Acompanhe:

Formada especialmente por lavradores, pescadores e quilombolas, Serrano do Maranhão (MA) é a cidade com maior percentual de pessoas autodeclaradas pretas do país, segundo dados do Censo Demográfico divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (22). Ao todo, 58,5% dos habitantes afirmam pertencer a esse grupo étnico.

A população de Serrano do Maranhão (MA) chegou a 10.202 pessoas no Censo de 2022, o que representa um aumento de 5,92% em comparação com o Censo de 2010. Entre o recorte racial, 38,7% dos moradores se autodeclaram pardos e outros 2,7% dizem ser brancos. Indígenas e amarelos são minorias na cidade: somam 0,1% dos habitantes.

Localizada a cerca de 187 km de São Luís, no Maranhão, a cidade foi desmembrada do município de Cururupu em 1994. Antes da emancipação, o município era denominado Povoado Serrano.

Em todo o Brasil, pela primeira vez a população é composta majoritariamente por pessoas pardas. Na comparação com os resultados do Censo 2010, considerando o aumento de 6,5% da população total, destaca-se o crescimento de 42,3% de brasileiros autodeclarados pretos e de 11,9% pardos, enquanto houve um decréscimo de 3,1% da população branca.

O IBGE utiliza o conceito de “raça” como uma categoria socialmente construída na interação social e não como um conceito biológico. Na pesquisa, cada pessoa responde ao IBGE a sua percepção sobre a cor ou raça a que pertence, baseado em critérios como origem familiar, cor da pele, traços físicos, etnia e pertencimento comunitário, entre outros. Além disso, o instituto afirma que essas cinco categorias estabelecidas na investigação (branca, preta, amarela, parda e indígena) também podem ser entendidas pelo informante de forma variável.

No entanto, o manual de entrevista do Censo conceitua cada uma das categorias. A pessoa parda, por exemplo, é definida como aquela "que se declarar parda ou que se identifique com mistura de duas ou mais opções de cor ou raça, incluindo branca, preta, parda e indígena". Já a amarela é definida como "pessoa de origem oriental: japonesa, chinesa, coreana etc".

Quilombolas lutam por regularização

Atualmente, o município é dividido em pequenos povoados. Entre eles, Mocal, Paraíso, Arapiranga, Boa Esperança, Portinho, Santa Filomena, Rosário, Deus-Bem-Sabe, Soledade, Cedro e Cardeal. Na localidade ainda remanescem várias construções antigas, de taipa e pindoba, bem como de adobe, típicas de comunidades quilombolas, que hoje é composta por cerca de 183 famílias, segundo o Censo de 2022.

Nascida e criada no quilombo Boa Esperança II, onde moram cerca de 260 pessoas, a professora Acácia dos Santos, de 57 anos, conta que a vida na cidade é simples e difícil, especialmente para os quilombolas, que enfrentam conflitos agrários por falta de titulação de terras. A área em que vive, por exemplo, é certificada pela Fundação Palmares, mas aguarda há 11 anos a demarcação definitiva pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Falta de oportunidades expulsa jovens

Segundo Acácia, o atendimento hospitalar na cidade é de má qualidade e o acesso às escolas é difícil, fator que dificulta o período letivo das crianças e adolescentes dos quilombos e comunidades interioranas. Próximo ao Boa Esperança II, por exemplo, a professora afirma que só há uma escola que atende crianças até o 3º ano do ensino fundamental. Os que avançam de série precisam percorrer cerca de 4 km para estudar.

— Nós ficamos distante do Centro da cidade, onde a educação e saúde são melhores. Por aqui, nos quilombos a situação é diferente. Quando chove muito os jovens não conseguem ir para a escola porque a estrada fica com difícil acesso por conta da lama. Ainda enfrentam a dificuldade de não terem merenda nas escolas — explica Acácia, que também é coordenadora do Movimento Quilombola do Maranhão.

Em Serrano do Maranhão, a principal fonte de renda da população é a pesca e a agricultura. A falta de oportunidades, no entanto, faz com que muitos jovens deixem o local em busca de emprego e estudo em grandes metrópoles. Foi o que aconteceu com os três filhos de Acácia, de 30, 36 e 38 anos, que se mudaram para o Distrito Federal para trabalhar.

Tambor de crioula é cultura ancestral da cidade

Popular no estado do Maranhão, o tambor de crioula é uma forma de expressão de matriz afro-brasileira ainda bem presente entre as comunidades de Serrano do Maranhão. A tradição envolve dança circular, canto e percussão de tambores. É considerado referência de identidade e de resistência cultural dos negros maranhenses.

Não se pode precisar com segurança as origens históricas do tambor de crioula. No entanto, por meio de documentos impressos e da tradição oral, é possível associá-lo a práticas lúdico-religiosas realizadas ao longo do século XIX por escravizados e por seus descendentes, como forma de lazer e de resistência à escravidão.

O tambor de crioula é praticado como divertimento ou em devoção a São Benedito. Não há local definido, nem época pré-determinada para as apresentações. No entanto, elas são mais frequentes durante o Carnaval e nas festas de bumba-meu-boi. A dança é praticada, em geral, só por mulheres. A coreografia é bastante livre e variada, com passos miúdos e rodopios, conduzidos pelo ritmo dos tambores.

— Aqui em Serrano do Maranhão temos festivais de tambor de crioula, que é considerado nosso patrimônio cultural — conta Acácia.

Algumas características aproximam o tambor de crioula do gênero samba: a polirritmia dos tambores, a síncope (frase rítmica característica), os principais movimentos coreográficos e a umbigada. Esses traços são comuns, por exemplo, ao samba de roda do Recôncavo Baiano, ao jongo praticado na região Sudeste e ao samba carioca (especificamente ao partido-alto, ao samba de breque e ao samba-canção).

2º e 3º cidades mais pretas ficam na Bahia

Depois do Maranhão, que tem Serrano do Maranhão como líder no ranking das cidades com mais pessoas pretas do país, a Bahia ocupa as duas posições seguintes com os municípios de Antônio Cardoso e Ouriçangas. As regiões, segundo o IBGE, têm 55,1% e 52,8% da população autodeclarada preta, respectivamente.

DADOS CENSO 2022 SOBRE COR E RAÇA:

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
SP: população da capital envelhece; já são mais de 2 milhões de idosos
Brasil

SP: população da capital envelhece; já são mais de 2 milhões de idosos

Há 2 semanas

São Paulo: Saiba se a população do seu bairro cresce ou encolhe
Brasil

São Paulo: Saiba se a população do seu bairro cresce ou encolhe

Há 3 semanas

Mais da metade da população brasileira vive no litoral do país, revelam dados do Censo 2022
Brasil

Mais da metade da população brasileira vive no litoral do país, revelam dados do Censo 2022

Há 3 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais