Em reunião ministerial, Guedes defende agenda liberal. Entenda o debate

Em reunião marcada por baixarias, ministro da Economia defende privatização do Banco do Brasil e investimentos privados no pós-pandemia

Em meio a temas polêmicos e uma enxurrada de palavrões mostrados no vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, a participação do ministro Paulo Guedes, da Economia, expõe as convicções do economista liberal e a agenda que ele defende desde o início do governo de Jair Bolsonaro, como mostra reportagem de capa da nova edição de EXAME.

O material faz parte do inquérito da Polícia Federal que apura acusações do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, de que o presidente Jair Bolsonaro queria interferir politicamente na corporação, e foi liberado na sexta-feira, 22 de maio, pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello.

No vídeo, Guedes defendeu a venda da participação do governo no Banco do Brasil – cujo controle majoritário pertence à União – ao dizer que o banco é um "caso pronto de privatização" e o governo "tem que vender essa porra logo."

"O Banco do Brasil não é tatu nem cobra. Porque ele não é privado, nem público. Então se for apertar o Rubem (Novaes, presidente do Banco do Brasil), coitado. Ele é super liberal, mas se apertar ele e falar 'bota o juro baixo', ele: 'Não posso, senão a turma, os privados, meus minoritários, me apertam.' Aí, se falar assim 'bota o juro alto', ele: 'Não posso, porque senão o governo me aperta'. O Banco do Brasil é um caso pronto de privatização", declarou Guedes.

Em outro momento da reunião, Guedes mostra discordâncias em relação ao “Plano Pró-Brasil”, apresentado no mesmo dia 22 de abril pelo general Walter Braga Netto, ministro da Casa Civil. O programa se baseia na retomada do investimento em infraestrutura como indutor do desenvolvimento no pós-pandemia, no qual haveria forte direcionamento de recursos estatais.

Guedes diz que a iniciativa é “super bem-vinda”, mas que “não vamos nos iludir” pois a retomada só viria pelos investimentos privados, abertura comercial e outras iniciativas.

Na reunião, o ministro da Economia também defendeu o uso de recursos públicos para salvar grandes companhias – o que pode ser considerada uma contradição aos valores liberais defendidos pelo ministro.

"Nós vamos botar dinheiro, e vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas", disse Guedes.

Guedes citou na reunião o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Social, Gustavo Montezano, cuja instituição está liderando um programa de ajuda a empresas do setores aéreo, elétrico, automotivo e do varejo, entre outros. 

"Montamos um comitê de bancos, estamos lá com o Montezano agora fazendo justamente a reestruturação. Não vai ter molezinha pra empresa aérea, pra nada disso. É dinheiro que nós vamos botar usando a melhor tecnologia financeira lá de fora", disse Guedes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.