Bússola
Um conteúdo Bússola

O design é ferramenta de transformação social, diz sócio da Colírio

Uma entrevista com os sócios da consultoria de design estratégico, que esta completando 18 anos e tem o braço social como um de seus pilares

Projetos como a identidade da campanha Sou amigo da Fauna são exemplos da importância (Colírio/Divulgação)

Projetos como a identidade da campanha Sou amigo da Fauna são exemplos da importância (Colírio/Divulgação)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 20 de julho de 2023 às 14h00.

Poucas vezes se liga o design a qualquer processo de transformação social. Nesta entrevista exclusiva ao bússola, Teresa Guarita Grynberg e Alexandre Grynberg, sócios da consultoria de design estratégico Colírio, apontam como esta característica vem sendo alterada no Brasil. A Colírio completa 18 anos em 2023 e tem o braço social como um de seus pilares. 

Os sócios Teresa e Alexandre (Colírio/Divulgação)

Teresa e Alexandre tomam como exemplos recentes projetos impactantes da Colírio, um deles a campanha e a identidade visual do “Sou amigo da fauna”, que reuniu as ONGs Instituto Libio, Ampara Silvestre, Onçafari e SOS Pantanal, além das marcas Azul Linhas Aéreas e Socicam. O objetivo era reforçar a proteção ambiental e alertar para o tráfico de animais silvestres

“A consultoria tinha como missão impactar e despertar as pessoas para um tema relevante, dando luz à pauta com um trabalho de design gráfico que representou os principais alvos do tráfico”, diz Teresa.

Outros exemplos de projetos da Colírio com o impacto social no centro são a Bicicoleta, uma bicicleta cargueira elétrica idealizada pela consultoria e testada pela ONG Pimp My Carroça para dar visibilidade aos principais agentes de reciclagem do Brasil, trocando as carroças por bicicletas elétricas, e o trabalho gráfico para a Tucca, associação sem fins lucrativos 100% dedicada a assistência multidisciplinar de excelência para crianças e adolescentes carentes com câncer. 

“O trabalho de design estratégico faz as instituições serem mais bem compreendidas e reconhecidas, e então podem fazer ainda mais. É inevitável. A gente desperta esse olhar, abre essa conversa e procura caminhos para a transformação em cada trabalho. Todo tipo de transformação é importante, as de grande e as de pequeno impacto”, diz Alexandre.  

Design e transformação social

Bússola: Como vocês entendem que o design pode fazer diferença?

Teresa: Decidimos que nossa forma de transformar seria pelo design. A gente começou esse processo pelo terceiro setor, atendendo ONGs e fundações, quando nem se falava em ESG. O trabalho de design estratégico faz essas instituições serem mais bem compreendidas e reconhecidas, e então podem fazer ainda mais. 

Alexandre: Em inglês existe a expressão “by design”, quer dizer, algo feito de propósito, para solucionar alguma questão. Design pode ser aplicado a muitas coisas: se uma cidade quer despoluir um rio, precisa desenhar sua estratégia para resolver o problema. Tudo isso é design estratégico.

Bússola: E vocês entendem que as marcas estão comprometidas com a agenda ESG? 

Teresa: É muito difícil um cliente recusar essa provocação, porque ele está sendo pressionado pelo seu consumidor, pelo conselho, pelo sócio, a fazer alguma coisa nesse sentido. É inevitável. A gente desperta esse olhar, abre essa conversa e procura caminhos para a transformação em cada trabalho. Todo tipo de transformação é importante, as de grande e as de pequeno impacto.  

Bússola: A Colírio tem o Selo Empresa B – que são empresas que visam como modelo de negócio o desenvolvimento social e ambiental. Qual a importância da certificação para vocês?

Alexandre: Termos um compromisso com o equilíbrio entre propósito e lucro está no nosso DNA, no nosso jeito de viver. A gente se perguntou se precisava mesmo de um selo. Chegamos à conclusão de que o processo nos ajudaria a aperfeiçoar o que já fazíamos, a estabelecer modelos de trabalho, relatórios e checagens que não deixem você se esquecer de nada importante.

Ter a certificação Empresa B também nos obriga a checar se estamos fazendo o que deve ser feito. Não tivemos que trocar nenhum fornecedor, nenhum colaborador, mas incluímos novos controles, novos benefícios. É um esforço de foco e, também, financeiro. Qualquer cliente, qualquer job que entra aqui hoje, a gente provoca essa conversa. 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Renner lança desafio para startups focado em inovação para sustentabilidade

Froneri, produtora de sorvetes, cresce 23% na categoria take home

Créditos trabalhistas de empresas em recuperação judicial também podem ser negociados

Acompanhe tudo sobre:Bússola ESGDesignEstratégiaSustentabilidade

Mais de Bússola

Eletrificados: rebranding da 'Tupinambá', que virou 'Tupi', foi ideia do marketing ou dos clientes?

Natalia Beauty: transforme seus clientes em criadores de conteúdo

Rafael Catolé: você ainda não conhece seu potencial

Dengue: empresa cria teste de laboratório com resultado que sai em 35 min e que detecta o sorotipo

Mais na Exame