Brasil

Dino: PF está fazendo diligências em inquérito sobre joias de Bolsonaro

Dino avalia que a PF tem condições de terminar as investigações sem, necessariamente, tomar um depoimento de Bolsonaro

Flavio Dino: Eventualmente, o ex-chefe do Executivo poderá ser intimado a depor no inquérito (FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

Flavio Dino: Eventualmente, o ex-chefe do Executivo poderá ser intimado a depor no inquérito (FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/Estadão Conteúdo)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 13 de março de 2023 às 15h28.

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Flávio Dino, afirmou nesta segunda-feira, 13, que a Polícia Federal (PF) está fazendo diligências no inquérito instaurado para investigar o caso das joias presenteadas ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e à ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro pelo governo da Arábia Saudita.

Eventualmente, o ex-chefe do Executivo poderá ser intimado a depor no inquérito.

"Temos diligências ocorrendo neste instante. Há pessoas sendo ouvidas todos os dias", afirmou Dino, ao deixar um evento sobre liberdade de expressão, na sede da Fundação Getulio Vargas (FGV) no Rio.

Bolsonaro pode ser obrigado a depor

Segundo Dino, caso Bolsonaro não responda a alguma intimação e continue no exterior, o governo brasileiro poderia, eventualmente, acionar mecanismos de cooperação internacional, para fazê-lo depor.

"Em algum momento, como investigado, o ex-presidente será intimado a prestar depoimento. E aí, caso ele não compareça, nasce uma situação nova, em que poderá haver ou não o acionamento de mecanismos de cooperação jurídica internacional", disse o ministro.

Mesmo assim, Dino avalia que a PF tem condições de terminar as investigações sem, necessariamente, tomar um depoimento de Bolsonaro. Por outro lado, o ministro ressaltou que prestar o depoimento, se for mesmo na condição de investigado, seria um direito do ex-presidente, para exercer plenamente sua defesa.

"Estamos diante de fatos que têm provas documentais. São imagens filmes, ofícios, papéis, as chamadas provas materiais. Temos outras pessoas sendo ouvidas, em provas testemunhais. Então, sim será possível concluir o inquérito independentemente de ele ser ouvido ou não. Espero que ele compareça, porque é um direito dele", completou Dino.

Acompanhe tudo sobre:Flávio DinoJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Uso de inteligência artificial cresce acende sinal de alerta no TSE para eleições municipais

Inmet emite alerta de 'Perigo' para o RS; PR e SC podem ter ventos de até 100 km/h

Professores encerram greve nas universidades federais de todo o país depois de dois meses

Manifestantes contrários ao PL Antiaborto voltam a ocupar ruas

Mais na Exame