Brasil

Sem citar Musk, Lula diz que há 'bilionário fazendo foguete' que terá de 'aprender a viver aqui'

Presidente afirmou que bilionários terão de usar 'muito do dinheiro dele para ajudar a preservar [o meio ambiente] e melhorar a vida das pessoas'

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Lula: governo atual enfrenta muitos desafios em diversos setores (Ricardo Stuckert / PR/ Flickr/Divulgação)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 9 de abril de 2024 às 14h50.

Última atualização em 9 de abril de 2024 às 15h07.

Sem citar o bilionário Elon Musk, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira que tem "bilionário fazendo foguete" para buscar locais habitáveis fora do planeta Terra, mas que ele vai ter de "aprender a viver aqui" e "usar muito do dinheiro dele para ajudar a preservar [o meio ambiente] e melhorar a vida das pessoas".

"Tem até bilionário tentando fazer foguete, tentando fazer viagem para ver se encontra espaço lá fora, não tem. Ele vai ter de aprender a viver aqui, ele vai ter de usar muito do dinheiro que ele tem para ajudar a preservar isso aqui.

Antes, Lula citou o caso de um "companheiro" que não acreditava que o homem foi à Lua e relacionou com pessoas que até hoje não acreditam que o desmatamento prejudica o planeta Terra.

"Tem gente que não acredita que os desmatamentos e as queimadas prejudicam o planeta Terra. E muita gente não leva a sério o que significa a manutenção das florestas para a manutenção da qualidade de vida nessa enorme casa que é a Terra. E daqui não podemos fugir", afirmou Lula.

Em 2021, bilionários entraram em uma corrida espacial para levar pessoas à órbita da Terra por pelo menos três dias. Entre eles, estava Elon Musk, dono da Space X, que construiu um dos foguetes mais potentes, o Starship.

Musk está no centro de um embate com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, a quem tem atacado através da sua rede social X, antigo Twitter. Na madrugada desta terça-feira, o bilionário chamou o magistrado de "ditador brutal", o acusou de interferir na última eleição presidencial brasileira e disse que o ministro tem o presidente Lula "na coleira". O empresário ainda afirmou que vai tirar funcionários da rede social do Brasil.

O bilionário sul-africano já havia dito que iria desrespeitar as determinações da Corte brasileira que pedia a suspensão de contas na rede social e requeria informações sobre usuários. Moraes é relator de inquéritos que apuram a circulação de fake news e de ataques a urnas eletrônicas e ao sistema democrático do país em plataformas digitais, como o X.

Desenvolvimento da Amazônia

O presidente deu as declarações durante o lançamento de um programa para destinar R$ 730 milhões para o desenvolvimento sustentável da Amazônia e o combate ao desmatamento e incêndios florestais. O governo vai destinar ainda R$ 600 milhões do Fundo Amazônia e R$ 130 milhões do Floresta+.

O programa é uma parceria com os estados, responsáveis, segundo o governo, por 78% do desmatamento em 2022. Até o momento, 53 das 70 cidades já aderiram ao programa.

De acordo com o Palácio do Planalto, quando maior a redução anual do desmatamento e da degradação, maior será o valor investido. O governo vai monitorar os idices através do Prodes, do Inpe, que calcula a taxa anual de desmatamento de agosto a julho do ano seguinte.

As cidades que aderirem ao programa serão priorizadas em ações de apoio à regularização ambiental e fundiária, recuperação da vegetação nativo, além de outros pontos de atuação. Ao assinarem o termo de compomisso, elas receberão R$ 500 mil.

Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da Silvaelon-muskAlexandre de MoraesSupremo Tribunal Federal (STF)Governo Lula

Mais de Brasil

Onda de frio aumenta risco de geadas no RS, e temperaturas devem diminuir ainda mais; veja previsão

Enchentes no RS: sobe para 165 o número de mortos e 64 pessoas seguem desaparecidas

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Mais na Exame