Brasil

Cidade de São Paulo registra mês de junho mais quente e seco dos últimos 63 anos

Temperatura média máxima na cidade foi de 26,3ºC, sem registro de chuva

Imóveis de luxo em São Paulo: o valor geral de vendas desses imóveis atingiu R$ 9,4 bilhões até setembro (Germano Lüders/Exame)

Imóveis de luxo em São Paulo: o valor geral de vendas desses imóveis atingiu R$ 9,4 bilhões até setembro (Germano Lüders/Exame)

Publicado em 3 de julho de 2024 às 06h40.

O mês de junho foi o mais quente na cidade de São Paulo nos últimos 63 anos, com uma média de temperatura de 26,3ºC, número quase 4ºC acima da média para a capital paulista no período, que costuma ser de 22,9ºC.

Os números são de um balanço divulgado pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e trazem outros dados sobre o tempo na cidade.

Sindicato dos motoristas e cobradores suspende greve dos ônibus de SP marcada para quarta-feira

Maior mínima registrada

A temperatura mínima em junho também foi anormal, sendo a segunda mais alta já registrada, com 15,7ºC. Apenas em 2020 ela foi mais elevada, chegando a 15,8ºC.

Junho mais quente

A maior temperatura foi de 28,8ºC, registrada no dia 16, igualando a mesma máxima registrada em 1992. A menor temperatura do mês aconteceu nos dias 07 e 21, com 13,6ºC.

Chuvas voltam ao RS nesta quarta; baixa umidade eleva temperaturas no Centro-Oeste; veja previsão

Tempo seco

Não houve registro de chuvas desde o início de junho. O tempo seco foi marca registrada do mês, com uma estiagem que durou 30 dias e uma baixa umidade do ar.

Este passa a ser o mês de junho mais seco desde que o Inmet passou a coletar os dados meteorológicos da cidade de São Paulo, em 1961. O recorde era de 1984, com apenas 0,1mm acumulado.

Acompanhe tudo sobre:Estado de São PauloClimaMudanças climáticas

Mais de Brasil

Novo oficializa candidatura de Marina Helena à prefeitura de SP com coronel da PM como vice

Estudo da Nasa aponta que Brasil pode ficar 'inabitável' em 50 anos; entenda

Temperatura acima de 30°C para 13 capitais e alerta de chuva para 4 estados; veja previsão

Discreta, Lu Alckmin descarta ser vice de Tabata: 'Nunca serei candidata'

Mais na Exame