Brasil

Queda na receita e tragédia em Brumadinho prejudicam finanças do Inhotim

Entre janeiro e agosto de 2019, o total de visitantes foi de 174.938; o fluxo anual considerado normal é de 350 mil visitantes

Inhotim: a julgar pelos números, o cenário é dramático (Paulo Fridman / Colaborador/Getty Images)

Inhotim: a julgar pelos números, o cenário é dramático (Paulo Fridman / Colaborador/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 1 de outubro de 2019 às 07h46.

Última atualização em 1 de outubro de 2019 às 07h47.

As obras de artistas brasileiros e estrangeiros esparramadas pelos 140 hectares de jardins coloridos e lagos exuberantes do Inhotim já não são mais tão vistas. O maior centro de arte contemporânea a céu aberto do Brasil, e um dos mais importantes do mundo, registra hoje o que pode ser o pior momento financeiro de sua história, com queda nas receitas de ingressos e de contratos de projetos e convênios.

A julgar pelos números, o cenário é dramático. A tal ponto que a empresa de auditoria Ernest & Young, responsável pela realização do balanço financeiro do Inhotim, alerta para a possibilidade de fechamento do museu.

Todos os indicadores que apontam para o quadro preocupante das finanças do centro, localizado em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte, são referentes a 2018 e anos anteriores, portanto, não refletem o impacto do rompimento da barragem da Vale no município, em 25 de janeiro de 2019.

Isso torna o futuro do museu ainda mais nebuloso. Em relatório enviado aos administradores e conselheiros do Inhotim em 8 de julho, a E&Y afirma que o rompimento da barragem da Vale "afetou e tem afetado diretamente o Instituto Inhotim". Entre janeiro e agosto de 2019, já computadas, portanto, as férias de janeiro e julho, o total de visitantes foi de 174.938. O fluxo anual considerado normal é de 350 mil visitantes.

Em outro relatório, de 30 de julho do ano passado, elaborado com base no balanço de 2017, a empresa de auditoria, em tópico chamado de "Incerteza relevante relacionada com a continuidade operacional", abordou pela primeira vez a possibilidade de fechamento do Inhotim.

O texto diz: "Chamamos a atenção para as demonstrações contábeis, que indicam as ações tomadas pelo instituto diante da redução das doações recebidas no ano. Essas condições indicam a existência de incerteza significativa que pode levantar dúvida significativa (sic) quanto à capacidade de continuidade operacional do instituto".

O presidente do Conselho de Administração do Inhotim, Ricardo Gazel, afirma que a nota "é praxe", colocada quando ocorre mudança maior em algum fluxo de receita. O executivo confirma quedas nas receitas do instituto, influenciadas pelo surto de febre amarela no final de 2017 e em 2018, pela crise econômica e pelo rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, mas nega que o Inhotim vá fechar.

A E&Y diz ainda que as "demonstrações contábeis foram preparadas no pressuposto de continuidade normal dos negócios do instituto, e não incluem quaisquer ajustes que seriam requeridos no caso de eventual paralisação e/ou descontinuação de suas atividades. Nossa opinião não contém ressalva relacionada a esse assunto", finaliza a Ernest & Young. Em 2017, o Inhotim registrou doações de R$ 8,3 milhões, menos da metade do ano anterior: R$ 17,2 milhões.

A mesma nota de alerta foi colocada no relatório da Ernest & Young enviado ao comando do Inhotim em 8 de julho, relativo ao balanço de 2018. O alerta permaneceu, mesmo depois de as doações naquele ano, terem atingido R$ 11,1 milhões - R$ 2,8 milhões a mais que em 2017. Por outro lado, a receita com ingressos caiu no mesmo período de R$ 8 milhões para R$ 6,3 milhões. Nos patrocínios e convênios, também em 2018 ante 2017, a redução foi de R$ 16,3 milhões para R$ 10,5 milhões.

Colocados de lado os números de balanços, apontados sempre como tão frios, passemos aos que não precisam de análises profundas para ser interpretados. Na rodoviária da capital, o ônibus que parte para o museu saiu, na sexta, 20, com 10 passageiros. No sábado, 19. E, no domingo, 13. Um homem, frequentador das plataformas de embarque da rodoviária de Belo Horizonte, comentou: "O dia que mais enche é quarta. Às vezes, saem dois ônibus". Às quartas, a entrada no Inhotim é grátis. O veículo tem capacidade para 42 passageiros.

Acompanhe tudo sobre:Brumadinho (MG)

Mais de Brasil

Governo federal libera mais R$ 1,8 bilhão para ações de apoio ao RS

Prefeitura de Porto Alegre fecha comportas do Cais Mauá para barrar água do Guaíba

PT concorda com revisão de benefícios fiscais, mas critica Tarcísio por aumento para 2025

Onda de frio: temperatura terá queda brusca no Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Norte a partir de sexta

Mais na Exame