Bússola
Acompanhe:
Um conteúdo Bússola

Pensar como uma “pessoa de software” pode mudar seu negócio

Solucionar problemas de maneira inovadora e tecnológica pode abrir portas de sucesso para sua empresa

Softwares podem ser a solução do futuro (krugli/Getty Images)

Softwares podem ser a solução do futuro (krugli/Getty Images)

J
Jeff Lawson

25 de novembro de 2022, 18h30

Conforme escrevia “Pergunte ao Desenvolvedor”, busquei ser direto com algumas ideias principais que queria trazer no livro. E uma das mensagens centrais da obra está muito bem apresentada no trecho “Como o pessoal de software pensa”, um dos primeiros capítulos. Quero compartilhar esse trecho, com algumas reflexões novas com você, leitor.

De certa forma, a grande mudança de paradigma no pensamento está contida nessa frase que dá título ao capítulo, pois a meu ver para se prosperar na atual era digital em que vivemos, é preciso causar disrupção e se prevenir contra as disrupções vindas de seus concorrentes, e a chave para realizar isso é pensar como uma “pessoa de software”, embora ela não seja, exatamente, uma pessoa desenvolvedora.

Uma pessoa de software, nesse caso, se define por alguém que quando diante de um problema se questiona sobre como um software poderia resolver o tal problema, e isso é uma mentalidade, um jeito de ver o mundo, e não necessariamente um conjunto de habilidades que podem ser adquiridos simplesmente sabendo desenvolver softwares.

Ter essa mentalidade é o que faz com que se observe o mundo de forma otimista, sabendo que um software pode resolver os problemas de negócios que se enfrenta hoje e no futuro. Os computadores são máquinas que vêm evoluindo há décadas, cada vez mais aptas a computar mais e mais do mundo real.

Começamos pequenos, com, basicamente, calculadoras sofisticadas, hoje temos realidades virtuais e inteligências artificiais. Hoje temos computadores extremamente potentes em nossos bolsos, sempre conectados pela internet, mas no fim do dia são apenas versões mais elaboradas e capazes daquilo com quem começamos tantos anos atrás.

Isso se deve, em suma, à essa mentalidade de uma pessoa de software. Algo que deve ser cada vez mais impactante conforme o tempo passa. Agora as categorias de problemas com os quais essa mentalidade lida cresce cada vez mais. Hoje é possível ver um cenário com maior complexidade e também com a agilidade inerente ao software.

Com os avanços computacionais, podemos aplicar soluções baseadas em software a cada vez mais problemas do mundo real, daí o foco nos problemas de negócios. Os problemas de negócios são problemas do mundo real, eles nascem da interação entre empresas e seus clientes, e geralmente são notados pelos clientes, a quem sempre precisamos ouvir primeiro, pois ele está no centro dessa relação.

Uma história interessante que trago no livro fala justamente sobre como essa visão de mundo foi decisiva, por exemplo, na invenção do iPhone dos smartphones em geral. Uma vez que um telefone celular era feito com botões, eles nunca podiam mudar, era algo físico do aparelho. Nos smartphones, os botões só estão lá quando se precisa deles, e eles podem ser atualizados, melhorar, atender a mais funcionalidades, mas tudo isso via software.

O hardware, nesse caso, é muito rígido, preso a seu tempo e necessidade, diferente do que vemos em aparelhos de hoje, que podem fazer cada vez mais, e ainda compartilhar espaços entre funcionalidades. Isso permite que um smartphone seja global, fale línguas que não existem no mundo real (como o emoji), faça mais do que o botão numérico permite etc.

Os softwares, de um modo geral, ficam mais inteligentes a cada atualização. Erros são corrigidos, novas demandas dos clientes são atendidas e inovações das empresas podem ser implementadas, independente de seu ramo. A disrupção vem de enxergar possibilidades, justamente por um decisor buscar ver o mundo como uma pessoa de software, ou, ao menos, buscar ouvir quem enxerga o mundo assim em busca de conselhos para solucionar problemas de negócios e expandir os horizontes do que se pode alcançar.

Todos os tipos de líderes podem aprender a transformar suas empresas em organizações de software, que possuem e ouvem quem possui essa mentalidade, e o primeiro passo é internalizar esse conceito, aprender a mudar rapidamente, se adaptar.

Esses são os primeiros passos de uma discussão mais longa, mas imagino que talvez eu o tenha deixado ao menos curioso para, de repente, dar uma chance e “Perguntar ao Desenvolvedor” por mais.

*Jeff Lawson é cofundador e CEO da Twilio

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

VEJA TAMBÉM:

Últimas Notícias

ver mais
O que o BBB ensina sobre responsabilidade financeira
Bússola

O que o BBB ensina sobre responsabilidade financeira

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Como o setor de TI auxilia na redução do impacto ambiental?
Bússola

Como o setor de TI auxilia na redução do impacto ambiental?

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Progic registra aumento de mais de 40% no faturamento em 2022
Bússola

Progic registra aumento de mais de 40% no faturamento em 2022

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Para onde vai o marketing em 2023?
seloBússola

Para onde vai o marketing em 2023?

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
icon

Brands

ver mais

Uma palavra dos nossos parceiros

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais