apostas gamificadas

Esportes na Internet também são sucesso. A CazéTV bateu o recorde de maior live no YouTube Brasil durante a transmissão de nosso jogo contra a Croácia, na Copa do Mundo do Catar. Foram mais de 6 milhões de aparelhos conectados simultaneamente.

E as plataformas premium entram no segmento.

Netflix testou sua primeira transmissão esportiva ao vivo – o campeonato de golfe Copa Netflix, que criou duplas de pilotos da F1 e golfistas profissionais em Las Vegas. Os vencedores foram Carlos Sainz e Justin Thomas, porém o formato não era para puristas amantes do esporte. Trouxe intervenções de personagens da série Round 6.

Amazon Prime Video já usa inteligência artificial para incrementar o engajamento dos jogos de quintas-feiras da liga de futebol americano – traz estatísticas e rastreia os movimentos dos jogadores para prever o que farão.

Imagine se um desses players possibilitasse ao assinante vincular seu login a uma conta em uma casa de apostas online, que aceitasse PIX ou cartão pré-pago, e cobrasse os impostos devidos em tempo real?

Durante a partida, você poderia fazer apostas como: pênalti será convertido no canto superior, inferior, direito, esquerdo ou centro? Antes de decidir, receberia a informação de que o jogador converteu em 85% das vezes, mas errou as últimas três tentativas.

É possível criar uma dinâmica de engajamento para cada tipo de lance e em todos os esportes – vai conseguir ultrapassar na F1? E sobre cada aposta podem haver múltiplos – se acertar em quantas voltas, duplica o prêmio.

Existe ainda a possibilidade de incluir a lógica do social selling e prever um modelo em que você está em uma sala de apostas só com seus amigos.

Se a partida que mais arrecadou bilheteria no Brasileirão este ano foi a do jogo São Paulo X Flamengo – R$ 24,5 milhões –, imagine quanto renderia ao time um sistema desses.

Afinal, quem vai salvar o esporte mundial?

*Omarson Costa é Diretor da TNB e conselheiro de administração para empresas dos setores de telecomunicações.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Melhores cavaleiros do Brasil disputarão concurso internacional de saltos no Rio

PLAY: Cacildis, vale assistir ao filmis do Mussum?

Todo profissional precisa ser Influenciador Digital?

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
LGPD: veja explicações para principais dúvidas sobre parâmetros da Lei Geral de Proteção de Dados
Bússola

LGPD: veja explicações para principais dúvidas sobre parâmetros da Lei Geral de Proteção de Dados

Há 3 horas

Omnichannel: empresa permite que varejistas comparem seu desempenho com concorrentes em tempo real
Bússola

Omnichannel: empresa permite que varejistas comparem seu desempenho com concorrentes em tempo real

Há 17 horas

Gestão Sustentável: a transformação do discurso e a direção dos recursos 
Bússola

Gestão Sustentável: a transformação do discurso e a direção dos recursos 

Há 19 horas

Bússola & Cia: negócio fitness cresce 24% em 2023
Bússola

Bússola & Cia: negócio fitness cresce 24% em 2023

Há 20 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais