Brasil

Posse de Lula é capa do "New York Times"; veja a repercussão internacional

Na matéria, o jornal diz ainda que "a ascensão de sr. Lula à Presidência marca um impressionante retorno político"

O "The Washington Post" também ressaltou a ausência de Jair Bolsonaro na cerimônia (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O "The Washington Post" também ressaltou a ausência de Jair Bolsonaro na cerimônia (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de janeiro de 2023 às 15h30.

Última atualização em 2 de janeiro de 2023 às 15h44.

Os principais veículos da imprensa internacional repercutiram a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que ocorreu neste domingo, 1º, em Brasília. O retorno do petista ao Palácio do Planalto estampou as capas de dois dos maiores jornais do mundo: The New York Times, dos Estados Unidos, e The Guardian, do Reino Unido.

A capa do principal jornal americano deu destaque à imagem de Lula subindo a rampa do Planalto acompanhado de representantes da sociedade civil, com militantes de vermelho ao fundo, "Brasil instala Lula como líder; o perdedor está ausente" diz o The New York Times, referindo-se ao fato de o ex-presidente Jair Bolsonaro, derrotado nas eleições, ter viajado para a Flórida dias antes da posse de seu sucessor.

Na matéria, o jornal diz ainda que "a ascensão de sr. Lula à Presidência marca um impressionante retorno político". Recentemente, o veículo abriu uma exceção em seu padrão editorial e deixou de se referir ao petista como "Mr. Da Silva", como é tradição do jornal.

O The Washington Post também ressaltou a ausência de Jair Bolsonaro na cerimônia e o comparou a Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos.

"Conforme Lula tomou posse, um personagem-chave estava ausente. Bolsonaro voou para a Flórida na sexta-feira e evitou a tradicional entrega da faixa presidencial para seu sucessor, uma reafirmação simbólica da jovem democracia brasileira. O ex-presidente mais uma vez pareceu seguir o roteiro de seu aliado próximo, Donald Trump, que também não compareceu à posse de Joe Biden em 2020", diz a notícia.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

O The Guardian deu destaque ao momento em que Lula chorou durante seu discurso no Parlatório. O jornal deu o título "Emocionado, Lula diz ao Brasil que 'é hora de reatar laços'" à matéria sobre a posse. Na capa, a manchete escolhida foi "Lula promete dar fim à era de 'devastação' no Brasil".

"Luiz Inácio Lula da Silva chorou ao falar após receber a faixa presidencial brasileira. Lula fez um apelo para 'se reconectar com amigos e familiares' após discursar de forma contundente contra Jair Bolsonaro e prometer uma mudança drástica de rumo para resgatar um país atormentado pela pobreza", diz o texto.

O francês Le Monde classificou a volta do petista à Presidência como uma "exepcional volta por cima'". O jornal relembrou a condenação de Lula em decorrência da Operação Lava-Jato. "Lula conheceu a prisão há somente quatro anos após ser acusado de corrupção", contextualizou o veículo.

O Clarín, da Argentina, destacou o "extraordinário" esquema de segurança montado para impedir ataques contra o presidente. "O ato se realizou com um extraordinário escudo de segurança devido à atividade de grupos ultradireitistas", disse o jornal, lembrando os acampamentos de bolsonaristas em Brasília. Ainda segundo o veículo argentino, a posse "foi marcada pelo tom dos discursos de Lula no Congresso e na sede presidencial".

O jornal também colocou Lula na capa, ressaltando a ausência de Nicolás Maduro, que havia recebido permissão para ir à posse em Brasília, mas desistiu de comparecer.

Tudo sobre a posse presidencial
Acompanhe tudo sobre:Luiz Inácio Lula da SilvaNew York TimesWashington Post

Mais de Brasil

Governo do RS vai pagar R$ 2.500 para afetados pelas enchentes; saiba como vai funcionar

Censo 2022: taxa de analfabetismo entre pretos e pardos é mais que o dobro do que entre brancos

Censo 2022: pessoas com 65 anos ou mais têm a maior taxa de analfabetismo

Censo 2022: taxa de analfabetismo no Nordeste é o dobro da média do Brasil; veja ranking

Mais na Exame