Um conteúdo Bússola

Bia Félix: 6 tendências da geração Z em 2024

Como se aproximar desses jovens nascidos entre 1995 e 2010 que querem empreender, ficar mais tempo offline e buscam conexões autênticas?

Case de sucesso focado na geração Z foi a colaboração entre a farmacêutica Cimed e a empresa de doces Fini (@carmed no Instagram/Reprodução)
Case de sucesso focado na geração Z foi a colaboração entre a farmacêutica Cimed e a empresa de doces Fini (@carmed no Instagram/Reprodução)
Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 8 de fevereiro de 2024 às 13h00.

Última atualização em 6 de março de 2024 às 11h57.

Por Bia Félix*

Você sabia que 50% da geração Z sofre de ansiedade? É o que revela uma pesquisa feita pela Deloitte, que entrevistou 22 mil jovens no mundo todo nascidos entre 1995 e 2010.  O número preocupante é consequência, principalmente, da falta de equilíbrio entre vida pessoal e vida profissional. 

Essa é só uma das características de uma geração com muitas peculiaridades, que está engatinhando na vida adulta e, portanto, ainda tem muitos anos para viver (e consumir). Mas, para criar verdadeiras conexões com esse jovem hiperconectado, é preciso conhecê-los, saber quais tendências ele valoriza, entender seu comportamento na hora de comprar e sua visão de mundo.

Nós então separamos 6 tendências que vão estar em alta para essa geração no próximo ano com dicas do que as marcas podem fazer para se conectar com ela

Desenvolvimento pessoal 

Segundo o relatório 2024 Instagram Trend Talk, as principais prioridades para a geração Z incluem: 

  • manter a saúde através de práticas regulares de exercícios e adoção de uma dieta saudável.
  • explorar uma trajetória de carreira.
  • viajar.

Como a marca pode criar uma conexão autêntica com esse público

A geração Z valoriza muito a autenticidade. Mas é cada vez mais difícil alcançá-la dado o fato de que esses jovens são expostos, diariamente, a uma avalanche de informações.

O caminho para alcançar a tão desejada conexão verdadeira com esses jovens é, primeiro, atraí-los por meio de vídeos curtos, mais diretos. E, depois de conseguir esse primeiro contato, aí sim expor a eles conteúdos mais longos, que permitem uma expressão mais autêntica e personalizada da marca. 

Seguir esse passo a passo é importante dado o fato de que  59% da Geração Z utiliza aplicativos de vídeos curtos para descobrir conteúdos para, na sequência, assistir suas versões mais longas.

Tweet de Noah Smith (@noahpinion no X.com (antigo Twitter)/Reprodução)

Vida offline intencional

Existe hoje uma epidemia da solidão, segundo a Organização Mundial da Saúde. E ela acomete, inclusive, a geração Z – que cresceu imersa na internet. Com isso, é possível concluir que as redes sociais só dão a sensação de que o usuário não está só. Porque, na prática, ele se sente sozinho.  

Diante dessa, digamos, overdose de exposição ao mundo virtual, os Zoomers (como são chamados os integrantes da geração Z) estão buscando conhecer pessoas à moda antiga, presencialmente. Lá fora, eles já estão até pagando para ter essa experiência. Portanto, focar em uma estratégia que considere o indispensável online quanto o subestimado offline é chave para se comunicar com essa geração em 2024.

Pequenas comunidades/nichos - "the riches are in the niches"

Embora a geração Z seja definida por uma faixa etária, é crucial não esquecer suas pluralidades e diversidades. Essa geração não é homogênea. O melhor é não só focar apenas nesse recorte demográfico, mas também entender a qual subcultura da internet seu público-alvo pode ser associado. Em miúdos: a geração Z está se unindo por meio de interesses e desafios compartilhados, destacando-se a criação de comunidades online, em grupos baseados em identidade. E é essencial ficar de olho nesses grupos. 

Ter suas próprias iniciativas de empreendedorismo e/ou criação de conteúdo

Um em cada três membros da geração Z acredita que a melhor maneira de progredir financeiramente é por meio do empreendedorismo, seja abrindo um negócio próprio ou criando conteúdo. Para 60% da geração Z, suas rendas atuais não são suficientes, e eles veem nessa modalidade de trabalho uma forma de melhorá-las.

Cultura colaborativa

Para reter a geração menos leal de todas, é preciso investir na cultura colaborativa. Colaborações entre marcas permitem criar um impactar mais o consumidor e ampliar a percepção do público sobre a sua marca, diferenciando-se da maioria. Exemplos incluem eventos, pop-ups, ativações de marca e parcerias com influenciadores. Um case de sucesso em 2023 foi a colaboração entre a farmacêutica Cimed e a empresa de doces Fini para a linha de hidratantes labiais Carmed x Fini, com foco na geração Z.

Influenciadora Lívia Marques mostrando os sabores de Carmed. Via TikTok/2023. (@Lívia Marques / TikTok/Reprodução)

*Neste mês de fevereiro, a Bússola vai publicar toda quinta-feira uma coluna da influenciadora Bia Félix. Ela… 

  • Cria conteúdo voltado para a geração Z na comunidade "20 e poucos", que conta hoje com quase 60 mil pessoas. 
  • É a única residente brasileira participando do programa UNESCO x Women@Dior em 2023, programa internacional de mentoria e educação que ajudou a desenvolver milhares de mulheres jovens em todo o mundo.
  • Se formou em Publicidade pela ESPM.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Bússola & Cia: queda de juros impulsiona leilões de imóveis

Gosta de programação? Confira as 5 linguagens mais populares do mundo

De desenhos a youtubers: como estratégias de marketing estão reinventando a volta às aulas

Mais de Bússola

Análise do Alon: um esboço de (começo de) autópsia

Como a inteligência artificial está transformando as corretoras de seguros

Roku, agregadora de serviços de streaming, quer se consolidar no Brasil fazendo parceria com PPPs

Bússola Cultural: Museu da Língua Portuguesa exibirá filmes ao ar livre 

Mais na Exame