• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Ranking traz produtoras de alimentos mais comprometidas com meio ambiente

Lista tem duas companhias norueguesas no topo e quatro brasileiras entre as 60 organizações globais avaliadas
 (Getty Images/Getty Images)
(Getty Images/Getty Images)
Por exame.solutionsPublicado em 03/02/2022 13:25 | Última atualização em 15/02/2022 16:45Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Quatro empresas brasileiras foram listadas na quarta edição do ranking Coller Fairr Protein Producer Index, que avalia 60 companhias globais de capital aberto ligadas à produção de alimentos à base de carnes, peixes e lácteos em relação a critérios sustentáveis. A lista é liderada por duas empresas norueguesas de aquicultura: Mowi e Grieg Seafood. Completa o “top 3” a canadense Maple Leaf.

A brasileira JBS, segunda maior empresa global de alimentos e líder no setor de proteína, registrou uma pontuação geral de 57% no ranking, ficando na 11ª posição.

A pontuação geral da companhia vem evoluindo de maneira consistente ano após ano, partindo de 38% na edição inaugural do índice, em 2018, passando para 39% em 2019, 51% em 2020, e chegando aos 57% na edição de 2021.

“A evolução da nota da JBS ano após ano reflete a prioridade que as questões ESG vêm recebendo na companhia”, destaca Márcio Nappo, diretor de Sustentabilidade da JBS. “A sustentabilidade, definitivamente, passou a ser a nossa estratégia de negócios. Assumimos o compromisso de ser Net Zero até 2040, e estamos focados em ações para reduzir emissões em toda a nossa cadeia de valor. Muitos desses desafios são setoriais, por isso é importante também ver a melhora das demais empresas”.

Segundo a lista, atualmente 52% das empresas são categorizadas como “alto risco”, em comparação com 63% em 2020. As demais brasileiras presentes na lista são Marfrig, BRF e Minerva.

Inovações para um setor mais sustentável

Um dos pontos destacados pelo Coller Fairr Protein Producer Index é a inovação em rações. Com os preços desse tipo de alimento atingindo o valor máximo dos últimos oito anos, nove empresas de carne, peixe e laticínios estão investindo em ingredientes ou produção sustentável para reduzir o risco de suas cadeias de suprimentos.

O index cita a britânica Cranswick, que está testando ração à base de proteína de insetos, ervilhas e feijões, e a JBS, que fez parceria com a DSM, com sede na Holanda, para implementar um aditivo alimentar para reduzir as emissões de metano da digestão em vacas.

O índice também destaca a inovação em proteínas alternativas, reforçando que quase metade (28/60) das empresas listadas agora atua nessa frente, em comparação com apenas um quarto (15) em 2019.

Sete empresas de carne relatam investimentos em carne cultivada. A Thai Union, da Tailândia, por exemplo, formou parcerias com a startup de carne cultivada Aleph Farms e a startup de frutos do mar cultivados BlueNalu. Já a JBS entrou recentemente no setor com um investimento de 100 milhões de dólares na aquisição de uma empresa espanhola de carne cultivada e um centro de pesquisa e desenvolvimento com esse mesmo foco.

“Esta aquisição reforça nossa estratégia de inovação, desde como desenvolvemos novos produtos até como comercializamos, para atender à crescente demanda global por alimentos”, comentou em nota Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS. “Unindo o conhecimento tecnológico com nossa capacidade de produção, seremos capazes de acelerar o desenvolvimento do mercado de proteína cultivada.”

Veja Também

Como o SUS chega aos moradores da floresta
Saúde
Há 2 meses • 3 min de leitura

Como o SUS chega aos moradores da floresta

A revista EXAME agora é carbono neutro
Revista Exame
Há 2 meses • 3 min de leitura

A revista EXAME agora é carbono neutro

Edifícios de madeira revolucionam construção civil
Negócios
Há 2 meses • 6 min de leitura

Edifícios de madeira revolucionam construção civil