Brasil

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso assina manifesto pela democracia

A carta já passou das 760 mil assinaturas e pode chegar a 1 milhão até o ato da Faculdade de Direito da USP, no dia 11 de agosto

O ex-presidente declarou nesta sexta-feira, 5, que decidiu romper o silêncio devido à "gravidade" do momento (Magdalena Gutierrez/iFHC/Divulgação)

O ex-presidente declarou nesta sexta-feira, 5, que decidiu romper o silêncio devido à "gravidade" do momento (Magdalena Gutierrez/iFHC/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 5 de agosto de 2022 às 17h51.

Última atualização em 5 de agosto de 2022 às 19h19.

A chamada carta pela democracia, manifesto organizado pela Faculdade de Direito da USP que já conta com mais de 760 mil assinaturas, recebeu apoio de mais um ex-presidente da República desta vez Fernando Henrique Cardoso, que comandou o País de 1995 até 2002.

O ex-presidente declarou nesta sexta-feira, 5, que decidiu romper o silêncio devido à "gravidade" do momento, e que a hora é de "união" em defesa da democracia.

"Como todos sabem, já há algum tempo, estou retirado da vida político-partidária", disse, em publicação divulgada em rede social da Fundação Fernando Henrique Cardoso. "Tomo a decisão, como cidadão, de assinar a Carta às Brasileiras e aos Brasileiros em Defesa do Estado Democrático de Direito. A democracia, causa da minha vida, está ameaçada."

A adesão à carta pelo ex-presidente foi intermediada por um dos signatários do manifesto, o presidente do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) e ex-presidente do Centro Acadêmico XI de Agosto, Dimas Ramalho, e pelo ex-governador de São Paulo e candidato a vice presidente Geraldo Alckmin (PSB), além de advogados ligados ao grupo Prerrogativas.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Antes de FHC, o manifesto também havia sido assinado pela ex-presidente Dilma Rousseff na quarta-feira, 3.

O texto é uma reação às investidas do presidente Jair Bolsonaro (PL) contra as urnas eletrônicas e o processo eleitoral brasileiro.

A expectativa é de que artistas populares que assinaram o manifesto também passem a engajar seus públicos, o que pode acelerar a marca de 1 milhão de assinaturas ainda antes do dia 11 de agosto, data em que será realizado ato na Faculdade de Direito da USP.

Já assinaram a carta os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT), Simone Tebet (MDB), André Janones (Avante) e Luiz Felipe d'Ávila (Novo). O ex-presidente Lula estuda assinar a carta em breve.

Já o ex-presidente Michel Temer (MDB) assinou manifesto similar divulgado pela Academia Paulista de Letras, da qual faz parte.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Após convenções, Lula fecha com oito partidos; Bolsonaro reúne três siglas

Eleições: Rodrigo Garcia (PSDB) oficializa candidatura em SP

O que Lula pensa sobre o teto de gastos? Ex-ministro de Dilma pode ter a resposta

Acompanhe tudo sobre:Ciro GomesDemocraciaDilma RousseffFernando Henrique CardosoJair BolsonaroLuiz Inácio Lula da SilvaSimone-TebetUSP

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame