Bússola
Um conteúdo Bússola

O dilema da governança: estratégias de longo prazo contra pressões de curto prazo

É dever do board ser 100% diligente, sabendo distribuir corretamente pesos e contrapesos para manter a empresa no prumo

 (Freepik/Reprodução)

(Freepik/Reprodução)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 4 de setembro de 2023 às 11h48.

Por Claudia Elisa Soares*

Acabou de sair do forno a pesquisa “O Futuro dos Conselhos de Governança 2022-23”, produzida pela GNDI – Global Network of Directors Institute. 

Realizado com 1.071 profissionais de todo o mundo (entre conselheiros, CEOs, diretores), o estudo indica quais são as prioridades e os principais desafios para a governança nos próximos anos.

Os dados são reveladores e nos dão insights valiosos para repensarmos macroestruturas de gestão globais, em especial quando voltamos nosso olhar para o primeiro lugar do ranking, que ganhou “de lavada” dos demais.

Longo Prazo x Curto Prazo

Segundo 66% dos entrevistados, o principal desafio/prioridade é a definição e a implementação de estratégias robustas de longo prazo em contraposição a um ambiente dominado por pressões de curto prazo – ou de curtíssimo prazo, muitas vezes.

Este, na verdade, é o grande dilema que permeia a governança atual. Sabe aquela história de ficar equilibrando pratos, com um olho no peixe e outro no gato? 

São vários contextos interligados – internos e externos – que precisam ser analisados e administrados simultaneamente com eficácia, pois um vacilo pode significar a quebra dos pratos ou o sumiço do peixe.

Todos os contextos são importantes, mas é dever do board ser 100% diligente, sabendo distribuir corretamente pesos e contrapesos para manter a empresa no prumo, resistindo à pressão de alguns acionistas imediatistas e às oscilações do mercado.

É claro que as situações que pedem respostas imediatas – como a volatilidade das condições políticas e econômicas, a adaptação dos processos ao ESG e a disrupção tecnológica – não podem ser negligenciadas.

Mas os conselhos precisam garantir que suas organizações se concentrem no crescimento de longo prazo. Por vezes, o aparecimento de situações passageiras acaba se tornando “distrações” que podem levar a corporação para longe do seu objetivo.

Sabemos que, em tese, cumprir fielmente o plano macroestratégico desenhado pelo conselho aumenta as chances de sucesso no futuro. Ter a consciência disso e lutar por ele – como indica a pesquisa – já é um grande passo.

Resiliência e Adaptação

O segundo colocado no ranking, obtendo 39% da preferência dos respondentes, está intrinsicamente ligado ao primeiro, criando uma espécie de arcabouço da governança atual.

Estamos falando da “continuidade do negócio e o poder de resiliência”. Na busca pelo crescimento a longo prazo, será importante que os conselhos garantam que suas organizações sejam resilientes ou facilmente adaptáveis a grandes mudanças no ambiente econômico.

O mercado é cheio de sutilezas e nuances, e por isso os integrantes do conselho devem estar abertos a debates que envolvam situações muitas vezes contraditórias e ambíguas. Assim com o homo sapiens, as empresas precisam saber como se adaptar para evoluir.

Os boards devem ser mais ágeis para buscar uma variedade de expertise externa e estar em constante modo de aprendizado, alinhado com áreas-chave de melhoria do conselho – especificamente a qualidade dos relatórios de gestão e a educação dos diretores em habilidades específicas.

As duas principais prioridades – estratégia a longo prazo e continuidade dos negócios e resiliência – refletem os tempos dinâmicos e voláteis e a necessidade de se concentrar em questões perenes. 

*Claudia Elisa Soares é especialista em ESG e transformação de negócios e líderes e conselheira em companhias abertas e familiares

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

ESG: dá para mudar o mundo começando pelo prato?

Danilo Maeda: Contagem regressiva para evitar catástrofes climáticas

Os novos dados populacionais e os desafios para o Brasil

Acompanhe tudo sobre:Governançagestao-de-negociosEstratégia

Mais de Bússola

3 passos para unificar a cultura organizacional após processos de fusão e aquisição

Supermed projeta crescimento de 50% e anuncia expansão de parcerias em evento especial

Grupo Salta compra tradicional escola de SP e vai investir R$ 200 mi para ampliar operação no estado

Como identificar os efeitos da crise climática no dia a dia?

Mais na Exame