Bússola
Um conteúdo Bússola

Bia Félix: 10 dicas práticas para ser mais criativo

A gente sabe que vez ou outra é inevitável aquele bloqueio criativo que até paralisa. Veja o que eu faço quando isso acontece comigo

O "moodboard" da diretora Sophia Coppola, mostrando o processo criativo durante o filme "Bling Ring" ("Archive" - Sofia Coppola/Reprodução)

O "moodboard" da diretora Sophia Coppola, mostrando o processo criativo durante o filme "Bling Ring" ("Archive" - Sofia Coppola/Reprodução)

Bia Félix
Bia Félix

Influenciadora e Colunista Bússola

Publicado em 2 de maio de 2024 às 16h00.

Tudo sobreGeração Z
Saiba mais

Se você se interessou por este artigo, são grandes chances de termos algo em comum: exercemos nossa criatividade diariamente em nossas profissões. Não sei você, mas na minha crise dos 20, entrando no mercado de trabalho, eu tinha grande dificuldade de entender que o tempo de um trabalho criativo não se encaixa no padrão convencional do relógio, por mais que prazos sejam importantes – tanto para os criativos quanto para seus respectivos bolsos.

Foi então que recentemente, li o livro "O Ato Criativo", de Rick Rubin. Na obra, o autor diz:

"O trabalho do artista nunca tem fim. Em muitas ocupações, quando vamos para a casa, deixamos o trabalho no escritório. O artista está sempre de plantão… A criatividade é algo que você é, não algo que você faz. É um modo de estar no mundo, a cada minuto, a cada dia… Talvez a melhor ideia seja aquela que você terá hoje à noite". 

 É incrível como Rick, um dos maiores produtores musicais do mundo, conseguiu colocar em palavras aquilo que eu já sentia. Minha melhor ideia de roteiro não vem quando estou sentada à mesa, me forçando a escrever. Para que ela venha, é preciso que eu faça isso (e muitas outras coisas, que falaremos adiante.) Ser criativo é ter o entendimento de que o momento "AHA!" pode levar 2 horas, ou 2 semanas, ou 2 anos…

Por isso, o meu take é este: pessoas criativas precisam aprender a ser práticas, a continuar em movimento sem esperar pela melhor ideia, já que os prazos são reais. E neste texto quero te mostrar como você pode exercitar mais a sua criatividade no dia a dia.

Antes de tudo, se alguém ainda não te contou, você vai descobrir conforme for seguindo (sim, cabe perfeitamente aqui a frase clichê do "you'll figure out as you go", que você já deve ter lido por aí, provavelmente no Pinterest ou no Instagram). Se você alterna entre momentos de "vou esperar a ideia perfeita para começar" e "vou produzir com o que tenho", experimente escolher a segunda opção e verá como será capaz de gerar mais ideias.

Mesmo assim, se a ideia de produzir com o que tem ainda parece difícil, é importante retornar ao básico. Apesar de não existir uma fórmula mágica da criatividade – queria eu! – alguns princípios parecem universais. A seguir, compartilho 10 dicas que me colocam no meu melhor flow criativo, e que podem melhorar seu potencial também:

1. Back to basics 

Eu sei que, na correria da rotina, nem sempre é possível conseguir tudo o que vou sugerir a seguir. Mas o importante é tentar: 8 horas de sono, alimentação saudável e exercícios regulares. De repente as ideias começam a fluir mais facilmente.

2. Evite comparações

Sabe aquela pessoa super criativa, que no Instagram parece gerar milhões de ideias por minuto enquanto você é incapaz de concluir uma? Experimente a opção de deixar de seguir essa pessoa. Você se surpreenderá ao direcionar esse tempo para investir em si mesmo, em vez de focar no que os outros estão fazendo.

3. Tenha a ideia inicial, depois busque referências

Assim como uma ideia nunca parece perfeita, as referências também nunca parecem suficientes. Isso pode ser uma forma de procrastinação. Sugiro fazer um esboço inicial da sua ideia e, a partir disso, buscar referências. Dessa forma, você parte de algum ponto e não se sente sobrecarregado por uma pilha de referências.

4. Saiba que seu trabalho nem sempre vai ser o melhor trabalho 

Deixe de lado a busca pela perfeição e, no lugar disso, escolha a constância.

5. Faça trocas na sua rotina

Não precisa ser nada extraordinário. Sabe o caminho do trabalho? Experimente pegar uma rua nova, ou sentar do outro lado da mesa durante o café da manhã. Se você quer novas ideias, por que anda fazendo tudo igual no dia a dia

6. Estabeleça tempos para pensar na ideia e, depois, para não pensar mais nela

Estabeleça bloqueios de tempo para explorar opções e alternativas para uma potencial ideia. Realize pesquisas e esboços nesse período. Em seguida, desafie-se a não pensar mais nela. Deixe que seu cérebro se ocupe com outras atividades e coloque aquela ideia em incubação. Após a busca por referências e o trabalho inconsciente do cérebro, estará pronto o terreno para concluir o raciocínio. Tenha paciência.

7. Pessoas vão julgar, outras vão apoiar

Sempre haverá pessoas para julgar, mas ao mesmo tempo existem aqueles que estarão ao seu lado. Concentre-se no segundo grupo, no lado positivo das coisas e não deixe de tirar uma ideia do papel por conta de quem torce o nariz para as suas ideias.

8. Busque referências, mas escolha trilhar seu próprio caminho

Encontre inspirações, mas não se limite a repeti-las. Ao criar os cenários de seus filmes, Sofia Coppola buscava decorações que comunicavam para além da linguagem verbal. É o que vemos em "Virgens Suicidas", "Lost in Translation" e, mais recentemente, "Priscilla". Coppola utiliza moodboards para montá-las, reunindo elementos como fotografias de referência e tecidos. O desfecho resulta em interiores marcantes, que viraram uma característica marcante pela qual o público sempre espera a cada novo longa da diretora.

9. Go touch grass

Sentindo-se sem inspiração? Experimente estar em contato com a natureza, reúna-se com seus amigos. Dê espaço para sua ideia chegar.

10. Peça ajuda

Duas mentes pensam melhor que uma. Às vezes alguém de fora consegue enxergar as coisas com mais perspectiva do que você. Sempre digo que pessoas na faixa dos 20 e poucos anos deveriam buscar mentores, pessoas com mais experiência às quais podemos recorrer sempre que necessário. Elas não precisam ser necessariamente da mesma área de atuação. Esses tutores conseguem analisar uma ideia sem apego ou paixão, trazendo um novo olhar ao que está sendo criado. 

Dica bônus: ensine e compartilhe

"Você não pode esgotar a criatividade. Quanto mais você a utiliza, mais você tem." - Maya Angelou.

Para mim, a melhor forma de estimular minha criatividade é ensinar outras pessoas. Para compartilhar conhecimento, preciso pesquisar, analisar e sintetizar informações. Não economize ou seja parcimonioso com a sua criatividade. Transmitir o que sabemos reforça nosso entendimento e nos desafia a pensar de maneira inovadora, apresentando ideias empolgantes, de modo que você fique realizado e empolgado para criar. É assim que me sinto agora. Espero ter ajudado.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:Geração ZCriatividade

Mais de Bússola

Dia Internacional da Mulher na Engenharia: sejamos hoje o modelo para as líderes do futuro

E se seu filho pudesse estudar empreendedorismo desde pequeno? Conheça escola que dá curso na área

Como a Arezzo&Co planeja rastrear 100% da sua cadeia de couro utilizando blockchain

Bússola Poder: Lula paga a conta de Lula e Dilma

Mais na Exame