Acompanhe:

STF rejeita quebra de sigilos de Elcio, mas mantém para Pazuello e Ernesto

O ministro Nunes Marques atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União e rejeitou abrir os sigilos de Elcio Franco, ex-número 2 da pasta da Saúde, e considerou que não havia indícios para sustentar o pedido

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Elcio Franco Filho, na CPI da Covid (Marcos Oliveira/Agência Senado)

Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, coronel Elcio Franco Filho, na CPI da Covid (Marcos Oliveira/Agência Senado)

R
Reuters

Publicado em 15 de junho de 2021 às, 07h48.

Última atualização em 15 de junho de 2021 às, 08h05.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu rejeitar as quebras de sigilo telefônico e telemático do ex-secretário Executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco aprovado pela CPI da Covid do Senado ao mesmo tempo em que manteve essas determinações para os ex-ministros Eduardo Pazuello, da Saúde, e Ernesto Araújo, das Relações Exteriores, em decisões separadas tomadas por ministros da corte.

A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades.  Aprenda a investir com a EXAME Academy

Em decisão divulgada na noite de segunda, o ministro Nunes Marques atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União e rejeitou abrir os sigilos de Elcio Franco, ex-número 2 da pasta da Saúde, e considerou que não havia indícios para sustentarem o pedido.

Franco, que já depôs à CPI, foi o principal negociador destacado por Pazuello para tratar da compra de vacinas contra Covid com os laboratórios.

"É precipitada e sem base jurídica a quebra ampla de sigilo de comunicação com base na ilação preliminar, sustentada em depoimentos opinativos e em notícias de jornal, que supõe a ocorrência de crime omissivo doloso num contexto fático altamente complexo, em que os decisores estavam sob imensa pressão, e presumivelmente tentavam, da melhor forma, num cenário de grandes incertezas, buscar saídas para a maior crise sanitária dos últimos cem anos", disse Nunes Marques.

Em outra decisão, o ministro do STF também barrou o afastamento dos sigilos do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do ministério, Helio Angotti Netto, outro alvo da CPI.

OUTRAS DECISÕES

Mais cedo, o ministro Luís Roberto Barroso tinha impedido que os senadores da CPI tivessem acesso aos dados de Flávio Werneck, ex-assessor de Relações Internacionais do Ministério Saúde na gestão de Pazuello, e de Camile Giaretta Sachetti, que foi diretora do departamento de Ciência e Tecnologia da pasta.

Na decisão, o ministro do STF justificou a rejeição do pedido por considerar que não estava "adequadamente fundamentado".

"Em primeiro lugar, o requerente não imputa nenhuma conduta ilícita, ou mesmo suspeita de ser ilícita, aos impetrantes. Em lugar disso, se limita a descrever as atribuições dos cargos por eles ocupados, com o objetivo de demonstrar que suas funções tinham relevância no esforço de enfrentamento à pandemia", escreveu ele.

Por outro lado, os ministros Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes decidiram manter as ordens de quebra de sigilo de Eduardo Pazuello, Ernesto Araújo e de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação em Saúde do Ministério da Saúde, conhecida como "capitã cloroquina".7

Os três já depuseram à CPI e, conforme senadores de oposição ao governo, revelaram contradições com a atuação do governo no enfrentamento à pandemia. Na semana passada, a comissão quebrou sigilos de cerca de 20 pessoas.

Entenda como os julgamentos do STF afetam seus investimentos. Assine a EXAME.

Últimas Notícias

Ver mais
Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas
Brasil

Uber pede ao STF suspensão de processos que tratam de vínculo com motoristas

Há 9 horas

Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado
Brasil

Zema, Leite e Ratinho Jr. apoiam proposta pelo fim da reeleição discutida no Senado

Há 2 dias

Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março
Brasil

Revisão da vida toda do INSS: julgamento de recurso no STF é marcado para 20 de março

Há 3 dias

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação
Brasil

Descriminalização do porte de drogas para uso pessoal volta à pauta do STF; entenda a ação

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais