Bússola
Um conteúdo Bússola

Danilo Maeda: 100 motivos para a urgência da sustentabilidade

Em nossa centésima edição da coluna de estratégias ESG, apresentamos 100 motivos fundamentais pelos quais precisamos dar prioridade para a sustentabilidade

Sustentabilidade também traz resultados financeiros (Alistair Berg/Getty Images)

Sustentabilidade também traz resultados financeiros (Alistair Berg/Getty Images)

Danilo Maeda
Danilo Maeda

Head da Beon - Colunista Bússola

Publicado em 12 de julho de 2023 às 14h00.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 20h42.

Este é o centésimo texto da coluna sobre tendências e estratégias ESG. Neste espaço semanal inaugurado em agosto de 2021, tenho tentado discutir pontos relevantes para o desenvolvimento sustentável de organizações, sempre com um olhar técnico, prático e de implementação. Espero que o conteúdo seja útil para você que lê tanto quanto o processo de pesquisa, reflexão e redação é valioso para mim.

Aproveito o número "redondo" para voltar ao fundamental e inspirado pelas metas dos ODS, listar cem razões pelas quais a agenda do desenvolvimento sustentável deve ser prioridade nas empresas, governos e sociedade civil. O fundamental importa.

Sustentabilidade tem que ser prioridade hoje para nós próximos anos conseguirmos:

  1. Acabar com a pobreza extrema;
  2. Acabar com a fome e a desnutrição;
  3. Garantir acesso de todas as pessoas a alimentos seguros e nutritivos;
  4. Desenvolver sistemas de proteção social;
  5. Garantir direito de acesso a serviços básicos;
  6. Distribuir de forma justa e igualitária os recursos essenciais para a vida humana;
  7. Proteger as pessoas mais vulneráveis dos impactos causados pelas mudanças climáticas;
  8. Aumentar a produtividade agrícola;
  9. Fortalecer a agricultura familiar e de povos tradicionais;
  10. Proteger a biodiversidade de recursos no campo e espécies selvagens;
  11. Acabar com a mortalidade materna e a violência obstétrica;
  12. Acabar com a mortalidade infantil por causas evitáveis;
  13. Combater epidemias e reduzir suas taxas de mortalidade;
  14. Promover saúde mental e bem estar;
  15. Garantir acesso a serviços de saúde, nas diferentes especialidades;
  16. Atingir cobertura universal em saúde, incluindo acesso a medicamentos, exames e outros recursos;
  17. Reduzir os níveis de dependência, abuso e uso nocivo de drogas lícitas e ilícitas;
  18. Reduzir as mortes por acidentes em estradas;
  19. Reduzir mortes e casos de contaminação por produtos químicos e contaminação de água e solo;
  20. Garantir que todos os meninos e meninas completem o ciclo de ensino básico;
  21. Permitir que todas as crianças tenham desenvolvimento de qualidade na primeira infância;
  22. Assegurar acesso igualitário à educação técnica, profissional e superior;
  23. Acabar com o analfabetismo;
  24. Eliminar todas as disparidades de acesso à educação, em todos os níveis;
  25. Viabilizar uma educação que informe e prepare as pessoas para promover o desenvolvimento sustentável;
  26. Eliminar todas as formas de violência contra as mulheres;
  27. Acabar com a discriminação de gênero;
  28. Reconhecer e valorizar o trabalho doméstico;
  29. Garantir participação e representatividade feminina nas esferas políticas e de poder;
  30. Assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e os direitos reprodutivos;
  31. Alcançar o acesso universal e equitativo a água potável e segura;
  32. Promover acesso a saneamento e higiene adequados e equitativos para todos;
  33. Elevar a qualidade da água e os níveis de tratamento de efluentes;
  34. Aumentar a eficiência do uso da água, de modo a promover sustentabilidade deste recurso;
  35. Implementar gestão integrada de recursos hídricos;
  36. Assegurar o acesso universal, confiável, moderno e a preços acessíveis a serviços de energia;
  37. Aumentar a participação de energias renováveis na matriz global;
  38. Elevar as taxas de eficiência energética;
  39. Promover crescimento econômico nos países menos desenvolvidos;
  40. Elevar a produtividade das economias;
  41. Promover políticas públicas que induzam geração de empregos e o empreendedorismo;
  42. Estabelecer modelo de crescimento que concilie desenvolvimento econômico e preservação ambiental;
  43. Alcançar o alcançar o emprego pleno com trabalho decente para todas as pessoas;
  44. Erradicar o trabalho forçado;
  45. Erradicar a escravidão moderna
  46. Erradicar o tráfico de pessoas;
  47. Erradicar o trabalho infantil;
  48. Promover direitos trabalhistas;
  49. Promover o turismo sustentável, gerando empregos de qualidade com valorização da cultura e ativos ambientais locais;
  50. Incluir populações mais pobres no sistema financeiro, com serviços bancários e de seguros acessíveis;
  51. Desenvolver infraestrutura de qualidade, confiável, sustentável e resiliente;
  52. Promover uma industrialização inclusiva e sustentável;
  53. Fomentar o desenvolvimento de micro, pequenas e médias empresas;
  54. Fortalecer a pesquisa científica para desenvolvimento de soluções sustentáveis;
  55. Empoderar e promover a inclusão social, econômica e política de todos;
  56. Garantir a igualdade de oportunidades e reduzir as desigualdades de renda;
  57. Promover políticas de proteção social;
  58. Fortalecer a regulação e monitoramento dos mercados, de modo a evitar ou mitigar crises financeiras;
  59. Proteger populações migrantes e refugiadas;
  60. Garantir o acesso de todos à habitação segura, adequada e a preço acessível;
  61. Urbanizar favelas;
  62. Proporcionar acesso a sistemas de transporte seguros, acessíveis e sustentáveis;
  63. Reduzir o número de mortes e outros impactos de catástrofes naturais;
  64. Aumentar a urbanização inclusiva e sustentável;
  65. Proporcionar acesso universal a espaços públicos seguros, inclusivos, acessíveis e verdes;
  66. Reduzir o impacto ambiental negativo das cidades;
  67. Alcançar a gestão sustentável e o uso eficiente dos recursos naturais;
  68. Combater o desperdício de alimentos, desde a produção no campo até a fase industrial, de distribuição e o consumo;
  69. Manejar adequadamente produtos e resíduos químicos e reduzir seu impacto no meio ambiente e na saúde humana;
  70. Reduzir a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso;
  71. Nas empresas, adotar práticas sustentáveis e a integrar informações de sustentabilidade em seu ciclo de relatórios;
  72. Promover práticas de compras públicas sustentáveis;
  73. Reforçar a resiliência e a capacidade de adaptação a riscos climáticos e catástrofes naturais;
  74. Implantar políticas públicas que considerem os impactos das mudanças climáticas;
  75. Aumentar o nível de educação e engajamento sobre mitigação, adaptação, redução de impacto e alerta precoce da emergência climática;
  76. Cumprir os objetivos do Acordo de Paris, que busca limitar o aquecimento global em até 1,5ºC em relação a níveis pré-industriais;
  77. Promover soluções regenerativas que contribuam com o sequestro e armazenamento de carbono;
  78. Prevenir e reduzir significativamente a poluição de rios, mares e lagos;
  79. Proteger os ecossistemas marinhos e costeiros para assegurar oceanos saudáveis e produtivos;
  80. Minimizar e enfrentar os impactos da acidificação dos oceanos;
  81. Acabar com a sobrepesca e a pesca ilegal;
  82. Assegurar a conservação, recuperação e uso sustentável de ecossistemas;
  83. Promover a gestão sustentável de todos os tipos de florestas;
  84. Combater o desmatamento;
  85. Restaurar áreas degradadas com espécies provenientes do bioma local;
  86. Combater a desertificação, restaurar a terra e o solo degradado;
  87. Assegurar a conservação dos ecossistemas de montanha e sua biodiversidade;
  88. Reduzir a degradação de habitat naturais;
  89. Deter a perda de biodiversidade;
  90. Evitar a extinção de espécies ameaçadas;
  91. Valorizar os ativos da biodiversidade e distribuir de forma justa os benefícios derivados;
  92. Acabar com a caça ilegal e o tráfico de espécies da flora e fauna protegidas;
  93. Evitar a introdução e reduzir o impacto de espécies exóticas invasoras;
  94. Acabar com abuso, exploração, tráfico e todas as formas de violência contra crianças;
  95. Promover o Estado de Direito, em nível nacional e internacional, e garantir a igualdade de acesso à justiça para todos
  96. Reduzir significativamente os fluxos financeiros e de armas ilegais;
  97. Combater o crime organizado;
  98. Combater corrupção e o suborno em todas as suas formas;
  99. Desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes em todos os níveis;
  100. Proteger as liberdades fundamentais

Além de tudo isso, já sabemos que boas estratégias de sustentabilidade trazem resultados positivos também para as finanças de organizações. Ou seja, é uma agenda que, se bem executada, trará benefícios para o planeta, para as pessoas e para as empresas. Vamos adiante para mais algumas centenas de textos sobre esta área tão desafiadora e apaixonante.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Danilo Maeda: Propósito, causa, impacto e materialidade

Unigel retoma produção de ureia automotiva em Camaçari

Marketing e ESG: como criar uma relação positiva

Acompanhe tudo sobre:Bússola ESGSustentabilidade

Mais de Bússola

TikTok: veja 3 dicas essenciais para engajar com anúncios na rede social chinesa

O que são contratos de representação comercial e como evitar insegurança jurídica

Como a Positivo aumentou seu lucro líquido em 655% em um ano

A volta da dupla Senna e Shell: marcas firmam parceria para promover lançamento de etanol aditivado

Mais na Exame