A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Gilmar Mendes inclui na pauta desta terça recurso sobre suspeição de Moro

A inclusão do recurso na pauta ocorre um dia após o ministro Edson Fachin anular quatro condenações do ex-presidente Lula em processos da força-tarefa de Curitiba

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, incluiu na pauta desta terça-feira, 9, a análise do recurso sobre a suspeição do ex-juiz Sergio Moro em julgamentos da Lava Jato. A avaliação é dentro da segunda turma do STF, composta também pelos ministros Cármen Lúcia, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Nunes Marques.

A inclusão do recurso na pauta ocorre um dia após o ministro Edson Fachin anular quatro condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em processos da força-tarefa de Curitiba. Na decisão de Fachin, a vara do Paraná não tem competência para julgar os processos.

Com essa anulação, abriu-se um grande debate no meio jurídico se este processo, aberto pelos advogados de Lula, não perderia o objetivo, já que todas as decisões do ex-juiz foram consideradas nulas.

Na análise desta terça-feira, há a possibilidade de que Moro seja considerado parcial. Com isso, todas as provas colhidas contra o ex-presidente em processos da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba seriam anuladas.

Neste julgamento já votaram Cármen Lúcia e Fachin, contra a suspeição de Moro. Gilmar Mendes tinha feito um pedido de vistas, e agora vai apresentar seu voto. Ainda faltam votar os ministros Lewandowski e Nunes Marques.

STJ mantém investigação contra procuradores

Na esteira do parecer de Fachin, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) veio a público esclarecer que não pretende abrir mão do inquérito aberto por determinação do presidente da Corte, ministro Humberto Martins, para apurar se a força-tarefa de Curitiba tentou intimidar e investigar ilegalmente ministros do tribunal. A investigação vem sendo conduzida pelo próprio Martins em sigilo.

A investigação em questão foi aberta na sequência das novas mensagens hackeadas da força-tarefa, tornadas públicas depois que a defesa do ex-presidente Lula recebeu autorização do Supremo Tribunal Federal para acessar o acervo da Operação Spoofing, deflagrada em meados de 2019 contra o grupo responsável pelo ataque cibernético.

No final de fevereiro, procurador-geral da República, Augusto Aras, disse que pretende brigar judicialmente contra o inquérito. O chefe do Ministério Público Federal (MPF) classificou o movimento como "extremamente grave e preocupante" e adiantou que pode acionar até mesmo a Corte Interamericana de Direitos Humanos na tentativa de travar a investigação.

(Estadão Conteúdo)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também