Brasil

Chuvas no RS: Lula garante recursos ao estado e anuncia lançamento de PAC voltado para encostas

Presidente reforçou que a prioridade é o resgate dos moradores das regiões afetadas pelas chuvas

Lula e o governador Eduardo Leite em Santa Maria, no Rio Grande do Sul (Redes Sociais/Reprodução)

Lula e o governador Eduardo Leite em Santa Maria, no Rio Grande do Sul (Redes Sociais/Reprodução)

Publicado em 2 de maio de 2024 às 14h46.

Última atualização em 2 de maio de 2024 às 14h58.

Tudo sobreRio Grande do Sul
Saiba mais

Após uma reunião com o governador Eduardo Leite e uma equipe de ministros de Estado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não faltará recurso para atender às necessidades do estado e determinou a instalação de uma base do governo federal para centralização das informações e coordenação das ações. Lula está em Santa Maria, município com maior número de mortes até o momento. Estava previsto um sobrevoo nas áreas afetadas, cancelado pelo mau tempo.

"Não faltará ajuda para cuidar da saúde, do transporte, dos alimentos, tudo que tiver no alcance do governo federal, seja através dos ministérios, da sociedade civil, militares, vamos dedicar 24h de esforço para atender às necessidades básicas do povo isolado por causa da chuva".

Lula ainda afirmou que o governo está focado no resgate de pessoas, mas garantiu que haverá dinheiro para a reconstrução da cidade.

"No primeiro momento temos de salvar vidas, cuidar das pessoas, no segundo momento tem de fazer avaliação dos danos e pensar como encontrar dinheiro para reparar os danos".

Lula ainda afirmou que como "ser humano" vai rezar para o fim das chuvas e segurança das pessoas.

"Como ser humano eu vou rezar e rezar muito para que a chuva possa parar, para que as pessoas possam voltar para suas casas, para que as pessoas possam se reencontrar e viver a sua vida tranquilamente em harmonia com a família. Como governante eu vou fazer o que estiver ao alcance do governo federal e instituições para que a gente possa dar ao Rio Grande do Sul tranquilidade para que possa viver com muito respeito cuidando da família".

Ao final da reunião, Lula afirmou que espera fazer uma reunião com todos os prefeitos para levantar o prejuízo de cada cidade.

"O ministro da Cidade, depois que tiver o levantamento, espero que haja uma reunião, que pode ser em Porto Alegre, com todos os prefeitos atingidos para saber o prejuízo de cada cidade. Saber quantas casas terão de ser feitas e que a gente tome cuidado para que as casas não sejam feitas no mesmo lugar.

Após o encontro, o governador Eduardo Leite afirmou que a reunião foi muito proveitosa, e que governo federal e estadual estão alinhados no resgate à população. Leite ainda afirmou que esse já é o pior desastre climático do estado.

"A nossa reunião foi muito proveitosa no sentido de colocar toda velocidade, todo foco de forma equilibrada, tudo o que precisamos fazer para dar respostas com equipamento, efetivos, com foco no resgate das pessoas", afirmou, completando: "Nesse momento, o foco absoluto, total, é no resgate das pessoas, salvar vidas, estamos alinhados nisso".

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou que a sala de situação para acompanhar as ações do governo federal será instalada ainda hoje. Até o momento, o governo tem 626 profissionais das Forças Armadas atuando no local, além de 45 viaturas, 12 embarcações e botes de resgate da Marinha e do Exército e cinco aeronaves.

"Hoje ao chegar em Brasília vamos instalar a sala de situação que coordenará todas as ações de todos os ministérios", afirmou Rui Costa.

Mais cedo, Leite afirmou que é preciso uma "articulação para a mais absoluta perfeita sintonia" entre as Forças Armadas e o estado para o resgate de pessoas, e que não é o momento para "sobrevoos simplesmente".

"Estamos indo para Santa Maria encontrar o presidente Lula, que está chegando ao Rio Grande do Sul. Mais do que ser um momento para sobrevoo simplesmente, e é isso que estamos trabalhando, [é um momento] de articulação para mais absoluta perfeita sintonia possível entre as Forças Armadas e o estado do Rio Grande do Sul para fazer o resgate das pessoas. Esse é o nosso foco nesse momento e a gente precisa colocar foça total. Nesse momento as aeronaves do Exército que deveriam chegar ontem, ainda não conseguiram chegar ao Rio Grande do Sul, mas já chegou a aeronave de São Paulo".

Lula está acompanhado pela primeira-dama, Janja Lula da Silva, e por seis ministros, além do comandante do Exército, general Tomás.

PAC voltado para encostas

O presidente anunciou que, na próxima quarta-feira, 8, o governo lançará uma modalidade do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) voltada para as obras em encostas, que evitem desmoronamentos e outros desastres do tipo.

O governador do estado disse que o caso já se trata do "pior desastre climático" do Rio Grande do Sul. "A chuva ainda é torrencial, diferente do que aconteceu no ano passado", disse o gestor estadual.

Na declaração, Leite agradeceu a ida do presidente e pediu a "mobilização de todos". O governador reiterou que não faltarão recursos dos governos federal nem estadual para atender a população.

De acordo com a Defesa Civil do Rio Grande do Sul, até às 6 horas desta quinta-feira, foram registrados 132 municípios atingidos pelas fortes chuvas. Além disso, foram apontados 13 óbitos, 21 desaparecidos e 5.321 pessoas desalojadas.

(Com informações de O Globo e Estadão Conteúdo)

Acompanhe tudo sobre:Rio Grande do SulChuvasMudanças climáticasLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Em Porto Alegre, Defesa Civil alerta para risco de novos temporais com ‘ventos intensos’ e granizo

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Mais na Exame