Bússola
Um conteúdo Bússola

80% dos desenvolvedores querem trabalho remoto quatro dias por semana

Levantamento da Gama Academy e da Skillsearch mostram que profissionais privilegiam flexibilidade no ambiente corporativo

Semana de quatro dias ainda oferece desafios para o empregador (Freepik/Reprodução)

Semana de quatro dias ainda oferece desafios para o empregador (Freepik/Reprodução)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 3 de julho de 2023 às 19h00.

Última atualização em 3 de julho de 2023 às 19h07.

As discussões sobre a semana de quatro dias têm ganhado espaço no ambiente corporativo. Por meio de uma iniciativa da organização 4 Day Week, em parceria com a brasileira Reconnect Happiness at Work, o Brasil participará dos testes desse novo modelo de trabalho. E o setor de tecnologia está atento a essas iniciativas. Uma pesquisa realizada pela empresa de recrutamento Skillsearch, voltada para o segmento de jogos, constatou que 80% dos devs querem a semana de quatro dias. 

A flexibilidade no setor tecnológico não é nenhuma novidade. Uma pesquisa realizada pela Gama Academy constatou que 75% dos devs desejam atuar no modelo remoto. Essa descoberta reforça a importância da combinação entre a flexibilidade do modelo remoto e a semana de quatro dias para o setor dos desenvolvedores.

“O Brasil nunca teve uma cultura forte relacionada a um modelo de trabalho mais flexível em que os colaboradores pudessem escolher quais dias da semana ir ao escritório ou mesmo a uma carga horária menor. Todavia, nos últimos anos, esse cenário mudou bastante. E é na área de tecnologia que temos percebido as maiores transformações em relação ao trabalho remoto e flexibilidade”, diz Guilherme Junqueira, CEO da Gama Academy. “É interessante ver o Brasil ser palco de um experimento com esse. É perfeitamente possível unir flexibilidade e produtividade no ambiente corporativo, e o setor de tecnologia tem dado bons exemplos neste sentido”, prossegue. 

Quem ganha com a semana de quatro dias?

Com essa nova abordagem, são muitos os benefícios para os colaboradores – que impactam diretamente o ambiente de trabalho, como o melhor gerenciamento de tempo na execução das demandas diárias, organização e priorização das atividades mais importantes devido à menor disponibilidade de horas. "Junto a uma menor jornada de trabalho, essa modalidade oferece mais tempo para que os colaboradores possam dedicar à sua vida pessoal, resultando em maior motivação na realização das demandas", afirma Junqueira. 

“É preciso destacar ainda que empresas que não adotarem um modelo mais flexível podem enfrentar um processo de turnover bem maior e constante, o que, evidentemente, além de dificultar a retenção de talentos, pode diminuir o engajamento, a motivação e a produtividade das equipes”, declara. 

Apesar dos benefícios, é importante reconhecer também que a semana de trabalho de quatro dias apresenta alguns desafios no dia a dia, sobretudo para atividades mais operacionais. Nesse sentido, “as empresas precisam encontrar maneiras mais eficazes de redistribuir as demandas, garantindo que os projetos sejam concluídos de forma satisfatória e eficaz”, conclui Junqueira. 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Netflix dos RHs: startup oferece vasto catálogo de cursos complementares

Por que os planos de gerenciamento de mudanças falham?

Benefícios: 3 a cada 10 empresas consultam colaboradores na hora de escolher um fornecedor

Acompanhe tudo sobre:Tecnologia da informaçãoflexibilidade-no-trabalhoInovaçãoGestão de pessoas

Mais de Bússola

Quem é a empresária que já cresce mais de 100% ao ano promovendo networking entre C-Levels?

Helbor é primeira incorporadora pura a conquistar selo Empreendedor AQUA

Como usar seu Imposto de Renda para ajudar o Rio Grande do Sul, crianças e idosos

Bia Félix: por que a geração Z está obcecada com o passado?

Mais na Exame