Brasil

Governo abre mais duas ações no STF contra leis estaduais sobre armas

Legislações questionadas são do Paraná e Rio Grande do Sul

Sede da Advocacia-Geral da União (AGU), em Brasília (DF) (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Sede da Advocacia-Geral da União (AGU), em Brasília (DF) (Rafa Neddermeyer/Agência Brasil)

Agência Brasil
Agência Brasil

Agência de notícias

Publicado em 11 de abril de 2024 às 13h52.

A Advocacia-Geral da União (AGU) ingressou nesta quinta-feira, 11, com mais duas ações contra leis estaduais que facilitam o porte de armas de fogo. Dessa vez, as leis questionadas são do Paraná e do Rio Grande do Sul.

As novas ações são assinadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo advogado-geral da União, Jorge Messias. Elas se somam a outras dez ações abertas em dezembro, quando o governo questionou leis do Mato Grosso do Sul, Sergipe, Paraná, de Alagoas, do Espírito Santo (três normas), de Minas Gerais, Roraima e do município de Muriaé (MG). Todas as normas foram aprovadas entre 2018 e 2023.

Em todas as ações, o argumento é o mesmo. A AGU alega que as leis são inconstitucionais por invadirem a competência exclusiva da União para propor leis sobre material bélico. Ou seja, para o órgão, a Constituição não autoriza que estados e municípios legislem sobre a concessão de porte de arma de fogo.

No Paraná, a lei questionada dá o direito ao porte de arma de fogo, inclusive fora do serviço, a servidores do Instituto de Criminalística e do Instituto Médico-Legal. No Rio Grande do Sul, a norma impugnada admitiu o direito ao porte de armas aos servidores do Instituto-Geral de Perícias, órgão da Secretaria de Segurança Pública do estado.

Na semana passada, o Supremo julgou duas primeiras ações sobre o tema, confirmando o entendimento defendido pela AGU. Por unanimidade, os ministros derrubaram uma lei do Paraná que facilitava o porte de armas de fogo para colecionadores, atiradores desportivos e caçadores (CACs). Numa segunda ação, foi derrubada, também por unanimidade, lei do Espírito Santo que facilitava o porte por segurança e vigilantes de empresas públicas e privadas.

Acompanhe tudo sobre:Advocacia-Geral da UniãoBrasíliaSupremo Tribunal Federal (STF)Governo LulaArmas

Mais de Brasil

Projeto que acaba com isenção de US$ 50 para compras internacionais pode ser votado nesta terça

Com aeroporto de Porto Alegre fechado, Base Aérea de Canoas vai receber voos comerciais; entenda

Como será o inverno de 2024 no Brasil? Estação deve ter dias de calor e até 3ºC acima da média

Vai ter greve do Metrô amanhã? Sindicato se reúne nesta terça para decidir sobre paralisação

Mais na Exame