Arábia Saudita retoma importação de frigoríficos mineiros após embargo

A medida dos sauditas havia entrou em vigor quando a OIE concluiu que os dois casos de "vaca louca" não representam risco
 (Paulo Whitaker/Reuters)
(Paulo Whitaker/Reuters)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 17/09/2021 09:30 | Última atualização em 17/09/2021 15:02Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A Arábia Saudita retomou na quinta-feira, 16, as importações de carne bovina de cinco frigoríficos de Minas Gerais, informou em seu site oficial a Saudi Food and Drug Authority (SFDA), a agência governamental que regula alimentos e medicamentos no país. As compras haviam sido suspensas no dia 6 de setembro, após a confirmação de um caso atípico do mal da "vaca louca" no Estado.

  • Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

O embargo tinha atingido uma unidade da Plena Alimentos S/A, em Pará de Minas; duas da Supremo Carnes, em Ibirité e Campo Belo; uma da MaxiBeef Carnes, em Carlos Chagas; e outra da Dimeza Alimentos, do Grupo Fricon, no município de Contagem.

A medida dos sauditas havia entrado em vigor justamente no dia em que a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) concluiu que os dois casos da doença, identificados em Minas Gerais e Mato Grosso, não representam risco para a cadeia de produção bovina brasileira.

Agora, o Brasil se concentra em avançar nas negociações com a China para liberar o mercado de exportação de carne bovina, que foi interrompido voluntariamente pelo Brasil enquanto mais informações sobre os casos estavam sendo analisadas.

Na terça-feira, o Ministério da Agricultura informou que não havia previsão de retomada das vendas aos chineses.

O podcast SuperAgro vai ao ar todas às quartas-feiras com os principais desafios e oportunidades do agronegócio, com apresentação de Carla Aranha, repórter de macroeconomia da EXAME. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou ouça em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas