Bússola
Um conteúdo Bússola

Desemprego e insegurança financeira pioram entre os LGBTQIA+, diz estudo

Para especialista, é preciso garantir aos membros da comunidade o direito ao trabalho

Direitos da comunidade LGBTQIA+ incluem direito ao trabalho e ao desenvolvimento profissional (Javier Zayas Photography/Getty Images)

Direitos da comunidade LGBTQIA+ incluem direito ao trabalho e ao desenvolvimento profissional (Javier Zayas Photography/Getty Images)

B

Bússola

Publicado em 14 de julho de 2021 às 11h52.

Última atualização em 15 de julho de 2021 às 11h56.

Quase metade (44,3%) das pessoas LGBTQIA+ tiveram suas atividades totalmente paralisadas durante isolamento. 40% dos LGBTQIA+ e metade das pessoas trans (53,35%) não conseguem sobreviver sem renda por mais de um mês caso percam sua fonte financeira hoje e uma em cada quatro perdeu o emprego em razão da covid-19. Esses são os resultados de uma pesquisa online com grupos distintos de classe social, idade, gênero, raça e escolaridade, pelo Vote LGBT+ e pelo Box1824.

Para comentar os resultados da pesquisa, a Bússola conversou com Larissa Medeiros Rocha, advogada da área trabalhista do BMA Advogados. “A pesquisa evidencia que, como resultado do preconceito, grande parte das pessoas LGBTQIA+ vive em situação de fragilidade profissional, amplificada pela pandemia. É um cenário que precisa ser mudado. Quando falamos sobre a garantia dos direitos da comunidade LGBTQIA+, não podemos esquecer do direito ao trabalho e ao desenvolvimento profissional”, afirma.

Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do IBGE, mostram que seis em cada dez dos desempregados que integram a comunidade (59,47%) já estão sem trabalho há um ano ou mais. Essa parcela quase dobrou em relação à pesquisa realizada em 2020 (31,65%) e é maior do que a porcentagem nessa situação no país. Para Larissa, o papel das empresas se torna essencial para que o Brasil possa, no médio prazo, reverter esses números.

“A atual tendência é de que companhias assumam compromissos com a pauta de diversidade e inclusão, ajudando a promover transformações significativas. Com as empresas, que são parte importante da sociedade, se engajando verdadeiramente, veremos efeitos práticos sobre as taxas de desemprego e, consequentemente, sobre a situação de vulnerabilidade da população LGBTQIA+”, diz.

 

 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

 

Acompanhe tudo sobre:DiversidadeLGBTPreconceitos

Mais de Bússola

Ela já coleciona 62 medalhas de ouro no jiu-jitsu e na luta livre (e tem apenas 12 anos)

3 dicas fundamentais para construir autoridade online (e alavancar as vendas)

Depois do fast fashion, a fast music: produtora que criou o conceito já negociou R$ 220 mi com ele

Ele descobriu a cura para a ressaca e, com ela, fundou empresa que já vale mais de R$ 20 milhões

Mais na Exame