Acompanhe:

A educação é transformadora e a corrida ainda é desigual

A gestão e toda a comunidade escolar precisam estar sensibilizadas para o letramento racial

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Leonardo Bento/Divulgação)

(Leonardo Bento/Divulgação)

B
Bússola

Publicado em 28 de novembro de 2021 às, 09h00.

Por Fernando Shayer e Leonardo Bento*

Eu tive todos os privilégios que têm um jovem branco brasileiro de classe média. Fui a uma boa escola, paga pelos meus pais. Frequentei uma excelente faculdade pública gratuita e, até hoje, me pergunto o porquê de não pagar as mensalidades. O mercado de trabalho estava aberto para mim, e jamais alguém questionou minhas origens. Demorei para notar com clareza como sou parte de um país muito opressor, em todos os sentidos, e como eu ajudava a preservação dessa situação, com minha omissão. Percebo hoje que estamos num momento histórico, em que muitos passos estão sendo dados, no mundo todo, para uma transformação na maneira como abordamos o racismo. Trabalho com o professor Leonardo Bento, na Camino School, que tem uma história de muito mais luta e conquistas do que a minha, e que me inspira diariamente a evoluir, bem como nossos colegas e alunos. Na semana da consciência negra, convidei-o para contribuir com sua visão nesta coluna. É o lindo texto que segue:

Numa corrida de atletismo, normalmente vence quem está melhor preparado. Mas imagine que a corrida envolvesse um competidor que teve acesso a todas as possibilidades de alimentação, treino, acompanhamento médico e psicológico, e o outro que estivesse com seus músculos atrofiados, por ter, desde o início de sua vida, ficado amarrado. Como seria o resultado?   

Na época em que tinha a idade dos meus alunos atuais, entre dez e 13 anos, eu já me fascinava com português, inglês e história. Algo me dizia que precisava aprender bem a minha língua e inglês para conversar com pessoas de outros países. Com o tempo, entendi que aprender outra língua numa escola de periferia seria algo inalcançável.

Já a história, eu sabia que me daria a possibilidade de ler o mundo. Desde pequeno, eu gostava também de histórias de famílias. Nas atividades de construção de árvores genealógicas, percebi com angústia que as árvores de outras crianças pretas chegavam à raiz muito rapidamente, nunca passando da terceira geração, assim como a minha, que parava na minha avó materna. Já as dos meus colegas brancos, com auxílio dos pais e recorrendo a documentos bem guardados, chegavam até a quinta geração. Onde estava a minha história?

Certa vez, ao tratar do tema da escravidão numa turma de 40 alunos em que mais da metade eram crianças negras, a professora afirmou que os africanos e seus descendentes precisavam ter sido escravizados para terem tido acesso à civilização, a uma religião e a uma língua, para deixarem de ser preguiçosos. Ou seja, a minha história e a de tantas outras crianças negras iniciava-se e terminava na escravidão: naquele momento, fiquei de mal com a história.

Conforme fui crescendo, a razão para essa narrativa violenta e cristalizada, que faz parte de uma ideologia de apagamento de uma história de luta, resistência e superações, ganhava sentido para mim. Percebi a condição em que a maior parte da população negra se encontrava, pois as desigualdades sociais já eram muito evidentes e, muitas vezes, se confundiam com o viés racial.

Foi no período em que precisei entrar no mercado de trabalho como técnico em eletrônica e ajudar na renda familiar, que percebi que a minha realidade não mudaria, se eu não fizesse um curso de graduação. Ingressei no pré-vestibular para Negros e Carentes, movimento social em prol da educação, que tinha como meta preparar alunos negros e periféricos para ingressar em universidades de qualidade. Para além disso, o movimento nos tornava cidadãos conscientes de nosso lugar na sociedade e apresentava as nossas identidades negras e periféricas de forma positiva, como nenhuma escola em que passei havia sido capaz de fazer. Foi um professor desse cursinho, matemático e filósofo, que me fez retomar as pazes com a História e que me convenceu da importância de enxergá-la com outras lentes.

O PVNC foi a organização que mudou a minha vida e a de tantos outros jovens nos anos 2000. Além de voltar a ela para dar aulas nos núcleos, aos fins de semana, íamos espalhando cursinhos pela cidade do Rio de Janeiro e em seu entorno, pois nossa crença na educação se conectava com a mobilidade social. Por meio dela, poderíamos buscar resolver a atrofia dos músculos de nossos corredores.

Um ano após o meu ingresso na Universidade Federal do Rio de Janeiro, teve início um amplo debate sobre ações afirmativas nas universidades, com reserva de vagas para estudantes negros. Criavam-se, assim, políticas públicas que tinham como objetivo equilibrar desigualdades históricas que foram estabelecidas pelo passado escravocrata, pelos privilégios e pelo racismo estrutural. Teríamos uma onda de ampliação de direitos no país.

Passados quase vinte anos, assistimos um movimento de escolas básicas privadas que passaram a endossar a inclusão, ao reservar vagas para alunos negros. Vivenciar essa nova realidade me faz ver o quanto a diversidade é enriquecedora para o ambiente escolar. Aquela ideia que tinha quando menino, de poder conversar em outra língua com pessoas de outras partes do mundo, hoje tornou-se possível com alguns de meus alunos.

Mas percebo que a eficácia dessas ações antirracistas depende também de se alterar a postura dos docentes, e o próprio currículo, para que os jovens negros sejam acolhidos sem hostilidades e sejam verdadeiramente valorizados. Ou seja, a gestão e toda a comunidade escolar precisam estar sensibilizadas para o letramento racial. 

As soluções aos problemas do racismo vão além da denúncia por quem as sofre.  Elas incluem o engajamento e ação cotidiana de pessoas brancas que assumam para si posturas antirracistas. Indico aqui a leitura do Pequeno Manual Antirracista de Djamila Ribeiro, um bom início para quem não tem familiaridade com o tema.

Hoje, graças à luta incansável de Zumbi dos Palmares, Dandara, Lélia Gonzalez, Beatriz Nascimento, Luís Gama, André Rebouças, Antonieta de Barros e Abdias do Nascimento, pessoas negras que dedicaram parte de suas vidas à equidade social, podemos começar a vislumbrar uma corrida em que os jovens negros das futuras gerações entrem em igualdade de condições com os demais. Mas ainda há muito a ser feito.  

*Fernando Shayer é cofundador e CEO da Cloe, plataforma de aprendizagem ativa e Leonardo Bento é professor da Camino School

Últimas Notícias

Ver mais
STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física
Brasil

STF proíbe abordagem policial com base em raça, sexo, orientação sexual ou aparência física

Há um dia

"Papel das empresas no combate à fome é fundamental", diz diretora do Pacto contra Fome
seloNegócios

"Papel das empresas no combate à fome é fundamental", diz diretora do Pacto contra Fome

Há 2 dias

Na Brazil Conference, denúncia de racismo acende debate sobre representatividade
Exame IN

Na Brazil Conference, denúncia de racismo acende debate sobre representatividade

Há 5 dias

Sicredi destina R$ 51 bilhões para a economia verde em 2023
ESG

Sicredi destina R$ 51 bilhões para a economia verde em 2023

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais