Brasil

STF anula decreto que desapropria prédio da Manguinhos

O decreto do Rio havia declarado de utilidade pública e interesse social o prédio na Avenida Brasil onde a Refinaria de Manguinhos exerce atividades

Manguinhos: Mendes atendeu a pedido do fundo de investimento Perimeter  (Divulgação)

Manguinhos: Mendes atendeu a pedido do fundo de investimento Perimeter  (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de junho de 2014 às 19h07.

Última atualização em 17 de dezembro de 2018 às 18h33.

Brasília - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou um decreto do Rio de Janeiro que havia declarado de utilidade pública e interesse social o prédio na Avenida Brasil onde a Refinaria de Manguinhos exerce atividades.

Gilmar Mendes atendeu a um pedido do fundo de investimento Perimeter Administração de Recurso, que é um dos acionistas da refinaria. O fundo argumentou que o imóvel é de propriedade da União, com domínio útil pertencente à refinaria.

"O decreto expropriatório, ao contrário do que afirma o Estado do Rio de Janeiro em sua contestação, abrange não apenas o domínio útil do terreno, como também a propriedade do terreno", afirmou o ministro no despacho.

"Não há como conferir validade jurídica ao ato expropriatório, ante a impossibilidade de desapropriação, por Estado Membro, de bem integrante do patrimônio da União", completou.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasMetrópoles globaisRefit – Refinaria de ManguinhosRio de JaneiroSupremo Tribunal Federal (STF)

Mais de Brasil

Boulos sela aliança com PMB, partido pelo qual ex-ministro de Bolsonaro queria sair candidato em SP

Chuvas no RS: Guaíba deve levar 12 dias para ficar abaixo da cota de inundação

Casos de leptospirose explodem no RS e aumentam em 65,5% nas últimas 24h

Lula critica pagamento de dívida por países pobres e defende mais investimentos em saúde e educação

Mais na Exame