Acompanhe:

Por que o Brasil é um mercado oportuno para edtechs?

Empreendedor conta como tecnologia está revolucionando a educação e por que investidores estão mirando no mercado brasileiro

Modo escuro

Continua após a publicidade
Educação é a bola da vez e o uso da tecnologia no setor é o seu principal vetor de crescimento (Foto/Getty Images)

Educação é a bola da vez e o uso da tecnologia no setor é o seu principal vetor de crescimento (Foto/Getty Images)

P
Por Bússola

Publicado em 18 de dezembro de 2021 às, 10h06.

Nos últimos anos, a educação acelerou o seu processo de digitalização e o mercado atraiu edtechs que oferecem soluções que impactam positivamente o desenvolvimento dos 47,8 milhões de estudantes brasileiros da rede pública e privada. Isso prova que o Brasil se mantém na rota de inovação mundial e é celeiro para startups. 

Hoje, a educação é a bola da vez e o uso da tecnologia no setor é o seu principal vetor de crescimento, uma vez que essas soluções estão causando uma verdadeira revolução na aprendizagem e transformando a sala de aula em um ambiente mais inclusivo e personalizado, no qual o protagonista é o aluno.

A Bússola conversou com Raphael Coelho, CEO e fundador da TutorMundi, plataforma de reforço escolar que conecta alunos dos anos finais do ensino fundamental, ensino médio e pré-vestibular aos melhores universitários do país, proporcionando uma troca de conhecimento. A startup ultrapassou a marca de 120 mil aulas ministradas dentro da plataforma e cresceu 400% em 2021.

Bússola: O mercado educacional brasileiro é um dos mais tradicionais e resistentes às mudanças tecnológicas, por que nos últimos anos esse setor está tão aquecido e se tornou atrativo?

Raphael Coelho: A falta de estrutura e apoio básico foram fatores importantes para a educação brasileira acelerar seu processo de digitalização. Esse cenário atrai empreendedores entusiasmados em inovar e o Brasil oferece um ambiente mais oportuno para desenvolver empresas com potencial de crescimento acelerado.

A missão dessas edtechs, que estão crescendo em todo o mercado nacional, é introduzir uma nova maneira de pensar e desenvolver o estudante, além de explorar o potencial de cada um deles. É por isso que inúmeros empreendedores estão investindo nesse mercado e, consequentemente, estimulando o crescimento do mesmo.

Bússola: Apesar de o cenário ser positivo e próspero para as edtechs, qual o maior desafio ou problema que elas devem ter mais atenção?

Raphael Coelho: Alguns problemas de infraestrutura podem impactar e atrasar o desenvolvimento do setor. Segundo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 4,8 milhões de estudantes brasileiros não tiveram acesso ou abandonaram o ensino regular durante a pandemia. Para que todo esse processo de digitalização e inovação educacional seja bem executado, é importante que tanto o poder público como o privado tracem estratégias capazes de promover a inclusão digital de toda a comunidade escolar.

Bússola: Com essa gama de oportunidades, o mercado educacional será o mesmo?

Raphael Coelho: Uma coisa é óbvia: nada substituirá o processo de ensino-aprendizagem tradicional, mas a educação não será a mesma. Haverá mais ferramentas para os professores continuarem ensinando e levar a educação para as regiões mais remotas.

Daqui em diante, essas soluções tecnológicas — desenvolvidas por essas startups — vão moldar o comportamento do público (estudantes, professores e gestores educacionais) e, consequentemente, vão ultrapassar as barreiras que hoje limitam a oferta de educação de qualidade e personalizada.

Do ponto de vista econômico, as edtechs vão transformar o mercado, criando modelos de negócios bem sucedidos e lucrativos, que além de impactar positivamente os índices educacionais, vão contribuir com o desenvolvimento econômico do Brasil. 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube 

Últimas Notícias

Ver mais
 Bússola Poder: um problema de fé na política 
Bússola

 Bússola Poder: um problema de fé na política 

Há 15 horas

Como startup que automatiza rotina fiscal de empresas projeta faturar mais de R$ 28 milhões em 2024
Bússola

Como startup que automatiza rotina fiscal de empresas projeta faturar mais de R$ 28 milhões em 2024

Há 17 horas

Bússola Cultural: encontro literário com Tiago Nhandewa, escritor e pesquisador indígena
Bússola

Bússola Cultural: encontro literário com Tiago Nhandewa, escritor e pesquisador indígena

Há 20 horas

Por que podemos estar diante de uma mudança no mercado de empresas de benefícios a funcionários
Bússola

Por que podemos estar diante de uma mudança no mercado de empresas de benefícios a funcionários

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais