EXAME Agro

Quais as projeções para o algodão nos próximos 10 anos?

Produção deve passar de 2.901 mil toneladas em 2022/23 para 3,6 milhões de toneladas em 2032/33, de acordo com estudo do Ministério da Agricultura

algodão (Lucas Ninno/Getty Images)

algodão (Lucas Ninno/Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de setembro de 2023 às 14h04.

Última atualização em 18 de setembro de 2023 às 14h14.

De acordo com o estudo do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) sobre projeções para o agronegócio até 2032/33, o Brasil deve ter um incremento considerável na produção de pluma de algodão, passando de 2.901 mil toneladas na safra 2022/23 para expressivos 3,6 milhões de toneladas até 2032/33.

Leia também: Soja, milho e carnes: 2023 será o ano dos recordes da exportação do agro

As projeções indicam uma ascensão gradual na produção de algodão em pluma, com uma taxa de crescimento anual de 2,8% ao longo do período previsto. Isso resultaria em uma variação de 26,8% na produção, fomentada pela contínua exportação nos próximos anos.

Não é só no Brasil que a produção de algodão deve crescer. De acordo com a OCDE-FAO, o cultivo global está projetado para crescer a uma taxa anual de 1,8% neste ano, atingindo 28,3 milhões de toneladas em 2032.

A expansão será impulsionada principalmente por avanços na produtividade, esperando-se um aumento de 1,5% ao ano, além de uma expansão da área colhida em menor escala, com uma taxa de 0,3% ao ano.

Relevância do Brasil ao mercado

Segundo o estudo do Mapa, cerca de 76,0% da produção global de algodão será originada em países em desenvolvimento, e o Brasil deverá contribuir com 12,5% da produção mundial em 2030, em comparação aos atuais 10,9%. Isso reflete a crescente importância do país no cenário global.

Leia também: Fazenda em Mato Grosso aumenta produtividade em 18% após chegada da internet

A produção de algodão se concentra especialmente em Mato Grosso e Bahia, que juntos representam impressionantes 89,9% da produção nacional em 2022/23. Mato Grosso lidera com 69,5% da produção total, seguido de perto pelo estado da Bahia, que contribui com 20,4% da produção do país. Outros estados, como Mato Grosso do Sul, Maranhão e Goiás, somam aproximadamente 5,0% da produção nacional.

O consumo de algodão no Brasil é projetado para manter-se estável nos próximos dez anos, com uma estimativa de 732 mil toneladas. Essa tendência reforça a relevância do mercado internacional para o crescimento do setor no país, conforme apontado pela OECD-FAO.

Leia também: OPINIÃO: A corrida do agronegócio pela comunicação fora da porteira

Quanto aos  preços internacionais, deve haver ligeira redução no médio prazo, ajustados a valores reais. O cenário é influenciado pelo aumento da produtividade e pela expectativa de queda nos preços das fibras sintéticas, exercendo pressão para o aumento da oferta que pode levar à diminuição dos preços do algodão.

Acompanhe tudo sobre:AgriculturaAgronegócioAlgodãoMinistério da Agricultura e Pecuária

Mais de EXAME Agro

Plano Safra 24/25 é adiado para a próxima semana; veja nova data

Após leilão do arroz, ministro do Desenvolvimento Agrário decide trocar diretor da Conab

Plano 2024/25: Fávaro confirma lançamento em Brasília; veja data

Cadastro de rebanho: Paraná amplia prazo para procedimento; veja data

Mais na Exame