Live icon 

ELEIÇÕES 2022:  

Lula e Bolsonaro vão disputar o segundo turno Veja agora.

Carta pela democracia supera 700 mil adesões

Após nove dias, o manifesto segue em alta e acumula milhares de assinantes
Carta pela democracia: manifesto ganha milhares de assinaturas diariamente. (Heuler Andrey/AFP/Getty Images)
Carta pela democracia: manifesto ganha milhares de assinaturas diariamente. (Heuler Andrey/AFP/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 03/08/2022 às 13:22.

Última atualização em 04/08/2022 às 06:30.

A carta pela democracia, organizada na Faculdade de Direito da USP, bateu a marca de 700 mil assinaturas nesta quarta-feira, 3, no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a atacar o manifesto.

Dessa vez, o presidente disse que quem assinou a "cartinha" não tomou posição nas restrições sanitárias impostas por governadores no auge da pandemia de covid-19. A declaração foi feita durante culto evangélico no auditório da Câmara dos Deputados, na manhã desta quarta-feira.

"Vocês todos sentiram um pouco do que é ditadura. E nenhum daqueles que assinam cartinha por aí se manifestaram naquele momento”, afirmou o presidente, que sempre criticou as medidas de contenção do coronavírus por seus impactos econômicos.

Repercussão

O documento em defesa dos tribunais superiores e da Justiça Eleitoral se antecipa aos atos de 7 de Setembro, que estão sendo organizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL).

No manifesto disponível para assinatura do público em geral estão petistas, tucanos, procuradores que trabalharam na Lava-Jato, o advogado que ajudava a campanha do ex-juiz Sergio Moro, ex-ministros de FHC, Lula, Dilma e Temer, empresários, economistas liberais, subprocuradores-gerais da República, membros do Ministério Público Federal, uma ex-assessora de Paulo Guedes e João Doria, a coordenadora de programa de Simone Tebet (MDB) e uma série de outras personalidades.

Além dessa carta, outro manifesto está sendo preparado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), intitulado "Em Defesa da Democracia e da Justiça", e faz parte de um dos atos organizados para ocorrer no dia 11 de agosto, na Faculdade de Direito da USP.

(Estadão Conteúdo)

LEIA TAMBÉM:

Carta pela democracia passa das 500 mil assinaturas em 4 dias

Lula discute com aliados possibilidade de assinar carta pró-democracia