Brasil

Morre ex-ministro Francisco Dornelles, aos 88 anos, de problemas cardíacos

Político foi vice-governador do Rio, senador, deputado e ministro no governo de Fernando Henrique Cardoso

Política: Dornelles era sobrinho de Tancredo Neves (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Política: Dornelles era sobrinho de Tancredo Neves (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 23 de agosto de 2023 às 17h55.

O presidente de honra do PP Francisco Dornelles morreu nesta quarta-feira, 23, aos 88 anos, no Rio de Janeiro. Ele estava internado com problemas cardíacos.

Dornelles foi vice-governador do Rio, senador, deputado e ministro. No governo de José Sarney, esteve à frente do Ministério da Fazenda. Ele também ocupou as pastas de Indústria, Comércio e Turismo e a do Trabalho e Emprego nas gestões de Fernando Henrique Cardoso.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

"O Progressistas está em luto. Com profunda dor e tristeza, informamos o falecimento do nosso presidente de honra, Francisco Dornelles. Grande homem público, defensor da democracia e do diálogo em todos os momentos, nos deixa um legado de ética, responsabilidade, humildade e dedicação ao Brasil", diz nota divulgada pelo PP, partido do presidente da Câmara, Arthur Lira.

"Com um imenso vazio na política brasileira e no coração de cada filiado, o Progressistas apresenta sentidas condolências à família. Francisco Dornelles, que tanto nos ensinou com suas ações registradas em uma honrada e ilibada biografia, por seus incansáveis serviços ao país e ao Rio de Janeiro, passa hoje da vida à imortalidade. Deus o acompanhe, eterno presidente!"

Dornelles nasceu em Belo Horizonte numa família de políticos. Era sobrinho de Tancredo Neves. Seu pai era primo de Getúlio Vargas e o tio, Ernesto Dornelles, foi governador do Rio Grande do Sul, além de ministro e senador.

Conhecido pelo pragmatismo e gentileza, tinha bom trânsito da direita à esquerda, embora tenha recebido ruidosas críticas do PT quando assumiu o Ministério do Trabalho no segundo governo de Fernando Henrique. Antes, em 1979, assumiu o comando da Receita Federal e lá se manteve até o fim do regime militar.

Em 2014 foi eleito vice-governador do Rio na chapa de Luiz Fernando Pezão. Assumiu o comando do Estado quando Pezão precisou se licenciar do cargo para tratar de um câncer, em 2016. Retomou a chefia do Executivo fluminense em novembro de 2018, após a prisão de Pezão na Operação Lava Jato.

Acompanhe tudo sobre:Fernando Henrique Cardoso

Mais de Brasil

Anvisa proíbe uso e comercialização de produtos à base de fenol

Nunes tem 28,5% e Boulos, 25,9%; Marçal sobe 5 pontos e empata com Tabata e Datena, diz Paraná

Passageiros causaram ao menos duas confusões por dia em voos, em 2023; Anac propõe punição

Passaporte de graça: veja quem não paga a taxa para tirar o documento

Mais na Exame