Brasil

Justiça do Rio diminui pena de Flordelis em 28 dias; pastora vai cumprir 50 anos de prisão

Desembargadores decidem, após apelações, que pastora não terá um novo júri; defesa vai recorrer ao STJ

Caso Flordelis: pastora é acusada da morte do marido (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Caso Flordelis: pastora é acusada da morte do marido (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 15h53.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 16h04.

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) diminuiu 28 dias da pena da pastora Flordelis dos Santos de Souza. Agora, ela cumprirá 50 anos de prisão.

Como antecipado pela coluna True Crime, desembargadores do TJ decidiram, após apelações, que ela não terá um novo júri. A defesa da ex-deputada, porém, afirma que recorrerá ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a nulidade da condenação. Flordelis foi condenada em novembro de 2022 por ordenar o assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo.

A Justiça também determinou que Rayane dos Santos Oliveira (neta de Flordelis e filha adotiva de Simone ); Marzy Teixeira (filha afetiva da pastora); e André Luiz de Oliveira (também filho afetivo da ex-deputada, marido de Simone e pai de Rayane), inocentados no julgamento de 2022, passem por um novo julgamento.

Segundo Rodrigo Faucz, advogado da família, a absolvição dos três foi legítima. Em nota, disse que “não ocorreu qualquer nulidade, sendo que a absolvição se deu pela apresentação de provas irrefutáveis da inocência dos três” e que a anulação do processo “deverá ser revista pelas cortes superiores”. Marzy e André respondiam por homicídio, tentativas de homicídio e associação criminosa armada. Rayane era acusada de homicídio e associação criminosa armada.

Também condenada, Simone dos Santos Rodrigues — filha biológica de Flordelis — recebeu pena de 31 anos e 4 meses de prisão pelos crimes de homicídio, tentativa de homicídio e associação criminosa armada. Ela não teve alteração em sua pena nem passará por novo júri.

Nulidade no julgamento

Os advogados da pastora solicitaram um novo julgamento, alegando nulidades no primeiro, como a apresentação de provas de última hora, às quais a defesa não teve acesso. Eles também argumentaram que o assistente de acusação de Anderson do Carmo mencionou, em plenário, o direito do réu de permanecer em silêncio, o que é proibido pelas regras do tribunal do júri.

Acompanhe tudo sobre:CrimePrisõesAssassinatos

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame